Imprensa é oposição. O resto é armazém de secos e molhados."

(Millôr Fernandes)

domingo, 31 de janeiro de 2010

Fora Arruda

Domingo, 31 de janeiro de 2010
Logo mais às 10 horas deste domingo será lançado no Cruzeiro uma seção do Movimento Contra a Corrupção. A seção do movimento que, além do Cruzeiro, abrange a Octagonal, o Sudoeste e o Setor Militar Urbano será lançado no Círculo Operário do Cruzeiro Velho, ao lado do Celva e por trás da Administração Regional do Cruzeiro.
O Movimento luta pelo afastamento do governador Arruda, de Paulo Octávio, de deputados distritais, secretários, administradores regionais e outras autoridades do DF envolvidas pela Operação Caixa de Pandora.
Mantenha-se atualizado sobre a agenda do Movimento, acessando http://www.foraarruda.com/

sábado, 30 de janeiro de 2010

Copiando Médice

Sábado, 30 janeiro de 2010
De Helio Fernandes na Tribuna da Imprensa

Dona Dilma, copiando o ditador general Médici

“O Brasil será a quinta potência do mundo, mas o povo não será”. Vejam só se é muito diferente: “A economia vai bem, mas o povo vai mal”. Está é do “presidente” Médici, “copiada” para ele pelo general que chefiava a ARP (Relações Públicas), altamente competente.
Lúcida aos 100 anos
Dona Memélia, mulher do historiador Sergio Buarque de Holanda e só muito mais tarde mãe do Chico, deu um show de memória e de conhecimento.
O auge, quando Dona Dilma, sem ser convidada e nunca ter falado com ela, foi entrando na casa. Pergunta de Dona Memélia: “Quem é essa que nunca vi, nem sei quem é?” Bestial, pá.

Contagem regressiva

Sábado, 30 de janeiro de 2010
A PM diz que foi obra de vândalos a queima de dois painéis que marcam a contagem regressiva para os 50 anos de Brasília. Já o Corpo de Bombeiros afirma que houve curto circuito. O caso do incêndio dos dois horrorosos painéis que ficam no Eixo Monumental de Brasília demonstra os desencontros da área de segurança no DF.
Se houver a recuperação dos painéis, monstrengos que custaram uma fortuna,  que eles passem a fazer a contagem regressiva para Arruda deixar o cargo. O governo já acabou. Ele, Arruda, é que insiste em continuar no cargo.

Segurança Kinder Ovo

Sábado, 30 de janeiro de 2010
Quer uma evidência do caos que é a área de segurança pública no governo Arruda? Ontem assumiu o quarto comandante-geral da PM em apenas três anos e um mês de governo. E a criminalidade subindo, a insegurança dos cidadãos cada vez maior. É a ineficiência da segurança "estilo kinder ovo", os postinhos de brincadeira que o governo impingiu à segurança (insegurança) de Brasília. Postinhos caros, frágeis, mal equipados, ineficientes. São verdadeiros kinder ovos deitados, não o sendo mais kinder ovos por que estes têm uma surpresa dentro. Nos postos não há surpresa. Os postos são aquilo mesmo que são, que as pessoas já sabem o que são: inúteis.

Uma boa notícia ruim

Sábado, 30 de janeiro de 2010
Por Ivan de Carvalho

Uma “boa” notícia infiltra-se entre as ruins dos dias mais recentes, incluindo a crise hipertensiva do Nosso Guia e as chuvas que afogam São Paulo (santo dado a acidentes aquáticos), passando pelo incrível 3º Plano Nacional de Direitos Humanos, produzido pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.
A notícia “boa” não é totalmente boa. De bondade ela só tem a disposição de abrir um debate sobre um propósito ruim, diria terrível, acolhido no PNDH-3, criando a perspectiva de que a proposta de liberação geral do aborto, adotada pelo Plano, não é intocável.
    Mas é, sem dúvida, uma surpresa. Isto porque nos decretos que assinou oficializando o Plano, decretos que, graças a Deus e aos constituintes de 1988, não valem legalmente sem que sejam aprovados pelo Congresso Nacional, o presidente Lula deixou indignados vários setores.
Um deles foi o dos militares, com a criação da Comissão da Verdade, já objeto de amplo debate, sob forte pressão e até com ameaças de renúncia do ministro da Defesa e dos comandantes do Exército e da Marinha, que viram discriminação por determinar-se investigação dos crimes da “repressão” e não os do “outro lado”, o lado que tentava, sem chance, derrubar o regime pelas armas. Uma mudança vocabular apagou a fogueira, no lado militar. No outro, até a avivou.
Mas o PNDH-3 sofreu só esta mudança, mantendo proposta que deixou indignados a Igreja Católica e demais setores cristãos da sociedade, bem como causou contrariedade entre os espíritas e os setores que são simplesmente “a favor da vida”, por questão de consciência ou de ética, independente de alinhamento religioso. Por outros motivos, indignado ficou também o setor de agronegócios e, não menos que este, a imprensa (jornais e revistas, emissoras de rádio e televisão, havendo reação esparsa, mas faltando uma reação organizada – aliás, necessária e ainda não extemporânea – somente quanto a sites e blogs jornalísticos). O PNDH-3 é uma perigosa e poderosa ameaça à liberdade de expressão e, especificamente, à liberdade de imprensa.
A boa notícia é que o ministro da Secretaria de Direitos Humanos, Paulo Vannuchi, reconheceu ontem que sua Secretaria (quer dizer, o governo, pois o PNDH-3 passou pela Casa Civil da ministra Dilma e o presidente Lula o assinou) errou ao endossar, no Plano, a legalização do aborto. “Vamos levar a discussão à CNBB e ao Congresso para corrigirmos esse item”, declarou Vannuchi.
A expectativa agora é de que o apoio explícito à legalização do aborto seja amenizado, segundo avaliação governista. Mas não se trata de “amenizar” o apoio, é insatisfatório – mais do que isso, inaceitável – manter, ainda que “amenizado”, o apoio ao massacre dos inocentes indefesos, prisioneiros ainda no ventre de suas mães e sob sua custódia. Se a polícia mata alguém detido e sob sua custódia, isto é um crime indiscutível. Se a mãe mata ou alguém o faz a seu pedido, em condições equivalentes, só que com agravantes, são moralmente (e por enquanto legalmente) criminosos os envolvidos. Querer “amenizar” o apoio a esse crime...

Este artigo foi publicado originalmente da Tribuna da Bahia deste sábado.
Ivan de Carvalho é jornalista baiano

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Fora Arruda agitará o Cruzeiro

Sexta, 29 de janeiro de 2010
No dia 31, próximo domingo, o Movimento Contra a Corrupção estará às 10 horas no Círculo Operário do Cruzeiro Velho. Será o lançamento do Movimento – Seção Cruzeiro, Octogonal, Sudoeste e Setor Militar Urbano.
Para o evento foram convidadas associações, prefeituras de quadra, igrejas, movimentos estudantis, além de partidos políticos e o público em geral. A Seção do Movimento Contra a Corrupção que será lançado domingo ficará responsável de montar uma pauta proativa de acompanhamento e manifestações naquelas localidades, articulando as suas ações com o restante do Movimento.
O Círculo Operário do Cruzeiro Velho fica ao lado do Celva e por trás da Administração Regional do Cruzeiro. Compareça!
O Movimento e os brasilienses lutam pelo afastamento imediato do governador Arruda, do seu vice Paulo Octávio, de todos os secretários, administradores regionais e deputados envolvidos no escândalo da corrupção no DF.
Acesse http://www.foraarruda.com/ e mantenha-se atualizado sobre a agenda do Movimento. Brasília precisa da sua participação.
No vídeo abaixo um argumento para você ir para as ruas

Final de tarde em Salvador

Sexta, 29 de janeiro de 2010
 
Foto: Taciano
Cair da tarde em praia de Salvador.
Clique na foto para que ela abra em tamanho normal.

Protógenes é punido mais uma vez

Sábado, 29 de janeiro de 2010
PF pune Protógenes por afirmar em blog (em 15 de abril de 2009) que foi afastado pelo Ministério da Justiça das atividades de delegado para, possivelmente, favorecer Daniel Dantas, o banqueiro do Opportunity, um dos alvos da Operação Sathiagraha. Protógenes Queiroz foi punido agora em 26 de janeiro com suspensão de dois dias, o que fará com que tenha um corte de salário. Perde salário, mas talvez seja recompensado por mais um monte de votos nas eleições que disputará em outubro próximo em São Paulo. Ele está filiado ao PC do B.
Veja abaixo o Boletim de Serviço n° 017 do Ministério da Justiça, publicado no último dia 26 e que trata da punição de Protógenes.
DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL
BRASÍLIA-DF, TERÇA-FEIRA, 26 DE JANEIRO DE 2010
BOLETIM DE SERVIÇO No. 017MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

PORTARIA No. 007/2010-COGER/DPF
Brasília/DF, 21 de janeiro de 2010
O CORREGEDOR-GERAL DE POLÍCIA FEDERAL, no uso de suas atribuições previstas no inc. XVI, do art. 32, do Regimento Interno do DPF, aprovado por meio da Portaria no. 3961/MJ,
de 24.11.2009, publicada no D.O.U no. 225, de 25.11.2009, c.c o inc. V, do art. 50, da Lei no. 4.878, de 03 de dezembro de 1.965, tendo em vista o disposto nos art. 10 e 11 do Decreto-Lei no. 200, de 25.02.1967 e considerando o que restou apurado nos autos do PAD no. 046/2009-COGER/DPF, R E S O L V E :
I – APLICAR a pena disciplinar de 02 (dois) dias de suspensão ao servidor PROTÓGENES PINHEIRO DE QUEIROZ, Delegado de Polícia Federal, primeira classe, matrícula no. 8.452, lotado na CGDI/DIREX/DPF, por restar comprovado que publicou mensagem no endereço eletrônico denominado “http://blogdoprotogenes.com.br”, acessado em 16.04.2009, dando a entender que o seu afastamento do exercício do cargo de Delegado de Polícia Federal, determinado pela Portaria no. 247/2009-DG/DPF, de 09.04.2009, ocorreu, possivelmente, em favor de pessoa investigada em processo criminal, conduta que configura a transgressão disciplinar tipificada no inc. I, do art. 43, da Lei no. 4.878, de 03.12.1965; II – Na mensuração da pena foram observadas as circunstâncias previstas no art 45 do referido dispositivo legal.

Não é possível servir simultaneamente à Bahia e a Mamon

Sexta, 29 de janeiro de 2010
Do Blog Bahia em Pauta

Segue a avalanche desencadeada pelo escritor João Ubaldo Ribeiro com o seu artigo “Adeus, Itaparica”.Com 655 palavras, Ubaldo conquistou o apoio de escritores, artistas, professores, jornalistas e demais profissões, como dizem os radialistas, para a defesa da Ilha de Itaparica, ameaçada pela construção de uma ponte sobre a Baía de Todos-os-Santos, anunciada pelo governador da Bahia – como assinala a revista digital Terra Magazine na apresentação da entrevista exclusiva do autor de “Viva o povo brasileiro”.

A “dívida” interna de 1 TRILHÃO e 500 BILHÕES, que cresce sem nenhuma surpresa, à medida que os juros sobem. E vão subir mais

Sexta, 29 de janeiro de 2010
De Helio Fernandes na Tribuna da Imprensa
Oficialmente o governo confirmou: o total da chamada dívida interna que não existia até 1994, é esse que está no título. A juros de 8,75% (por enquanto) será preciso “economizar” para os juros, (leia-se AMORTIZAR em vez de PAGAR) importância astronômica. Fico até humilhado, envergonhado e constrangido em publicar o total.
Mas não posso esconder do cidadão-contribuinte-eleitor, o quanto ele mesmo terá que ter à disposição para alimentar esses sôfregos e avaros banqueiros brasileiros e estrangeiros. E alguns que trazem para cá o famoso “capital motel”, ganham na Bovespa, vão embora e deixam os lucros aqui, rendendo 8,75%, o maior rendimento do mundo. E com pagamento sem qualquer atraso, pois ATRASO significa desconfiança no exterior, e se houver essa desconfiança, Lula não ganha mais títulos de ESTADISTA DO ANO.
(Lula é “consagrado” não pelo que faz e sim pelo que paga, generosamente com o dinheiro do cidadão).

As vaias, a ponte e o túnel

Quinta, 29 de dezembro de 2010
Por Ivan de Carvalho
Recentemente, o jornalista Levi Vasconcelos flagrou, em um restaurante da moda na Pituba, militantes petistas planejando vaiar Caetano Veloso “nos circuitos nobres” do carnaval baiano.
 A vaia seria (ou será) porque Caetano não vai votar na candidata do PT a presidente e/ou porque ele aplicou alguns adjetivos desagradáveis a Lula. Teria (ou terá), evidentemente, índole intimidatória, de terrorismo político-psicológico, de patrulhamento de idéias, na rota da Polícia do Pensamento de que fala Orwell em seu romance 1984. Regina Duarte (lembram-se?) disse que tinha medo.
Em entrevista, explicando que votará na candidata do PV a presidente, a senadora Marina Silva, disse o compositor baiano exatamente o seguinte: “Marina é Lula e é Obama ao mesmo tempo". "Ela é meio preta, é cabocla, é inteligente como o Obama, não é analfabeta como o Lula, que não sabe falar, é cafona falando, grosseiro. Ela fala bem".
    Foi o bastante. O PT subiu nos cascos. Lula respondeu. Dona Canô, mãe de Caetano, pediu desculpas. Caetano cantou “Eu não peço desculpas e nem peço perdão”. Apesar do desmentido do presidente estadual do PT, Jonas Paulo, a vaia vem sendo estimulada. Isso reportou, no programa Balanço Geral, da Rede Record, o apresentador Raimundo Varela, que não é do PT. Ante sua grande audiência, lamentou um comentário de Caetano, afirmando que este declarou que o carnaval é uma coisa “muita chata” e em seguida lembrou a idéia das vaias como uma coisa que está viva. Ora, quem sabe Caetano – mito e herói construtor do carnaval baiano – está achando (se está) o carnaval uma “coisa chata” para preparar a explicação de não comparecer e, assim, por-se fora do alcance de vaias. Com o que perderia mais o carnaval do que ele. Os petistas, pelo contrário, aparentemente ganhariam. Mas às vezes as aparências enganam.
    Há, no entanto, uma fragrante injustiça nessa história. Se Caetano deve ser vaiado pelo que falou, pelo que escreveu que vaia monumental merece João Ubaldo, pelo monumental artigo atacando a ponte monumental... Ubaldo falou da extinção da “Itaparica do meu coração” em holocausto aos “sacerdotes de Mamon”.
    Mas talvez haja uma alternativa conciliadora. Os sacerdotes de Mamon não poderiam fazer a exploração destrutiva da ilha, mas se fartariam muito mais na própria obra. Ao invés de ponte, um túnel. Não romperia a paisagem azul de Todos os Santos, passaria mais perto do Inferno, se este for realmente “em baixo”. Sob as águas da baía, por baixo da ilha, saindo um ou dois quilômetros continente adentro, em rodovia da qual ninguém poderia sair ou fazer retorno nos 100 primeiros quilômetros. Assim, não valeria a pena emergir do túnel e rodar 200 km para chegar à ilha. Maiores túneis existem, o Túnel de Seikan, que liga as ilhas de Hokkaido e Honshu, no Japão e o Eurotúnel, sob o Canal da Mancha, ligando a Inglaterra à França/Europa, com 50,5 km, muito mais que os 12 ou 13 da ponte proposta para a baía da Bahia. O túnel baiano, pois, é viável.
    Enterrado no chão, o túnel não seria muito visto, mas isso também tem uma solução monumental: duas estátuas de minhoca, uma em cada boca do buraco.

Este artigo foi publicado originalmente na Tribuna da Bahia desta Sexta.
Ivan de Carvalho é jornalista baiano.

Pescadores de final de tarde

Sexta, 29 de janeiro de 2010
Foto: Taciano
Pescadores de final de tarde na Baía de Todos os Santos. Estavam entre o Yacht Clube da Bahia, fundado em 1935, e a praia da Barra.
 Clique na imagem para que ela abra em tamanho normal.

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Arruda perto do traço

Quinta, 29 de dezembro de 2010
Com todas as filmagens que existem por aí, bem que o governador Arruda poderia pedir para sair antes que a sua aprovação chegue perto de zero. Abaixo dos dez por cento já chegou. É o que apurou pesquisa da Vox Populi divulgada ontem pela Band. Ele, que já teve mais de 40 por cento de aprovação, se encontra no fundo do poço, com míseros 9 por cento. Também queria o que? Um governo fraco nas áreas da segurança, da educação, da saúde, de todas as áreas praticamente, e que só marca presença no noticiário político/policial.
Se não sai rapidinho vai chegar logo, logo, no traço.

É pra já!

Quinta, 28 de janeiro de 2010
Falta um tantinho assim para que a população do Gama-DF volte a ter o direito de ir e vir pelas passagens de pedestres das quadras residenciais da cidade. Só mais um tantinho de tempo! Vai ser rapidinho! São 780 razões para isso.

O Sombra

Quinta, 28 de janeiro de 2010
Depois de Durval Barbosa detonar muita gente com suas filmagens, escutas e com seus depoimentos à Polícia Federal, agora surge mais um homem perigoso para os envolvidos pela Operação Caixa de Pandora. É Edmilson Edson dos Santos, jornalista, o perigoso Sombra. Aquele que durante a CPI da Grilagem na Câmara Legislativa do DF, na década de 90, deixou muita gente tremendo. O homem sabia tudo, ou quase tudo, sobre a grilagem das terras públicas do DF.
Hoje o Sombra, que é amigo de Durval Barbosa, esteve na Polícia Federal, mas pediu para depor dentro de mais alguns dias, para ter tempo de melhor se preparar. Se souber sobre o Panetonegate metade do que sabia sobre grilagem, vem mais podridão aí. É perigo à vista! Nitroglicerina pura!

Lula elogiou o atraso de Dilma

Quinta, 28 de janeiro de 2010
Do jornalista Hélio Fernandes hoje no site da Tribuna da Imprensa

O presidente disse em Pernambuco, “que político devia ter prazo de validade na testa”. Ninguém encontrou o dele, procuraram. Elogiou o projeto “Minha casa, minha vida”, comandado pela Chefe da Casa Civil. É o mais atrasado de todos. Nesse ritmo, leva 50 anos.

Pescaria

Quinta, 28 de janeiro de 2010

Foto: Taciano
Baía de Todos os Santos ao cair da tarde. Ao fundo a Ilha de Itaparica.

Clique na foto para ela abrir em tamanho normal.

Bafafá na CLDF e processos contra Noblat

Quinta, 28 de janeiro de 2010
A sessão de ontem na CLDF (Câmara Legislativa do DF) que iria eleger um presidente para substituir Leonardo Prudente (o deputado da meia), que renunciou à Presidência da Casa, foi o maior bafafá. A sessão foi aberta, mas depois foi encerrada pelo presidente em exercício, Cabo Patrício (PT).
O deputado petista alegou que não haveria como manter os trabalhos, uma vez que postagem no Blog de Noblat informava que haveria um esquema que pagaria, se fosse necessário, R$4 milhões a cada deputado distrital para que votasse contra o impeachment do ainda governador Arruda. Os deputados arrudistas ainda tentaram mais tarde realizar outra sessão. Por limitações impostas pelo Regimento Interno da CLDF a estratégia foi deixada de lado e a sessão para a escolha do novo presidente ficou mesmo para terça-feira (2/1).
No final da tarde de ontem a Assessoria de Imprensa do Governo do Distrito Federal divulgou nota em que informou que a Procuradoria do Distrito Federal e os advogados que representam o governador do DF vão ingressar com ações criminal e civil contra Noblat, pela postagem no blog.

A postagem de Noblat, com o título “Como transportar R$4 milhões em espécie?” diz que no meio político de Brasília corre a informação da disposição em se pagar R$4 milhões a cada distrital para que vote contra o impeachment do governador. Ainda segundo a postagem, haveria um problema para o pagamento dos R$4 milhões. Como se pagar várias vezes R$4 milhões em dinheiro vivo, forma de pagamento que teria, ainda segundo a nota do blog, sido a forma exigida por distritais? Os riscos de grampos e filmagens seriam grande.

Nesse bafafá, nessa lambança na CLDF, o que causa estranheza também é como a grande imprensa (grande?) tratou a ameaça de processos contra Noblat. Quando muito uma pequena matéria, sem maiores destaques. Queiramos ou não, o Blog de Noblat se tornou um dos mais importantes e bem informados da internet brasileira, mais informado do que muitos jornalões. Não que se exigisse a defesa do blogueiro, mas a repercussão maior de suas denúncias que, afinal, resultaram no encerramento de uma sessão do Poder Legislativo do DF, adiando por quase uma semana a eleição do presidente da CLDF.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Manifesto pela preservação da beleza da Baía de Todos os Santos

Quarta, 27 de janeiro de 2010
Você pode não ser baiano, mas certamente não vai se calar diante de crimes que possam ser cometidos contra a beleza da Baía de Todos os Santos (e de todos os Orixás), contra a histórica e bela ilha de Itaparica, contra a cidade de Salvador.
O lucro para uns e a insensatez de governantes podem causar danos irreparáveis à baía. É a absurda ponte  de 13 quilômetros que a insanidade de alguns pretende construir ligando Salvador à ilha de Itaparica. Projeto bilionário que vai transferir para os cofres de alguns eleitos empresários o imposto que deveria ir para a saúde pública na Bahia, para garantir segurança aos cidadãos, para não deixar crianças fora da escola ou com educação de baixo nível, ou, então, que evitaria milhares de mortes nas péssimas estradas do Estado. Um projeto bom para alguns empresários, péssimo para a Bahia.
Leia postagem no blog Bahia em Pauta, do jornalista baiano Vitor Hugo, e veja quem já assinou o manifesto contra a construção da Ponte Salvador-Itaparica, ponte que, se construída, será um monstrengo enfeando a Baía de Todos os Santos.
O manifesto pode ser lido e assinado (eu já assinei) no link: http://www.gopetition.com/online/33669.html


Foto: Taciano
Vista da Ilha de Itaparica


Barata tonta

Quarta, 27 de janeiro de 2010
A Câmara Legislativa do DF está igual à barata tonta. Não sabe o que quer ou o que deve fazer, não conhece a direção que deve tomar. O que quer é possível que saiba. O que deve fazer certamente que não. É o que demonstram os acontecimentos do Panetonegate. Agora os deputados arrudistas estão tentando viabilizar uma sessão para a escolha do novo aliado do governador que ocupará a Presidência da CLDF, isso depois que o Cabo Patrício, vice-presidente, no exercício da Presidência, encerrou uma sessão e marcou outra para o dia 2 de fevereiro, com o fim de escolher quem substituirá “o deputado da meia” (o imPrudente) na direção da Casa.
O presidente em exercício encerrou a sessão de hoje à tarde em razão de denúncias publicadas no Blog de Noblat dando conta de que mais um escândalo estaria acontecendo. Seria o pagamento de R$4 milhões para que deputados salvassem o governador Arruda de impedimento. Imagine o presidente que seria eleito caso os fatos denunciados sejam verdadeiros. Triste Brasília!

Só faltava mais essa

Quarta, 27 de janeiro de 2010
E agora? Há a denúncia de que deputados receberiam $4 milhões para livrar a cara, melhor, o mandato do ainda governador Arruda. Em razão disso a votação para a escolha do novo presidente da Câmara Legislativa do DF ficou para a próxima terça-feira (2/1). O presidente eleito assumirá com a Câmara sob essa suspeição.
O pior é que como as coisas andam (ou desandam?) no Distrito Federal, muita gente acredita na denúncia.

Brinquedinho de Arruda pode sair dos trilhos

Quarta, 27 de janeiro de 2010

O site do Correio divulgou há pouco que o TJDFT – Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios, concedeu liminar, requerida pelo Ministério Público do DF, determinando a imediata suspensão das obras do trenzinho do Arruda, o chamado Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). Seriam ilegais tanto o edital de pré-qualificação dos concorrentes, como o contrato de construção com o consórcio de construção.

Determinou ainda o TJDFT a suspensão dos processos de empréstimos firmados pelo DF com a Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD), bem como os contratos com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Foi mais além, bloqueou todos os valores empenhados ao consórcio responsável pelas obras, em que as notas não foram liquidadas. Os governantes no Brasil normalmente não cumprem de imediato as determinações da Justiça, até porque se acham superiores a ela. Mas no caso, para tristeza do governante de Brasília, o TJDF prevê multas altíssimas se as decisões forem descumpridas. Se o governo não suspender as obras a multa diária varia de R$100 mil até R$50 milhões. Cumpre ou não cumpre? Claro que cumpre.
Criticado por muitos, o VLT, trenzinho que ligaria o aeroporto de Brasília ao centro do Plano Piloto da cidade, e que custaria os olhos da cara do contribuinte candango e do Brasil, pode causar mais danos à imagem do ainda governador Arruda. O atropelamento sem sobrevivente político pode acontecer a qualquer momento.

Mares da Bahia

Quarta, 27 de janeiro de 2010

Foto: Taciano
Mar da Bahia ao cair da tarde. Cena tomada a partir do cais da antiga Companha Baiana de Navegação. Ao fundo o quebra-mar que protege as embarcações contra a agitação das águas.
Clique na foto que ela abrirá em tamanho normal, permitindo uma melhor visão.

A estrada larga e as picadas

Quarta, 27 de janeiro de 2010
Por Ivan de Cavalho
O Congresso e o TSE vieram, atuando em dupla, ao longo de muitos anos e eleições, impondo restrições, limites, parâmetros cada vez mais rígidos às campanhas eleitorais.
Um dos aspectos mais importantes é o do financiamento das campanhas de partidos e candidatos e apesar da rigidez da letra da lei e das resoluções e regulamentações do TSE, um dos assuntos que mais roubam espaço a coisas sérias na mídia brasileira é a questão do caixa dois das campanhas e outras mutretas correlatas. Não vejo como o financiamento público resolveria algum problema. O caixa dois e as outras mutretas persistiriam. Apenas seria criado mais um problema, este para o contribuinte, ao qual mais este ônus seria imposto (pode-se atribuir, aí, duplo sentido à palavra imposto).
Mas não é o financiamento de campanha nem as outras mutretas que quero abordar hoje e, sim, a questão da antecipação ilegal de campanhas, assunto do momento. A oposição (DEM, PSDB e PPS) ingressou ontem no TSE com ação (apenas mais uma) contra o presidente Lula e sua ministra Dilma Rousseff por estarem ambos fazendo campanha eleitoral não explícita, mas evidente, em favor da segunda.
A legislação só permite fazer propaganda eleitoral a partir de 5 de julho (?!!!). Mas Lula disse em evento em São Paulo, no sábado: “Quem vier depois de mim e eu, por questões legais, não posso dizer quem é, espero que vocês adivinhem, espero, quem vier depois de mim já vai encontrar um programa pronto, com dinheiro no Orçamento, porque eu estou fazendo o PAC 2 porque eu preciso colocar dinheiro no Orçamento para 2011, para que as pessoas comecem a trabalhar”.
Fez propaganda de Dilma ou não fez? Fez. A oposição alega na representação que Lula usa “muitos adjetivos” para “projetar a ministra como sua sucessora”.
Como a oposição já ajuizou várias ações no TSE acusando Lula e Dilma de campanha eleitoral antecipada e até de utilização de eventos oficiais para promover a candidatura de PAC-WOMAN (espero que muitos ainda lembrem daquele joguinho do Atari, o PAC-MAN) e até agora deu em nada, o presidente do STF, Gilmar Mendes, julgou chegada a hora de repetir publicamente que a Justiça Eleitoral deve ter critérios semelhantes para julgar crimes de campanha antecipada, sejam os crimes cometidos por prefeitos, governadores de Estados humildes (citou Roraima), Estados importantes (citou São Paulo) e presidente da República.
Bem, Jimmy Carter fez campanha para presidente durante dois anos de viagem por seu país, “apertando mãos” e pedindo votos. Mas não temos a larga estrada da liberdade americana, mas as picadas da legislação burocratizante brasileira. Então, tem que respeitar – ou não, quer dizer, tem quem, acima da lei, não respeite.

Este artigo foi publicado originalmente na Tribuna da Bahia desta quarta.
Ivan de Carvalho é jornalista baiano.

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Durval Barbosa dá bronca nos distritais

Terça, 26 de janeiro de 2010
A que ponto nós chegamos na política de Brasília. O Blog da Paola postou as explicações de Durval Barbosa para adiar o seu depoimento na CPI do mensalão candango. Depois de acusar a Câmara Legislativa do DF (CLDF) de casa apoteoticamente desorganizada político e administrativamente, Durval afirmou à Paola que a mudança de data serve para que os deputados se organizem e “Comecem a falar uma liguagem da qual a sociedade possa concordar. Qual seria essa linguagem? Eu diria verdadeiramente a seriedade e vontade de ver brotar a verdade, sem vaidade oca, sem partidarismo.”
Mesmo sendo Durval a pessoa que responde dezenas de processos, muitos dos quais por corrupção do dinheiro público, ele aponta o dedo para a CLDF. E aponta com toda a razão.

Brasil, mãe dos banqueiros

Terça, 26 de janeiro de 2010
É, o Brasil há muito que é a mãe dos banqueiros. Em 2010 o total da dívida a vencer supera os R$372 bilhões. Depois nos perguntamos as razões da falência dos serviços da saúde pública, da educação, da segurança, dos transportes públicos, das nossas estradas, e reclamamos do nosso país. Não há país que suporte um ônus dessa ordem. Coragem para resolver o problema da dívida nenhum governante tem.

Ex-chefe de gabinete de Arruda é condenado

Terça, 26 de janeiro de 2010
Ex-chefe de gabinete do governador Arruda foi condenado pelo Tribunal de Contas do DF a ressarcir os cofres públicos em $663 mil. Fábio Simão, o condenado, e mais três ex-dirigentes da Federação Brasiliense de Futebol não conseguiram comprovar a aplicação de recursos repassados pela Secretaria de Esportes do Governo do DF. Fábio Simão, que já foi assessor do senador cassado Luiz Estevão, foi homem forte do governador Roriz, era chefe de gabinete de Arruda até que a Operação Caixa de Pandora apreendeu em sua sala na residência oficial do governador, em Águas Claras, dinheiro que teria sido marcado pela PF e repassado ao delator Durval Barbosa.

Biruta

Terça, 26 de janeiro de 2010
A Câmara Legislativa está como biruta de aeroporto. Gira de acordo com a direção do vento. Por enquanto o vento vem do Buritinga. Deverá escolher seu novo presidente de acordo com as determinações que vêem do palácio do governador.
Cuidado, senhores deputados, com a força dos ventos que ainda podem vir do lado de Durval Barbosa. Esses ventos já sussurraram aos ouvidos da Polícia Federal que 19 distritais teriam recebido grana, muita grana, para aprovarem o PDOT (Plano Diretor de Ordenamento Territorial). Vai que a CLDF elege um que possa ter recebido grana e que também tenha sido filmado (ou alguém acredita que não há mais DVDs das falcatruas?) e a coisa embanana novamente e as manifestações aumentam. Aí teria que botar para fora o possível novo mensaleiro e escolher outro presidente.
É bom também que tomem cuidado para não elegerem um presidente que tenha rabo de palha, algumas irregularidades no uso de recursos públicos. Resumindo, eleger alguém vulnerável à avaliação ética. Se isso acontecer a Câmara Legislativa continuará nas páginas policiais, páginas há muito travestidas de páginas políticas (ou seria o contrário?)

Umbigo da Bahia

Terça, 26 de janeiro de 2010
                                                       Foto: Taciano
Clique na foto que ela abrirá em tamanho normal, permitindo uma melhor visão
 O Forte de São Marcelo, encravado como uma pérola no mar, está a cerca de 300 metros do Mercado Modelo, é o "Umbigo da Bahia", segundo o escritor Jorge Amado. Quando você for  a Salvador não pode perder uma visita ao forte, onde assistirá uma apresentação da Corte Real de D. João VI, além de um passeio na caravela Príncipe Regente, de onde verá a bela Salvador beijando o mar.

É Bahia!


Foto: Taciano
Salvador: Vista do Elevador Lacerda (à esquerda); Palácio Rio Branco, onde o governador despachava e hoje é ocupado pela Fundação Pedro Calmom; Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Praia (à direita, próxima ao mar); Rampa do Mercado; escultura de Mário Cravo; casario antigo. Pode-se ver um trecho da Ladeira da Montanha, uma das ligações da Cidade Baixa com a Cidade Alta.
Clique na foto que ela abrirá em tamanho normal, permitindo uma melhor visão.

A segunda opção


Terça, 26 de janeiro de 2010
Por Ivan de Carvalho

 Presidente ou ditador? Revolucionário bolivariano ou caudilho? Democrata criativo ou militar golpista, daquela estirpe dos “gorilas” de antigamente? Essas três questões seguramente estão no passado. E nos três casos, que dizem respeito à mesma pessoa, marque a segunda opção como a correta.
    Todo mundo que estiver lendo estas linhas sabe muito bem que estou me referindo ao coronel Hugo Chávez, o manda-chuva da Venezuela, que apareceu espetacularmente na política de seu país no comando de um grupo de militares, tentando derrubar um governo democraticamente eleito.
    Tudo que semeares, certamente colherás, dizem a Bíblia e muitas outras fontes, numa certeira constatação de lei universal. É a lei e dela ninguém pode fugir. As únicas coisas incertas aí são quando e sob que forma virá a colheita. Bem, anos depois da sua frustrada tentativa de golpe estava o coronel Chávez na presidência da República da Venezuela, regularmente eleito, quando uma coalizão de forças militares e civis – estas, políticas, empresariais e das classes médias – o retirou do cargo.
    Talvez porque sua ação, anos atrás, haja sido apenas uma tentativa frustrada, sua deposição haja durado apenas cerca de 48 horas, durante as quais esteve preso, sendo-lhe em seguida devolvida a presidência, sob pressão das camadas pobres (e não por coincidência) e menos educadas da população.
    Como os coronéis do Nordeste brasileiro tinham os fundamentos do seu poder na pobreza ignorante de grande parte da população da região e como hoje o presidente Lula tem, de longe, sua maior popularidade exatamente nesse mesmo Nordeste de população majoritariamente pobre, que não teve a chance de acesso à educação, mas ganhou Bolsa Família, Luz para Todos, Projeto Minha Casa (ainda que esqueçam de fazer o esgotamento sanitário)  e se encanta com o igual-herói cujo “único diploma  é o de presidente da República”, Chávez encontrou nos pobres da Venezuela seu fã-clube. De Getúlio Vargas dizia-se que era o “pai dos pobres” e a mãe dos ricos. De Lula pode-se (quase) dizer a mesma coisa.
    Mas de Chávez, por enquanto, pode-se dizer apenas que tem sido padrasto para os pobres e madrasta para os ricos, além de golpista, caudilho e ditador. Acaba de censurar (interromper as transmissões) de seis redes de televisão. Motivo: não respeitaram um decreto governamental que as declara emissoras “nacionais” e assim cria-lhes a obrigação (?!) de transmitir os discursos de... Chávez. E Chávez não se cala nunca, apesar da chapuletada do rei da Espanha.
O que não deu para entender foi a razão de haver sido atingida uma TV chilena, que também não transmitiu o discurso, mas não podia ser “nacional” na Venezuela. Os chilenos estão cobrando uma retaliação da presidente Michele Bachelet.

Este artigo foi publicado originalmente na Tribuna da Bahia desta terça.
Ivan de Carvalho é jornalista baiano.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Roriz terá que pagar R$ 35 mil a Cristovam Buarque por danos morais

Segunda, 25 de janeiro de 2010
Do site do Correio Braziliense
O ex-governador do Distrito Federal, Joaquim Roriz, foi condenado a pagar R$ 35 mil de indenização por danos morais ao ex-ministro da Educação, Cristovam Buarque. A decisão foi do juiz da 18ª Vara Cível de Brasília e cabe recurso.

Na ação impetrada por Cristovam Buarque, o autor alegou que no dia 14 de agosto de 2003, Joaquim Roriz fez um discurso, na chamada Invasão do Itapoã, e, diante de milhares de pessoas, acusou-o de assassino e de não gostar de pobres. Cristovam afirmou ainda que o discurso teve grande repercussão na mídia e que um jornal circulou com a manchete "Roriz acusa Cristovam de matar 6". O autor apresentou como prova o jornal e uma fita K-7 com a gravação do discurso. Ele pediu indenização por danos morais no valor de R$ 50 mil.
Leia mais no Correio Braziliense

“O da meia” renunciou. O do Panetorne bem que poderia fazer o mesmo

Segunda, 25 de janeiro de 2010
Enquanto “o da meia” (deputado distrital Leonardo Prudente) renuncia ao cargo de presidente da Câmara Legislativa do DF, o que aconteceu nesta segunda-feira (25/1), “o do panetone”, que é o mesmo do crime do painel do senado, foge da Justiça como o Diabo foge da cruz. Sob os mais diversos argumentos, inclusive alegando o Panetonegate como fator que o teria impossibilitado a depor como acusado do crime de violação do sigilo do painel do Senador, ele já se escafedeu de uma dezena de intimações e de alguns depoimentos.
O crime da violação do painel foi cometido no ano de 2000. Depois de jurar da tribuna do senado, e pelos seus filhos, de que nem sequer havia visto a lista de votação da cassação do ex-senador Luiz Estevão (DF), Arruda uma semana depois, e novamente chorando, confessou o crime diante de seus pares. Confessou e renunciou ao cargo de senador. É o que deveria fazer agora, confessar com detalhes o que ele tenta reduzir a status de “pecados” e, sem choro dessa vez, renunciar ao cargo de governador.
Como ainda governador (até quando, meu Deus!) Arruda tem a prerrogativa de ser ouvido em local escolhido por ele em data também por ele definida.
Mesmo depois de Arruda dizer que viu como votaram todos os senadores na cassação do ex-senador Luiz Estevão, a sua defesa, seus advogados, negam a violação. Em depoimento em novembro de 2009, a servidora do senado Regina Célia Peres Borges confirmou que foi Arruda quem pediu a lista de votação.
Leonardo, o imprudente, por sua vez, pediu hoje renúncia do cargo de presidente da CLDF. Não aguentou a pressão popular, mas atendeu também aos interesses da defesa de Arruda. Enquanto não renunciava, o Cabo Patrício, deputado do PT e vice-presidente, assumiu o cargo maior na CLDF, o que, definitivamente, estava trazendo desgaste para Arruda e sua turma.
Ao renunciar, Prudente força uma nova eleição para o cargo em no máximo uma semana, o que certamente resultará na escolha de outro arrudista para presidente da CLDF. Até que apareçam novas denúncias, de preferência com apoio de filmagens do cinegrafista de atos secretos do governo Arruda, o cinegrafista Durval Barbosa. Aqui vale lembrar que em depoimentos à Polícia Federal o cinegrafista Durval Barbosa denunciou 19 dos 24 distritais, especialmente quanto à suposta grana entregue quando da votação do PDOT (Plano Diretor de Ordenamento Territorial). Plano que transformou muitas áreas rurais de Brasília em urbanas, coisa que poderá encher em bilhões de reais os bolsos de alguns especuladores imobiliários. Nesse caso, só para a votação do projeto se teria pago, segundo Durval, a cada um dos 19 a bagatela de 450 mil reais. E para a derrubada de alguns vetos do Executivo ao projeto, mais uma “baba”. E que baba!

De volta ao Guardião


Segunda, 25 de janeiro de 2010
Por Ivan de Carvalho 
Desculpem os meus poucos e presumo que agora indignados ou decepcionados leitores. É que não vou entrar, pelo menos por enquanto, na história desse “vazamento” de trechos de gravações feitas pela Polícia Civil do governo do Estado e publicadas em um importante jornal baiano. Todo mundo já está falando ou escrevendo sobre este assunto, eu nada acrescentaria.
Exceto quanto a um detalhe, que não li nem ouvi até o momento em que estou escrevendo estas linhas. As gravações foram feitas com a utilização do Guardião, um equipamento de espionagem eletrônica por intermédio de “grampos”, produzido por Israel.
Digo que o Guardião foi o núcleo da história porque o próprio governador Jaques Wagner, respondendo com notável retardo às críticas feitas à aquisição do equipamento, declarou à imprensa, quando estourou o caso da Agerba, que quando comprou o Guardião tinha como objetivo equipar a polícia para esse tipo de ação e (se não disse, terá pensado, imagino) para ajudar no combate à criminalidade em geral. Não para fazer espionagem política, como críticos chegaram a temer que pudesse acontecer, mais cedo ou mais tarde, neste ou em outro governo. Inclusive, parece, a OAB-BA, sobre a qual se noticiou haver entrado no Supremo Tribunal Federal com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade.
 Fui, claro, um crítico da compra e uso do Guardião, por entender que se trata de um equipamento com capacidade muito maior que a necessária para prover, na Bahia, o cumprimento de “grampos” judicialmente autorizados dentro dos parâmetros constitucionais e legais. A obediência desses parâmetros pelos magistrados seguramente limita de maneira drástica a autorização judicial para “grampos”, pois estes só devem ser usados como último recurso, quando outros meios de obtenção de provas hajam sido tentados e falhado – nunca para dar início e ser o principal instrumento da investigação.
Esses cuidados constitucionais e legais visam a proteger a privacidade e a intimidade, direitos humanos fundamentais, naturalmente acolhidos na Constituição brasileira. Infelizmente – e não estou aqui tentando especificar casos, mas avaliar o quadro geral – muitos magistrados têm se permitido “relaxar” os rigores da Constituição e da legislação pertinente e dar autorizações para “grampos”, solicitadas pelas polícias, sem que os requisitos para a autorização estejam todos atendidos.
Aliás, este é um assunto sobre o qual tanto o STF quanto o Conselho Nacional de Justiça devem se debruçar.
A generosidade de parte da magistratura nas autorizações e mais o “grampo” clandestino, de origem vária e largamente usado (não só nos telefones, mas em outros equipamentos, como os computadores pessoais) têm feito do computador um instrumento perigoso para os que os utilizam e dos telefones utensílios eletrônicos para casos de emergência e para conversar abobrinhas. Qualquer descuido verbal pode ser fatal – pois há muita coisa que não é ilegal, imoral, nem engorda, mas é segredo.

Este artigo foi publicado originalmente na Tribuna da Bahia desta segunda.
Ivan de Carvalho é jornalista baiano.

Presidência terá quase R$ 200 milhões para publicidade em 2010; um terço da verba da União

Segunda, 25 de janeiro de 2010
Do Site Contas Abertas
Tudo em nome do cidadão. Respaldado nesta afirmativa, o governo federal conseguiu, no Congresso Nacional, a aprovação de R$ 700,4 milhões para investir em publicidade em 2010. É o maior valor destinado a informar a sociedade sobre medidas adotadas pelos órgãos públicos nos últimos anos. Deste valor, R$ 199,2 milhões referem-se a anúncios diretamente vinculados à Presidência da República, que tem o maior orçamento entre as pastas dos Três Poderes. A cifra corresponde a quase um terço do orçamento publicitário de todos os órgãos públicos federais (veja tabela). Não faz parte do levantamento a previsão de despesas com publicidade das estatais e sociedades de economia mista, como Petrobras e Banco do Brasil, considerada mais volumosa.
 
A publicidade governamental é que dá legitimidade aos comunicados oficiais. Para este ano, as 53 unidades gestoras com verbas para publicidade terão R$ 533,4 milhões para aplicarem em propagandas de utilidade pública e R$ 167 milhões para campanhas institucionais. A diferença entre os dois meios de propaganda está nos fins almejados. Enquanto a publicidade de utilidade pública prevê informar, orientar, prevenir ou alertar a população para que adote um comportamento específico, visando benefícios sociais, a publicidade institucional se limita a divulgar informações sobre atos, obras, programas, metas e resultados do órgão público.

Após a Presidência, o órgão que mais se beneficiará com verba publicitária neste ano será o Fundo Nacional de Saúde (FNS), vinculado ao Ministério da Saúde. O FNS é o gestor financeiro dos recursos do Sistema Único de Saúde (SUS). Criada em 1969, a instituição tem como incumbência fortalecer a cidadania por meio da melhoria do financiamento das ações de saúde. Para publicidade, o Fundo Nacional de Saúde terá R$ 120,2 milhões.

Outros órgãos vinculados ao Ministério da Saúde não tiveram a mesma sina. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), por exemplo, deve receber R$ 3,4 milhões neste ano. A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) vai receber um valor menor ainda: R$ 2,3 milhões. Já a Fundação Nacional de Saúde (Funasa) vai contar com R$ 2,1 milhões para peças publicitárias.

Leia mais em: Presidência terá quase R$ 200 milhões para publicidade em 2010; um terço da verba da União

Tributo a Tom Jobim

Segunda, 25 de janeiro de 2010
Se vivo estivesse, Tom Jobim completaria hoje (25/1) 83 anos de idade. Ele nasceu no Rio em 25 de janeiro de 1927 e morreu em Nova Iorque em 8 de dezembro de 1994.

domingo, 24 de janeiro de 2010

Arrudista tem casa atingida por salva de tiros de ovos

Segunda, 25 de janeiro de 2010
Depois do esterco jogado na semana passada na Câmara Legislativa em protesto contra as falcatruas denunciadas pela Operação Caixa de Pandora, hoje foi a vez do lançamento de ovos. Aconteceu em frente à casa da deputada arrudista Eliana Pedrosa, na tarde deste domingo (24/1). Não houve conflito entre manifestantes e polícia.

sábado, 23 de janeiro de 2010

Psol fará debates entre seus pré-candidatos à Presidência da República

Sábado, 23 de janeiro de 2010
O Psol divulgou o calendário para debates entre os seus pré-candidatos à Presidência da República. Até o momento se apresentaram como pretendentes a disputar as eleições presidenciais de 2010: Babá, Martiniano Cavalcante Neto e Plínio de Arruda Sampaio. O debate em Brasília ocorrerá no dia 27 de fevereiro.

Veja o cronograma dos encontros:
1) Rio de Janeiro – 08 de fevereiro
2) Salvador – 22 de fevereiro
3) Belém – 25 de fevereiro
4) Brasília – 27 de fevereiro
5) Belo Horizonte – 01 de março
6) Recife – 04 de março
7) Fortaleza – 05 de março
8) Macapá – 06 de março
9) São Paulo – 12 de março
10) Porto Alegre – 13 de março

Usineiros não são mais heróis?

Sábado, 23 de janeiro de 2010
 De Helio Fernandes, no site da Tribuna da Imprensa

Ano passado Lula disse que eram, nunca foram. Quando o produto líquido (álcool) estava mais valorizado, produziam. Houve inversão no mercado, o sólido (açúcar) paga muito melhor, mudaram, são capitalistas.
Podiam ser progressistas ou reacionários, desde Gilberto Freire se sabe que a segunda espécie é maioria absoluta. Em vez de recomendar “não abasteçam os carros com álcool”, devia reler o autor pernambucano do qual o senhor tanto gostava.

Eu gosto é de acarajé. Quem gosta de panetone é o Arruda

Sábado, 23 de janeiro de 2010
Estou na Bahia. Morei muitos anos em Amaralina, eram 142 passos da areia da praia, cerca de 400 metros do Largo das Baianas. Bateu uma saudade, fui lá saborear um acarajé saindo do tacho. Um acarajé como deve ser comido, quente, puro, com no máximo um camarão, e, claro, com pimenta, para que se possa sentir o sabor do acarajé. Fui lá comer um acarajé, olhando o mar de Amaralina e recebendo no rosto a gostosa e refrescante brisa do mar.

E não é que lá encontrei ao redor da baiana do acarajé dois amigos dos meus tempos de Amaralina? Alegria por encontrar amigos que há mais de dez anos não sabia por onde andavam. Sabiam que moro em Brasília. Um deles foi logo sapecando, antes mesmo de que eu os visse, a frase “veio procurar penetone em tabuleiro de baiana?”. A resposta veio à queima-roupa, espontânea, um misto de raiva e de desabafo, não quanto aos meus queridos amigos, mas quanto à situação que infelicita Brasília.

- Eu gosto é de acarajé. Quem gosta de panetone é o Arruda.

A velha baiana, de quem normalmente compro acarajé e abará quando estou em Salvador, deu uma risadinha e deixou escapar: “Acarajé e abará”.

É, gosto de acarajé e abará. Arruda é que gosta de panetone. Se fosse demorar mais em Salvador iria providenciar um adesivo para o carro. A frase? “Eu gosto de acarajé. Quem gosta de panetone é o Arruda”. E um adesivo grande. Vocês que estão aí em Brasília é que talvez não tenham a idéia de como temos de ouvir comentários de pessoas que despertam para o fato de que a placa do carro é de Brasília. Tento me desligar por alguns dias do Panetonegate, mas não é que o Arruda vem aqui nessa Terra de Todos os Santos e de todos os Orixás me perseguir?

Nem precisava o contribuinte brasiliense pagar os milhões que está pagando à escola de samba Beija-Flor para divulgar Brasília nos 80 minutos de desfile no Sambódromo do Rio de Janeiro. Brasília está sendo divulgada pelas coisas, e que coisas, que aconteceram na política do Distrito Federal.

Obrigado, Arruda, pela divulgação de nossa cidade!

O umbigo de Liliput


Sábado, 23 de janeiro de 2010
Por Ivan de Carvalho

A maioria do Psol (passa em minha cabeça de véspera de sábado a idéia de duas pessoas, em contraposição à minoria composta por uma pessoa) decidiu que o partido lançará candidatura própria a presidente da República. Dois nomes estão lançados – o do promotor aposentado, pessoa conhecida, respeitada e sem votos, Plínio de Arruda Sampaio; e o do ex-deputado, também sem votos, já que não conseguiu reeleger-se, tendo a cabeça cortada pelo eleitorado, João Batista, de codinome Babá.
    Numa animada convenção (é possível fazer uma produtiva festa de decibéis com quatro pessoas, o que já se tem constatado nos mangues quando se colocam quatro caranguejos numa lata) em junho, o país de Liluput, melhor dizendo, o Psol, decidirá entre seus dois aspirantes. Há em Liluput um paradoxo, pois nesse país em miniatura há dois grandes eleitores.
    Um deles emergiu há poucos dias e certamente o leitor que haja se dado ao trabalho de passar os olhos em dois artigos anteriores sobre as recentes ocorrências relacionadas a Liliput já está sabendo que esse grande eleitor é o bravo bispo da arquidiocese baiana de Barra, dom Luiz Flávio Cappio, que já tem em sua biografia duas greves de fome contra o projeto (atualmente em execução) de transposição de águas do rio São Francisco. Dizia o ex-governador baiano Octávio Mangabeira: “Pense um absurdo. Na Bahia há precedente”. No caso do apoio do bispo ao pré-candidato do Psol Plínio de Arruda Sampaio, não havia precedente nem na Bahia e não se trata de nenhum absurdo, é claro.
    Portanto, vamos ao segundo grande eleitor. Ou melhor, eleitora, porque se trata da ex-senadora, ex-candidata a presidente, vereadora de Maceió e candidata ao Senado Heloísa Helena. Não está claro se ela vai apoiar, para presidente da República, Plínio ou Babá, embora seja óbvio que o Brasil – apesar de toda a jactância e ufanismo de seu atual presidente – está precisando ainda de uma. Sem babá o país tem feito muita besteira ou, pelo menos, muita besteira se tem feito no país – e aqui é coisa séria, o Brasil não é nenhum Liliput. Pelo amor de Deus, não pensem que a babá pode ser Dilma. Ela já é a PAC-WOMAN.
    O discurso de Heloísa Helena é um encadeado de slogans e palavras de ordem, mas além de extremamente ética, ela é inteligente. Estava defendendo o apoio de Liliput, vale dizer, do Psol, à candidata a presidente do PV, a senadora e ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva. Mas sua tese perdeu, inclusive porque o deputado Fernando Gabeira, do PV, topou ser candidato a governador do Rio de Janeiro e estar no mesmo palanque com o tucano José Serra no segundo turno eleitoral. Não no primeiro, quando, naturalmente, apoiará a candidata do PV, Marina Silva.
    Mas aí Liliput olhou para o próprio umbigo, encantou-se com ele e ignorou o Universo em derredor. Apostou que o espaço existe só para Liliput.
    Mas sem drama. Houve tempo em que parte da humanidade e supostos “cientistas” pensavam que a Terra era o centro do Universo.

Este artigo foi publicado originalmente na Tribuna da Bahia deste sábado.
Ivan de Carvalho é jornalista baiano

Dali e Manet

Sábado, 23 de janeiro de 2010

Salvador Dali, o grande pintor espanhol, morreu em 23 de janeiro de 1989.




----------------------------------------------------------------------------

O famoso pintor francês Eduard Manet nasceu em 23 de janeiro de 1832 em Paris. Morreu em 30 de abril de 1883.



sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

RGS faz tributo póstumo nos 88 de Brizola. Na Bahia nem lembrança!

Sexta, 22 de janeiro de 2010
Do site Bahia em Pauta, do jornalista baiano Vitor Hugo.

Se vivo estivesse, Leonel Brizola, o histórico trabalhista gaúcho ao lado de Getúlio, fundador do PDT na volta do exílio, estaria completando 88 anos nesta sexta-feira. Recebe homenagem póstuma pela passagem de seu aniversário, no Rio Grande do Sul, neste 22 de janeiro. Morto em 2004, no Rio de Janeiro, Brizola será homenagem em Capão da Canoa , às 19h.
A iniciativa é do presidente nacional do PDT, deputado Vieira da Cunha, e do presidente estadual, Romildo Bolzan Jr. Em São Borja, será realizada sessão solene na Câmara Municipal, com a presença da vereadora de Porto Alegre, Juliana Brizola, e visita ao Cemitério Jardim da Paz. Brizolistas autênticos do Rio de Janeiro também lembram o ex-governador.
Na Bahia, ao que se sabe, nem lembrança. Que política, e que políticos!!!
(Vitor Hugo Soares, com informações do site do PDT e de brizolistas autênticos )

-----------------------------------------------------
-----------------------------------------------------
Comentário do Gama Livre: O PDT da Bahia foi no ano passado invadido, ocupado, controlado, manietado, por meia dúzia de deputados que nada têm com o trabalhismo ou o socialismo do PDT de Brizola. Para isso, o ministro Lupi destituiu a Executiva Regional, colocando nos cargos políticos submissos à liderança do governador Jaques Wagner.

Vocês sabiam?

Sexta, 22 de janeiro de 2010
Do jornalista baiano Alex Ferraz, no blog Os Inimigos do Rei:
Que Duda Mendonça e Zé Dirceu, dos grandes nomes do mensalão petista, serão os homens chave da campanha de Dilma Rousseff?

Que as empreiteiras que financiaram (deu em todos os jornais, ainda não censurados por Lula) o buffet em homenagem a Dilma em Minas Gerais, recentemente, são habituais financiadoras de campanha e receberam fortunas do Planalto? A Engesa, somente neste segundo mandato de Lula, já faturou R$ 350 milhões, enquanto a CMT Engenharia foi mais modesta, abocanhando apenas R$ 45 milhões. Viu aí o que é redistribuição de renda, galera do Bolsa família?

Que a Corregedoria-Geral da União confirmou fraudes da Fundação Sarney com dinheiro da Petrobras. Sim, o mesmo Sarney que vocês, petistas, agora veneram e defendem. O coronel do Maranhão...

Leia o artigo completo em Os Inimigos do Rei, "um blog que critica impiedosamente a hipocrisia, o autoritarismo e a impostura nos mais variados setores".

O azar que a folha dá

Sexta, 22 de janeiro de 2010
Se alguém ainda achava que arruda dava sorte, deve estar mudando sua superstição. No DF, pelo menos, a folha murcha numa velocidade nunca vista e assim mesmo os maus agouros não se afastam. Agora é o deputado Alírio Neto que, na condição de presidente da CPI do Arruda, comissão que inadequadamente foi alcunhada na CLDF de CPI da Codeplan, deverá se haver com o seu partido, o PPS.

Ele, Alírio, encerrou numa paulada só a CPI, alegando que a decisão da Justiça do DF determinando o afastamento da comissão de todos aqueles distritais citados na Operação Caixa de Pandora, obrigaria também o encerramento da comissão. O juiz que decidiu pelo afastamento dos deputados declarou hoje, sexta-feira, que a sua decisão restringe-se apenas às deliberações na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e na Comissão Especial (ainda não criada).

O deputado que na manhã do dia que “encerrou” a CPI havia, segundo noticiado pela imprensa, conversado com o governador acusado de corrupção, terá que se explicar ao PPS. O partido quer o deputado explicando no seu Conselho de Ética a decisão de encerrar a CPI e quais teriam sido os motivos de ter tomado estranha decisão.
Em nota divulgada hoje, o PPS afirma que Alírio Neto violou o que os diretórios nacional e do Distrito Federal haviam determinado, isto é, que o partido teria que manter uma posição pela apuração das denúncias da Caixa de Pandora e também lutar pelo afastamento de Arruda. Assinado por Roberto Freire, presidente nacional do partido, a nota esclarece que o Conselho de Ética do PPS do DF será breve na análise do caso do deputado Alírio, encaminhando o parecer e informando as medidas a serem tomadas.
Para demonstrar ainda que Arruda dá azar, o presidente em exercício da CLDF, deputado Patrício, acabou com o recesso dos distritais, ato publicado no DCL (Diário da Câmara Legislativa) desta sexta-feira. O ato requer que os líderes de partidos indiquem quais os membros que comporão a CPI do Arruda, a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) e a Comissão Especial que analisará os pedidos de impedimento do governador.

Muita coisa está dando errado para Arruda e para sua base parlamentar e auxiliares.

Arruda dá ou não dá azar?

“Da Meia” versus TJDF

Sexta, 22 de janeiro de 2010
E não é que o deputado “da meia” recorreu ontem ao STF (Supremo Tribunal Federal) para suspender a decisão da Justiça do DF que o afastou da presidência da Câmara Legislativa? É possível até que consiga reverter a decisão do TJDF (Tribunal de Justiça do DF), mas Brasília torce para que isso não aconteça. É por esse tipo de coisa que os jovens fizeram o que fizeram na rampa da CLDF, jogando estrume de cavalo. Ao invés de renunciar logo ao cargo de presidente e ao mandato de distrital, o deputado Leonardo Prudente se apega aos cargos de todas as formas. É verdade que a sua renúncia ao mandato de deputado o tornaria mais vulnerável à ação de juízes, inclusive da primeira instância. O perigo de prisão seria maior.

Caiado quer intervenção

Sexta, 22 de janeiro de 2010
Por Ivan de Carvalho
Quando decidiu iniciar uma transformação que começou pela mudança de nome e sigla – de Partido da Frente Liberal e PFL para Democratas e DEM – esse protagonista da política brasileira pareceu estar levando a coisa a sério. A decisão seguiu-se a uma derrota eleitoral notória em âmbito nacional e implicava uma transformação para recuperar a viabilidade política e eleitoral.

Permita-me o leitor um parêntesis para explicar o pernóstico (no caso, eu acho) uso do vocábulo protagonista. É porque está na moda. Grande parte da mídia aderiu. Aliás, vale assinalar que a mídia, sob o aspecto a que me refiro, tem duas vertentes: a que usa linguagem própria, isto é, a linguagem própria das pessoas que falam normalmente o nosso idioma, e a vertente verde-amarela, não por ser mais brasileira que a outra, mas por agir como papagaio da linguagem alheia.

Ora – segue o parêntesis não aparente –, faz algum tempo e intensificou-se de uns meses para cá essa coisa do pessoal do PT, adjacências e outras “esquerdas” protagonizar até o cansaço a cada frase. É protagonista prá cá, protagonismo prá lá, não menos de quatro em cada três palavras que dizem em discursos ou declarações (na linguagem corrente o vício é menos brutal) variam de protagonista a protagonismo. E uma boa (boa?) parte da mídia, principalmente escrita (impressa ou eletrônica) está papagaiando essa erupção idiomática.

Bem, voltando ao Democratas, vinha mudando discretamente, mas com uma certa firmeza, sob a orientação do senador Bornhausen, que por causa da idade e da longa exposição retirou-se da ribalta – daí a presidência nacional do DEM com Rodrigo Maia.

O plano de longo prazo estava em curso quando desabou sobre a estratégia democrata o escândalo que atingiu o único governador democrata em todo o país, José Roberto Arruda e a seção democrata do Distrito Federal. Atingiu também a base parlamentar do governo Arruda na Câmara Legislativa (a Assembleia do DF) e envolveu o vice-governador Paulo Otávio.

Ciente de que seria expulso do DEM pela Executiva Nacional numa sexta-feira, Arruda pediu na quinta-feira seu desligamento do partido. Continua governador, mas quanto a isso o DEM não pode fazer nada. Pode, no entanto, cortar relações com o governador e seu governo, pode investigar e eventualmente expulsar o vice-governador Paulo Otávio. E a seção do DEM no Distrito Federal pode romper com Arruda. No entanto, continua apoiando-o. E esta é uma situação que frustra a estratégia de construção de uma imagem ética para o Democratas, em âmbito nacional.

É por isto que o líder do Democratas na Câmara dos Deputados, Ronaldo Caiado, decidiu ingressar na Executiva Nacional do partido com um pedido de dissolução do diretório do DEM no DF. A decisão de Caiado foi uma reação à decisão do diretório distrital do DEM, reunido na manhã de ontem, de manter o apoio a Arruda e seu governo. “Não há como expor o partido a essa situação”, disse Caiado.

E não há mesmo. Ao contrário do que se dizia, Arruda atrai mau olhado.

Este artigo foi publicado originalmente na Tribuna da Bahia desta sexta.

Ivan de Carvalho é jornalista baiano.

Garrincha, alegria do povo

Sexta, 22 de janeiro de 2010
Homenagem a Garrincha, que completou 27 anos de morto no último dia 20 de janeiro.


Joga bosta na Geni

Sexta, 22 de janeiro de 2010
O comportamento do governador e de alguns deputados distritais transformou, lamentavelmente, a Câmara Legislativa numa Geni.



quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Eleições aumentam inflação

Quarta, 20 de janeiro de 2010
Por Ivan de Carvalho
1. O secretário estadual da Fazenda, Carlos Martins, espera para 2010 um índice de inflação de seis por cento. Ele não anunciou isso expressamente. Até mesmo porque a questão inflacionária, embora seja do seu interesse, como secretário da Fazenda de um estado, não é da sua competência ou área de atribuições, mas da responsabilidade do presidente da República, do presidente do Banco Central e do ministro da Fazenda. Do presidente da República, claro, porque é ele que manda, nomeia e demite, querendo, os outros dois. E, assim, não há como negar que ambos fazem o que quer o presidente.

Mas voltemos aos seis por cento de inflação em 2010. É que o secretário Carlos Martins fez uma conta. Disse ao blog Por Escrito esperar que, com a atividade econômica voltando ao normal, 2010 seja “muito bom”. E sapecou: “Eu estou estimando um crescimento real na arrecadação em torno de dois por cento, o que significa um crescimento nominal de oito por cento, mais ou menos”. Ora, se o crescimento nominal é de oito por cento e o real, de dois por cento, os seis que ficam boiando aí nessa conta representam a inflação esperada pelo secretário.

Será, se a expectativa do secretário se confirmar, o maior índice de inflação dos oito anos de mandato do presidente Lula. Coincidentemente – e, como já escrevi várias vezes antes, não acredito em coincidências e acasos – um ano eleitoral.

2. Desde o começo do governo Jaques Wagner, a oposição na Assembléia Legislativa, especialmente por intermédio das lideranças sucessivas dos deputados Gildásio Penedo e Heraldo Rocha, ambos deputados democratas, vem insistindo em que a administração estadual relegou a segundo plano a questão da segurança pública. Em verdade, isso ficou de certo modo explícito durante a campanha eleitoral de Wagner e os primeiros tempos de seu governo, fases em que eram anunciadas saúde, educação e emprego e renda como as três prioridades do governo, não sendo citada a segurança pública.

O evidente avanço constante da criminalidade, da violência e do número de vítimas levou afinal o governador – estimulado por um episódio de ataques feitos por bandidos a instalações policiais – a declarar que dali por diante a segurança pública passava a ser uma prioridade, ao lado das três já citadas. Inaugurava-se, assim, teoricamente – na prática tinha-se de aguardar para saber – uma nova fase na questão da segurança.

Bem, quem melhor pode avaliar se a prioridade está sendo aplicada, de fato, é a população baiana. Quanto à oposição, confia em que a avaliação da população é concorde com a sua. Mesmo assim, trata de reforçá-la com números. O líder Heraldo Rocha afirma que, “como no exercício de 2009”, também para 2010 o orçamento do Estado prevê um investimento baixo na área de segurança pública. “Quando o governo – disse o deputado ao blog Política Livre – investe mais de R$ 1 bilhão em um ano em diversas áreas e em segurança pública aplica R$ 26 milhões, aí está a prova de que este setor não é prioridade deste governo”, conclui.


Este artigo foi publicado originalmente na Tribuna da Bahia desta quarta


Ivan de Carvalho é jornalista baiano

Mais protestos. Arruda na berlinda

Quarta, 20 de janeiro de 2010
1. Arruda esteve ontem na cidade do Gama, uma das regiões administrativas do DF. Foi ao Setor Sul da cidade, mas levou pouco tempo, pois houve protestos contra ele. Ao entrar e sair da cidade teve que passar por novos protestos que pediam a sua cassação. Está difícil ele andar pelas ruas. Bem feito, foi fazer coisa que não podia, que não devia...

2. Por falar em coisas que não podia e não devia fazer, Arruda é o responsável maior, juntamente com o deputado Cabo Patrício (PT) pela Lei 780/2008, a que destruiu centenas de passagens de pedestres e áreas verdes das quadras residenciais do Gama. Tais áreas foram ilegal e inconstitucionalmente doadas a militares da PM e dos Bombeiros do DF.

Feita ao arrepio da Constituição brasileira e da Lei Orgânica do DF, a 780 foi considerada inconstitucional pelo Pleno do Tribunal de Justiça do Distrito Federal. Nos próximos dias ocorrerá a publicação do Acórdão sobre as Ações Diretas de Inconstitucionalidade patrocinadas pelo Ministério Público do DF e pela OAB-DF.

O TJDF decidiu por 12 votos a dois que a Lei 780 é inconstitucional, e a anulação tem efeitos ex tunc e erga omnes. Assim, a lei foi anulada desde a sua origem e a decisão do TJDF tem efeitos para toda a cidade do Gama.

As áreas deverão voltar ao que eram, e como eram, antes da Lei 780. As ocupações que houve e a insistência de alguns pretensos beneficiados pela lei que continuam destruindo as áreas são irregulares e fora da lei. São pretensos beneficiados, sim, pois não poderiam ser beneficiados por alguma coisa que não existe no mundo jurídico, de acordo com a decisão do TJDF.

Ao governador Arruda, ou a quem porventura esteja no governo, caberá cumprir a decisão da Justiça. Quem não a cumprir estará incorrendo em crime de responsabilidade.


Paulo Octávio num rumo incerto

Quarta, 20 de janeiro de 2010
Parece que a casa está desabando totalmente. Depois das devastadoras cenas que mostram o governador Arruda recebendo dinheiro repassado pelo cinegrafista de coisas secretas (e erradas), Durval Barbosa, nem o vice-governador deverá escapar do terremoto que se abateu sobre o Executivo e o Legislativo do DF. E tem muita gente achando que ele pode inclusive entregar o cargo de vice-governador para fugir do foco das investigações e assim não prejudicar seus negócios.

Homem de mil negócios e empresas, Paulo Octávio (P.O.), já anunciou que não concorrerá ao governo do DF nas eleições deste ano. Em 2006 ele recebeu uma rasteira de Arruda e teve que se contentar com o cargo de vice. Compromisso assinado em 2006 por ele – P.O. -, por Arruda e pelos principais caciques nacional do PFL/Demo, garantia a legenda a ele na disputa para governador em 2010. Arruda, que não tem o forte de cumprir compromissos assumidos, dava no momento nova rasteira em P.O. e iria disputar a reeleição. Disputaria se não houvesse uma pedra no meio do caminho. Melhor, se não houvesse um DVD no meio do caminho. Um DVD nas mãos da Polícia Federal e que o mostrava levando dinheiro ensacado.

Disputar o Senado ou um cargo de deputado federal ainda pode estar nos planos de P.O. Governador, não. Claro que ele não deseja que os problemas da corrupção no DF contaminem seus negócios. Tanto ele como suas empresas foram acusados por Durval Barbosa, o da delação premiada, de participarem da suposta corrupção no governo Arruda.

O que causa estranheza em muitos é a não expulsão de P.O. pelo Demo. Depois de forçar as desfiliações de Arruda e de Leonardo Prudente (o deputado da meia), o Demo se retraiu e se finge de morto quanto aos problemas com Paulo Octávio.

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Fala, Marcelo!

Terça, 19 de janeiro de 2010
Se Durval Barbosa está fazendo o estrago que está, imagine se aparecer outro envolvido no esquema e que decida também pela delação premiada? Não vai ter pé de arruda que se agüente em pé.

Marcelo Toledo, policial civil aposentado que hoje permaneceu calado no depoimento na Polícia Federal, quando deveria prestar esclarecimentos quanto ao esquema do DEMensalão, ameaça partir para a delação premiada para livrar um pouco a própria pele. Se um delegado “cinegrafista” já fez o estrago que estamos vendo na reputação (?) de um monte de políticos do DF, imagine se surgir outro delator. Vai voar caco para tudo que é lado.

TJDF: Prudente continuará afastado da presidência da CLDF

Terça, 19 de janeiro de 2010
Apesar do esforço da Procuradoria da Câmara Legislativa o “deputado da meia” continuará afastado da presidência da Casa. É que o presidente do TJDF negou hoje (19/1) o pedido de suspensão da liminar concedida pelo juiz Álvaro Ciarlini, da Segunda Vara de Fazenda Pública do DF. Que ele seja afastado para sempre. Leonardo Prudente não imagina como está famoso, inclusive aqui na Bahia, onde estou. Claro que não gosto nada das brincadeiras que tentam fazer com Brasília. Mas fazer o quê, quando se tem alguém como Prudente na presidência do Legislativo de Brasília e Arruda como governador?

3G não funciona

Terça, 19 de janeiro de 2010
A terceira geração de padrões e tecnologias de telefonia móvel, conhecida como 3G, ainda não pegou no Brasil. Melhor, ainda não pega bem no Brasil. Nem nas capitais e muito menos em cidades do interior do país, mesmo que sejam naquelas cidades para as quais as companhias prometem qualidade na conexão à internet.

Fiquei da última sexta-feira (15/1) até ontem (18/1) na cidade de Barreiras, na Bahia. Cidade pólo do Oeste baiano, região rica com a produção agrícola, especialmente a soja. Tentei postar alguma coisa no Gama Livre. E não é que a internet não conectava, ou conectava e logo após desconectava? Depois de algumas tentativas em cada um dos quatro dias que estive em Barreiras, acabava desistindo, melhor, a companhia da conexão por 3G fazia com que eu desistisse.

Que as telefônicas não venham querer vender um troço desses para mim. Pelo menos até que problemas semelhantes ao relatado acima sejam solucionados.

Guerra em Liliput

Terça, 19 de janeiro de 2010
Por Ivan de Carvalho
Está desencadeada uma guerra no Psol. O partido rachou. Fico pasmo em saber que uma coisa tão pequena seja ainda capaz de se dividir.

É verdade que no fictício país de Liliput, onde tudo era pequeno, os rachas e divisões eram possíveis. Não lembro de que hajam ocorrido efetivamente, mas teoricamente poderiam ocorrer. O Psol certamente é uma espécie de Liliput na política brasileira. Só tem uma liderança importante, a da ex-senadora Heloísa Helena, ex-candidata a presidente da República e atualmente vereadora em Maceió, preparando-se para tentar retornar ao Senado.

Heloísa Helena, na minha humilde e talvez embaçada maneira de ver as coisas, não é importante pelo que pensa. Ela pensa uma porção de tolices.

Seu discurso é um encadeamento de palavras de ordem e slogans ensinados durante décadas pela propaganda de uma ideologia morta, mas ainda insepulta por causa da conhecida teimosia (que frequentemente é qualidade) da espécie humana e da burrice (que sempre é defeito) de uma boa parte da mesma espécie. Heloísa Helena é importante, não por seu pensamento político ou seu discurso ideológico, mas pelo que ela é. Honrada, ética, corajosa, incorruptível, indomável – exatamente o que tanto está faltando no Brasil e em seus quadros políticos.

Mas, tirando ela, achar o Psol é como encontrar agulha em palheiro. Quase um milagre. E deve ter sido assim, na base do milagre, que o bravo bispo de Barra, dom Luiz Flávio Cappio, duas greves de fome em defesa do rio São Francisco na biografia, encontrou o Psol e decidiu apoiar a pré-candidatura de Plínio de Arruda Sampaio (uma pessoa respeitada e sem votos) a presidente da República. Apoio dado em nome da certeza de que o possível candidato do Psol “fará o necessário debate sobre os reais problemas que afligem o povo pobre desse nosso país tão rico”. Não sei se identifico essa frase do bispo com o prato feito dos discursos de Heloísa Helena ou com os trocadilhos do jornalista e amigo Alex Ferraz. Então, que opte o leitor, querendo.

Mas, voltando ao assunto principal, o liliputiano Psol rachou. Estava em entendimentos com o PV para apoiar a candidatura de Marina Silva a presidente da República. A candidatura de Plínio de Arruda Sampaio era apenas uma sombra no horizonte. Mas aí o deputado Fernando Gabeira, que com a senadora e ex-ministra Marina Silva forma a dupla politicamente importante do Partido Verde, disse afinal que topa ser candidato a governador do Rio de Janeiro pelo PV. Tudo bem para o Psol, se Gabeira não tivesse o apoio do PSDB, que quer fazer do palanque de Gabeira também o palanque de José Serra no Rio. Por causa disso está o maior auê na lata de quatro caranguejos do Psol – casa dividida, talvez casa arruinada.

Opinião muito pessoal: fiquei perplexo por não haver o bispo de Barra optado pelo apoio a Marina Silva, candidata do PV a presidente. É ela que, como dom Cappio, tem preocupação com o meio ambiente – uma, o do Brasil, outro, o do rio São Francisco.

Este artigo foi publicado originalmente na Tribuna da Bahia desta terça.

Ivan de Carvalho é jornalista Baiano

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Por que chora Arns?

Quinta, 14 de janeiro de 2010
 Por Ivan de Carvalho
Não dá, no meu sentir, para escrever qualquer coisa hoje - e muito menos se houver a intenção de fazer a abordagem da questão dos direitos humanos – sem começar pela médica, formada para cuidar de corpos, autorreformada para cuidar mais de almas que de corpos, usando os desvelados cuidados com estes como instrumento para atingir e pescar aquelas. Pescadora de almas, uma dos muitos cristãos e cristãs que prosseguem hoje a missão dada por Jesus a Simão, o pescador, ao qual passou a chamar Pedro: “Vem e te farei pescador de almas”.

O Filho do Homem sempre está convidando a todos, mas algumas vezes Ele faz chamados absolutamente especiais, pela capacidade dos que convoca nessas ocasiões para realizar missões específicas. Um dia, na Estrada de Damasco, convocou seu perseguidor Saulo e do episódio resultou o 12º Apóstolo (existiam somente 11, desde o suicídio de Judas, o Iscariotes), o Apóstolo dos Gentios, principal responsável (entre os apóstolos) pela expansão do cristianismo fora dos limites de Israel.

Muito mais tarde, já na época das Cruzadas, um pedido irresistível é ouvido por um jovem de Assis: “Francisco, reconstrói a minha igreja”. Havia uma igrejinha em ruínas, Francisco, filho de um rico comerciante, a-chou que lhe fora pedido que a reconstruísse. E o fez, pedindo ajuda, em mão-de-obra e material. Quando completou a obra, o insight, ou, melhor dizendo, neste caso, a revelação: não, não era a igrejinha, aquilo fora só uma preparação, uma demonstração de humildade. A Igreja em ruínas era a de Roma, ela que devia ser reformada. Francisco lançou-se ao trabalho.

Como, mais tarde ou mais cedo, lançaram-se tantos outros, sem medir sacrifícios, ultimamente João Paulo II, Madre Teresa de Calcutá, Irmã Dulce, Zilda Arns.

Mas se a intenção desse artigo for a de abordar a questão do Programa Nacional de Direitos Humanos? Estão dizendo que a crise está se desfazendo porque os ministros Jobim, da Defesa, e Vannuchi, de Direitos Humanos, encontraram um jeito de tirar da questão da Comissão da Verdade a palavra “repressão”, substituindo por “violação dos direitos humanos”.

Ok, mas o que pensa, onde esteja, aquela gente toda citada antes – Jesus, Pedro, Francisco, João Paulo II, Madre Teresa, Irmã Dulce, Zilda Arns – se o presidente Lula insistir, por exemplo, na liberação do aborto, o massacre dos inocentes indefesos?

De nada adiantará chorar pela morte de Zilda Arns, se a pressão pela liberação do aborto (a negação do direito humano à vida) a estiver levando a derramar lágrimas pelos não nascidos e por nós, pois quanto mais pecadores mais objeto de lamentação seremos.

Este artigo foi publicado originalmente na Tribuna da Bahia
Ivan de Carvalho é jornalista baiano