Imprensa é oposição. O resto é armazém de secos e molhados."

(Millôr Fernandes)

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Consciência Negra. O Navio Negreiro, poesia de Castro Alves

Segunda, 20 de novembro de 2017

Tu que, da liberdade após a guerra,
Foste hasteado dos heróis na lança
Antes te houvessem roto na batalha,
Que servires a um povo de mortalha!…

Hoje, 20 de novembro, comemora-se o Dia Nacional da Consciência Negra.
Vídeo Clipe com o poema "O Navio Negreiro" de Castro Alves, musicado por Caetano Veloso. Uma breve exibição da tragédia do tráfico de africanos que se tornaram escravos na América. O poema foi retirado do Livro "Os escravos" e a música do CD "Livro" de Caetano Veloso. Vídeo publicado no YouTube por Iara Viana
Narração de Paulo Autran — Vídeo postado no YouTube por Ricardo Abdala

O Navio Negreiro 
“’Stamos em pleno mar… Doudo no espaço
Brinca o luar – dourada borboleta;
E as vagas após ele correm… cansam
Como turba de infantes inquieta.
‘Stamos em pleno mar… Do firmamento
Os astros saltam como espumas de ouro…
O mar em troca acende as ardentias,
– Constelações do líquido tesouro…
‘Stamos em pleno mar… Dois infinitos
Ali se estreitam num abraço insano,
Azuis, dourados, plácidos, sublimes…
Qual dos dous é o céu? qual o oceano?…
‘Stamos em pleno mar. . . Abrindo as velas
Ao quente arfar das virações marinhas,
Veleiro brigue corre à flor dos mares,
Como roçam na vaga as andorinhas…
Era um sonho dantesco… o tombadilho
Que das luzernas avermelha o brilho.
Em sangue a se banhar.
Tinir de ferros… estalar de açoite…
Legiões de homens negros como a noite,
Horrendos a dançar…
Negras mulheres, suspendendo às tetas
Magras crianças, cujas bocas pretas
Rega o sangue das mães:
Outras moças, mas nuas e espantadas,
No turbilhão de espectros arrastadas,
Em ânsia e mágoa vãs!
E ri-se a orquestra irônica, estridente…
E da ronda fantástica a serpente
Faz doudas espirais …
Se o velho arqueja, se no chão resvala,
Ouvem-se gritos… o chicote estala.
E voam mais e mais…
Presa nos elos de uma só cadeia,
A multidão faminta cambaleia,
E chora e dança ali!
Um de raiva delira, outro enlouquece,
Outro, que martírios embrutece,
Cantando, geme e ri!
Existe um povo que a bandeira empresta
P’ra cobrir tanta infâmia e cobardia!…
E deixa-a transformar-se nessa festa
Em manto impuro de bacante fria!…
Meu Deus! meu Deus! mas que bandeira é esta,
Que impudente na gávea tripudia?
Silêncio. Musa… chora, e chora tanto
Que o pavilhão se lave no teu pranto!…
Auriverde pendão de minha terra,
Que a brisa do Brasil beija e balança,
Estandarte que a luz do sol encerra
E as promessas divinas da esperança…
Tu que, da liberdade após a guerra,
Foste hasteado dos heróis na lança
Antes te houvessem roto na batalha,
Que servires a um povo de mortalha!…
Fatalidade atroz que a mente esmaga!
Extingue nesta hora o brigue imundo
O trilho que Colombo abriu nas vagas,
Como um íris no pélago profundo!
Mas é infâmia demais! … Da etérea plaga
Levantai-vos, heróis do Novo Mundo!
Andrada! arranca esse pendão dos ares!
Colombo! fecha a porta dos teus mares!
Antônio Frederico de Castro Alves, poeta, nasceu em Muritiba, BA, em 14 de março de 1847, e faleceu em Salvador, BA, em 6 de julho de 1871.
Esta postagem é reprodução de postagem do dia 20 de novembro de 2016.

domingo, 19 de novembro de 2017

A mentira dos privilégios previdenciários

Domingo, 19 de novembro de 2017
Por
Aldemario Araujo Castro*
O governo mais fisiológico, mais elitista e mais envolvido nas práticas de corrupção dos últimos tempos, capitaneado por Temer, Meireles e Padilha, trama uma nova investida para aprovar a tal “Reforma da Previdência”. Trata-se, na forma apresentada originalmente e nas versões “enxutas” que se seguem, de mais uma iniciativa majoritariamente voltada para conter despesas públicas a partir da redução de direitos sociais. Nesse contexto, o mercado, sobretudo financeiro, festeja a possibilidade de engordar superávits e, assim, carrear mais recursos para o pagamento da perversa dívida pública.

No final do ano de 2016 e no início deste ano, o discurso oficial, reproduzido com gosto e ênfase pela grande imprensa, estava centrado num suposto déficit bilionário das contas previdenciárias. Nas últimas semanas, o “mote” passou a ser o combate aos “privilégios” dos servidores públicos. Trata-se de um discurso falacioso que procura dialogar com mitos e o desconhecimento de quase toda a população acerca das características básicas dos diversos regimes previdenciários existentes.

O editorial do Estadão do dia 10 de novembro, denominado “A reforma da igualdade”, sintetiza a linha central do mais novo discurso governamental e da grande imprensa. Afirma: “O servidor público tem um tratamento acintosamente mais vantajoso do que o trabalhador do setor privado. (…) É gritante, por exemplo, a diferença entre os limites máximos de cada aposentadoria. No Regime Geral de Previdência Social (RGPS), o teto atual é de R$ 5.578. Já o valor máximo que um servidor público pode receber de aposentadoria é R$ 33,7 mil, seis vezes mais que o teto da aposentadoria do trabalhador privado”. Sintomaticamente, não há uma mísera palavra acerca de como se processam as contribuições para os dois regimes destacados (o geral e o do servidor público). Parece que tudo é igual no lado da contribuição (todos contribuem de forma igualitária) e impera a mais deslavada diferença, o cúmulo dos privilégios, no lado do recebimento das aposentadorias.

É preciso registrar, já que o governo e a grande mídia não o faz, que:

a) as últimas reformas previdenciárias promoveram a convergência dos regimes geral (do trabalhador do setor privado) e próprio (do trabalhador do setor público federal). O teto para pagamento de benefícios é o mesmo. As regras de cálculo da aposentadoria também são as mesmas. Os direitos à paridade e integralidade dos servidores públicos deixaram de existir;

b) o servidor público federal mais antigo, beneficiário dos direitos a paridade e integralidade, paga contribuição previdenciária sobre a totalidade da remuneração percebida (e não sobre o teto do regime geral). Assim, um servidor público com remuneração de 15 mil reais recolhe mensalmente cerca de 1.650 reais de contribuição previdenciária. Já um trabalhador do setor privado com a mesma remuneração, recolhe mensalmente cerca de 608 reais para a previdência social;

c) a aposentadoria do servidor público já está submetida a idades mínimas. Com efeito, o homem precisa ter 60 anos de idade e 35 de contribuição e a mulher, 55 anos de idade e 30 de contribuição. Essas definições valem para todos que se tornaram servidores públicos a partir de 1998;

d) o servidor público federal inativo e seu pensionista pagam contribuição para a previdência. Esse recolhimento não existe no regime geral (para o trabalhador do setor privado);

e) o servidor público, por ocasião da aposentadoria, não recebe valores depositados em conta do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Já o trabalhador do setor privado saca os valores do FGTS quando da aposentadoria;

f) a Emenda Constitucional n. 20, de 1998, ao introduzir o art. 249 no texto da Constituição, estabeleceu a possibilidade de criação de fundos para assegurar recursos para o pagamento de proventos de aposentadoria e pensões concedidas aos respectivos servidores e seus dependentes. A União não criou esse fundo e deixa, por consequência, de fazer os aportes de sua responsabilidade.

É preciso assinar, ainda, que o regime próprio dos servidores públicos, em função das mudanças realizadas nas últimas reformas, ingressou num quadro de equilíbrio. O relatório de auditoria produzido no Processo TC-001.040/2017-0, pelo Tribunal de Contas da União (TCU), confirma o equilíbrio do regime próprio do servidor público federal. O Procurador do Ministério Público junto ao TCU, Júlio Marcelo de Oliveira, afirma, acerca do referido relatório: “Já os regimes previdenciários dos servidores públicos civis e militares da União não apresentam trajetórias de crescimento em relação ao PIB, tanto em relação aos valores passados quanto em relação aos projetados. Ao contrário, apresentam trajetórias de declínio lento e gradual, a indicar que as duas reformas já realizadas estancaram pelo menos o crescimento do déficit. (…) a dinâmica atual de contribuições, ingressos e aposentadorias já não é geradora de déficit. Ao contrário, o déficit tem-se reduzido ano a ano, como demonstra o levantamento feito pelo TCU” (https://goo.gl/rhJbzE).

Observe-se, com atenção, o noticiário da grande imprensa e o discurso das principais autoridades governamentais. Eles tratam as finanças públicas de forma deliberadamente seletiva. Parece que os gastos relacionados com a máquina pública, com servidores, com agentes políticos e com benefícios sociais, notadamente previdenciários, e os escândalos de corrupção drenam praticamente todos os recursos do Tesouro. Entretanto, existe um grandioso mundo econômico-financeiro escondido dos noticiários e da narrativa governamental. As grandes questões econômicas e financeiras de um país com o tamanho e a complexidade do Brasil superam em muito o campo meramente fiscal (receitas e despesas primárias). Temos, convenientemente escondidos dos olhos e ouvidos da maioria da população, relevantíssimas realidades monetárias, cambiais e creditícias, além de importantes aspectos “esquecidos” das questões estritamente fiscais.

No texto denominado A DESPESA PÚBLICA E SEUS “BOIS DE PIRANHA”, disponível em , foram destacados os seguintes itens raramente mencionados no debate público sobre a situação das finanças públicas brasileiras: a) o serviço da dívida pública (juros) de cerca de 511 bilhões de reais em 2016; b) a sonegação tributária no patamar de 500 bilhões de reais por ano; c) os subsídios de várias ordens concedidos pelo governo (quase 1 trilhão de reais entre 2003 e 2016); d) as renúncias de receitas tributárias em conjunto (realizadas e projetadas), entre os anos de 2010 e 2018, alcançarão o montante de aproximadamente 500 bilhões de reais; e) as reservas internacionais atingem a marca de 380 bilhões de dólares (ou 1,2 trilhão de reais); f) segundo dados do Banco Central do Brasil, a dívida bruta do governo geral em dezembro de 2016 significava 4,3 trilhões de reais e a dívida líquida do setor público, no mesmo momento, cerca de 2,8 trilhões de reais; g) o volume de “operações compromissadas” (“compra” de dinheiro dos bancos pelo Banco Central) ultrapassou, em dezembro de 2016, a impressionante cifra de 1 trilhão de reais; h) os bilionários prejuízos com o swap cambial (funciona como um seguro diante de uma forte alta do dólar) e i) o estoque da dívida ativa da União, composta por créditos tributários e não tributários não pagos pelos contribuintes, que atingiu a cifra de 1,84 trilhão de reais ao final de 2016.

A Previdência Social (ou a Seguridade Social), numa visão ampla e sensata, reclama reformas ou ajustes. Esse movimento envolve a maioria dos países em função de um saudável incremento da expectativa de vida (ou sobrevida). A realidade brasileira, conforme vários dados demográficos, integra esse
fenômeno de âmbito internacional. Duas questões, entretanto, são fundamentais num processo de alteração das regras previdenciárias: a) até que ponto as reformas são necessárias e b) a partir de que ponto as mudanças são excessivas e representativas de desnecessárias fragilizações de direitos (abrindo espaço para a atuação de poderosos interesses da previdência privada).

Assim, a discussão em torno das mudanças previdenciárias necessárias, no regime geral (dos trabalhadores do setor privado) e no regime próprio (dos trabalhadores do setor público), pode e deve ser conduzida de forma ampla, profunda, responsável, respeitosa e sem açodamentos. Ademais, precisa ser posta como uma parte do debate mais amplo em torno de uma política econômica voltada para a construção de uma sociedade livre, justa, solidária, com erradicação da pobreza, da marginalização e redução contínua das desigualdades sociais (artigo terceiro da Constituição).

Certamente, neste delicado momento da vida nacional, não é preciso desencadear uma campanha baseada em mentiras e desqualificações contra o servidor público, notadamente federal. Esse comportamento das principais autoridades governamentais bem demonstra o elevadíssimo nível de degeneração moral e o comprometimento de Suas Excelências com os interesses mais mesquinhos existentes na sociedade brasileira.

*Aldemario Araujo Castro é Advogado, Mestre em Direito, Procurador da Fazenda Nacional e Professor da Universidade Católica de Brasília

Legalizar jogos no Brasil não resolve crise e pode aumentar criminalidade

Domingo, 19 de novembro de 2017
Legalizar jogos no Brasil não resolve crise e pode aumentar criminalidade
Presidente da ANPR destaca que bingos e cassinos estão intimamente ligados ao crime organizado e à lavagem de dinheiro

Por Alexandre Parrode-Jornal Opção/Foto: Jefferson Rudy/ Agência Senado
e Portal ContextoExato
 
Congresso pressiona pela regulamentação de bingos, cassinos e caça-níquéis, mas procurador alerta para graves consequências se não houver fiscalização rígida.


O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), garantiu, durante coletiva de imprensa na última semana, que irá colocar em pauta o projeto de autoria do senador Ciro Nogueira (PP-PI), que autoriza a exploração dos jogos de azar em todo o território nacional.

O doentio presente de Trump a seu filho — estamos ganhando!

Domingo, 19 de novembro de 2017
Da Avaaz.Org
ASSINE AQUI

Esse é o filho do Trump segurando o rabo de um elefante que matou. Papai lhe deu um presente doentio: mudou a lei para que caçadores americanos sedentos por sangue de elefante possam trazer suas cabeças de volta aos EUA como "troféus". Vamos fazer uma campanha enorme para envergonhar os EUA e fazê-los desistir disso -- junto de alguns países africanos, a Avaaz vai entregar as assinaturas durante um importante encontro de proteção de vida selvagem que acontece daqui a poucos dias. Assine com um clique:
ASSINE AQUI

Incrível — Trump acabou de falar no Twitter que irá suspender a decisão e a BBC reportou que sua decisão só aconteceu após a reação popular nas redes sociais! Nossa pressão está funcionando, mas ainda não vencemos — adicione seu nome e compartilhe o máximo que puder!
Queridos amigos e amigas, Trump acabou de dar um presente de revirar o estômago ao seu filho: ele mudou a lei para que caçadores americanos sedentos por sangue de elefante possam trazer suas cabeças de volta aos EUA como "troféus".

Trump Jr., filho do presidente Trump, já matou e mutilou um elefante — agora, mesmo diante da alarmante ameaça de extinção devido à caça ilegal, papai Trump mudou a lei para que qualquer um se junte à matança e traga de volta para os EUA as partes dos elefantes que caçarem na África.

Vamos fazer um enorme apelo global para envergonhar os EUA e fazê-los desistir desse plano nojento. Quando tivermos assinaturas suficientes, a Avaaz vai se unir a países africanos para a entrega das assinaturas durante um importante encontro de proteção da vida selvagem que acontecerá daqui a alguns dias. Assine com apenas um clique:
Salvem os elefantes, desistam deste plano nojento! Ao presidente Trump, ao Serviço de Pesca e Vida Selvagem dos EUA, e às autoridades de conservação em todo mundo: 
 
Os elefantes estão sofrendo sério risco de extinção e agora não é o momento de eliminar medidas que os protegem. A busca por "troféus de caça" leva à matança de elefantes e aumenta a demanda por pedaços de seus corpos, criando assim um cenário de dois pesos duas medidas que dificulta a resolução do problema da caça ilegal. Pedimos que façam tudo ao seu alcance para reverter essa decisão dos EUA que permite a importação de troféus de elefantes, antes que seja tarde demais.
Salvem os elefantes, desistam deste plano nojento! O governo Trump diz que só permitirá troféus importados da Zâmbia e do Zimbábue, países que afirmam ter sob controle a população de elefantes. Mas a verdade é que hoje existem apenas 21 mil elefantes na Zâmbia, 200 mil a menos do que 45 anos atrás! Já no Zimbábue, oficiais do governo fazem armadilhas para prender filhotes de elefantes e os vendem para zoológicos!

Especialistas dizem que é quase impossível impedir a caça ilegal enquanto milionários americanos continuarem a caçar elefantes por pura diversão. A única maneira de salvar esses animais da extinção é simplesmente parar de matá-los e reduzir a demanda por partes de seus corpos.

Quando o leão Cecil foi morto, um apelo internacional forçou os EUA a criar mecanismos de proteção desses animais. Agora precisamos fazer isso de novo antes que seja tarde demais para os elefantes!

Vamos garantir que no momento que as autoridades responsáveis pela proteção da vida selvagem se reúnam daqui alguns dias, nós possamos recepcioná-los com um enorme apelo pedindo que os EUA desistam desse plano. Assine com um clique e compartilhe com todo mundo!

Salvem os elefantes, desistam deste plano nojento!

Nosso movimento se une frequentemente em proteção dos elefantes: pressionamos por proibições ao mercado de marfim, financiamos ações estratégicas contra caçadores ilegais e buscamos cada vez mais proteção a esses animais. É hora de nos unirmos novamente em nome dessas criaturas majestosas.

Com esperança e determinação,

Bert, Spyro, Sarah, Danny e toda a equipe da Avaaz

Mais informações:

EUA vão suspender regra que proibia a importação de troféus de caça de elefantes (BBC)
http://www.bbc.com/portuguese/geral-42019888

Governo Trump derruba decisão de Obama e libera importação de troféus de caça de elefantes (G1)
https://g1.globo.com/natureza/noticia/governo-trump-volta-a-liberar-importacao-de-trofeus-de-caca-de-elefantes-nos-eua.ghtml

Administração Trump deverá permitir importação de troféus de caça (Euronews)
http://pt.euronews.com/2017/11/17/estados-unidos-autorizara-importacao-trofeus-de-caca-elefantes 


==============
 

Eleições 2018: Qual é a geografia do voto no DF?

Domingo, 19 de novembro de 2017
Do Blog Brasília, por Chico Santa'Anna

Militância partidária poderá ser outro fator de definição dos votos, em especial para a Câmara Legislativa. Foto de Chico Sant’Anna

Com tracionais nomes da política candanga envolvidos em escândalos e processos judiciais, a geopolítica, com certeza, interferirá no resultado final. O bairrismo pode pesar em favor dos candidatos locais. Em Planaltina, por exemplo, já há nas redes sociais campanha para se votar apenas em candidatos lá residentes.
Por Chico Sant’Anna
Com população de 3 milhões de habitantes, o Distrito Federal já conta com 2.001.908 eleitores, segundo os números, de outubro passado, do TRE-DF . No mês das eleições, ano que vem, poderão ser 2,048 milhões de eleitores. Brasília é a terceira metrópoles do país e, cada vez mais, os problemas comunitários, como Saúde, Segurança, Educação, Mobilidade Urbana, Meio-ambiente desafiam autoridades e serão pautados no pleito de 2018.

Com os tracionais nomes da política candanga envolvidos em escândalos e processos judiciais, a geopolítica, com certeza, interferirá no resultado final. A militância partidária poderá ser outro fator de definição dos votos, em especial para a Câmara Legislativa, mas o bairrismo pode pesar mais forte em favor dos candidatos locais. Novos nomes poderão até surgir nesse cenário. Em Planaltina, por exemplo, já há nas redes sociais campanha para se votar apenas em candidatos lá residentes. Na Cidade Estrutural, também.

Grande Plano Piloto

O chamado grande Plano Piloto, Asa Norte e Sul, Lagos Sul e Norte, Cruzeiro, Noroeste, Octogonal e Sudoeste, pode até ser formador de opinião, mas não imporá sua vontade. Todos esses locais somam 296.556, 14,8% do total.

Leia a íntegra  

Parada do Orgulho LGBT do Rio reúne milhares de pessoas na Praia de Copacabana

Domingo, 19 de novembro de 2017
Ana Cristina Campos – Repórter da Agência Brasil*
Rio de Janeiro - 22 Parada do Orgulho LGBTI, na Praia de Copacabana. (Tânia Rêgo/Agência Brasil)
Parada do Orgulho LGBT leva milhares à orla de CopacabanaTânia Rêgo/Agência Brasil
Milhares de pessoas participam hoje (19), na Praia de Copacabana, da 22ª edição da Parada do Orgulho LGBT (Lésbicas, Gays , Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros) do Rio de Janeiro. Com o lema “Resistindo à LGBTIfobia, fundamentalismo, todas as formas de opressão e em defesa do Rio”, a organização não governamental (ONG) Grupo Arco-Íris de Cidadania LGBT, que organiza o evento, definiu e edição deste ano como a parada da resistência.

MP do Rio pede anulação de sessão da Alerj que revogou prisão de deputados

Domingo, 19 de novembro de 2017
Da Agência Brasil
Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro decide pela libertação do presidente da Casa, Jorge Picciani; do líder do governo, Edson Albertassi; e de Paulo Melo, ex-presidente da Alerj (Divulgação/Alerj)
Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro decide pela libertação do presidente da Casa, Jorge Picciani; do líder do governo, Edson Albertassi; e de Paulo Melo, ex-presidente da Alerj Rafael Wallace/Alerj
O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) protocolou eletronicamente na Justiça, no sábado (18), um mandado de segurança pedindo a anulação da votação de sexta-feira (17) da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Na sessão, foi revogada a prisão dos deputados estaduais Jorge Picciani (presidente da Alerj), Paulo Melo e Edson Albertassi, todos do PMDB.

Extrema-direita é "claramente um perigo", afirma o líder maçônico europeu

Domingo, 19 de novembro de 2017
Extrema-direita é
O presidente da Aliança Maçônica Europeia, Marc Menschaert, considera a extrema-direita um perigo

Por RTP Notícias / Foto: sites.universal.org
e Portal ContextoExato

Marc Menschaert falava à Agência Lusa a propósito da cimeira da Aliança Maçônica Europeia (AME), que hoje junta em Lisboa dezenas de organizações maçônicas europeias, numa organização do Grande Oriente Lusitano, a mais antiga obediência maçônica portuguesa.

"A maçonaria, o trabalho maçônico, é para unir as pessoas, a extrema-direita é mais um movimento que divide. Para nós a extrema-direita é claramente um perigo", avisou.

O musgo e a pedra

Novembro
19
O musgo e a pedra
No amanhecer deste dia de 1915, Joe Hill foi fuzilado em Salt Lake City.
Esse estrangeiro agitador, que tinha mudado duas vezes de nome e mil vezes de ofício e domicílio, havia cometido as canções que acompanhavam as greves operárias dos Estados Unidos.
Nesta última noite, pediu a seus companheiros que não perdessem tempo chorando por ele:
minha última vontade é fácil de cantar,
porque não tenho heranças para deixar:
Minha liberdade é tudo o que deixo.
Não cria musgo, quando se move, o seixo.

Eduardo Galeano, no livro ‘Os filhos dos Dias’. Editora L&PM, 2ª edição, pág. 365

=======================
Joe Hill (1879-1915)
Joe Hill

sábado, 18 de novembro de 2017

Coronel da PM acusado de extorquir empresários tem prisão prorrogada

Sábado, 18 de novembro de 2017
Coronel da PM acusado de extorquir empresários tem prisão prorrogada
Ex-chefe do Departamento de Logística e Finanças (DLF) da PMDF, Francisco Feitosa teve o confinamento ampliado por mais cinco dias

Por Ian Ferraz-Metrópoles 
Portal ContextoExato
 
Investigado na Operação Mamon, o coronel da Polícia Militar do Distrito Federal Francisco Eronildo Feitosa Rodrigues teve a prisão temporária prorrogada por mais cinco dias. Ex-chefe do Departamento de Logística e Finanças (DLF) da corporação, Feitosa é acusado de cobrar propina de empresários para liberar o pagamento de serviços contratados pela PM. A Justiça também determinou a prorrogação, por igual período, da detenção de Rogério Gomes Amador, cunhado do militar. O confinamento da dupla venceria neste sábado (18/11). O pedido de prorrogação das prisões temporárias partiu do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios.

Rede deixa base de Rollemberg e entrega cargos de chefia

Sábado, 18 de novembro de 2017
Partido tomou decisão durante conferência neste sábado. Secretário de Meio Ambiente e presidente do Ibram deixam cargos

Do Metrópoles
Pedro Alves

Devem ser atingidos pela medida a presidente do Instituto Brasília Ambiental (Ibram), Jane Vilas Bôas; o secretário de Meio Ambiente, André Lima; e o administrador do Lago Norte, Marcos Woortman.

Leia a íntegra no Metrópoles 

Amanhã (19/11) também tem 🌳ação socioambiental na Pedreira, a linda Cachoeira dos Anjos, no Gama🌳

Sábado, 18 de novembro de 2017
Clique na imagem para ampliá-la.

🌳Ação socioambiental na Cachoeira dos Anjos🌳
 
Esse lugar incrível é chamado de várias formas pela população, Pedreira, Santuário, Cachoeira dos Anjos... É um lugar muito bonito, com uma pequena piscina natural, formações rochosas dignas de uma pintura e um mirante perfeito para quem gosta de olhar o horizonte e apreciar um lindo pôr do sol.


Infelizmente é uma área que foi sendo ocupada de forma irresponsável ao longo dos anos, de modo que o acesso se encontra dificultado, não sendo mais tão fácil chegar até lá como já foi um dia.

A Pedreira é muito frequentada pelos moradores da região, mas infelizmente não é tratada com o devido respeito, de modo que é comum encontrar muito lixo por lá, acreditamos ser possível mudar isso com visitas constantes e diálogo com as pessoas que frequentam o local.

🌱DIA: 18 e 19 de Novembro
💧HORA: 8:00 às 12:00

Muito além de um simples tempero, alho auxilia no aumento da imunidade

Sábado, 18 de novembro de 2017
Alicina presente no alho é responsável por combate aos radicais livres —Imagem: Pixabay


Rico no componente antioxidante Alicina, o vegetal traz inúmeros benefícios para a saúde

Por Luciana Console, do Brasil de Fato
Velho conhecido na cozinha brasileira, o alho é um vegetal com forte aroma, devido à alta quantidade da substância Alicina, a mesma presenta na cebola. Esse composto é responsável por reduzir os radicais livres, que são um dos causadores de doenças como o câncer, por exemplo.

Alto risco de contaminação no HRT. Até restos de cirurgias, sangue e secreções, ficam no corredor exalando fedor. Veja vídeo

Sábado, 18 de novembro de 2017


No corredor, com restos de cirurgias, o lixo fede. E fede muito. Tem que se tampar o nariz.

Jorge Vianna, vice-presidente do Sindate/DF (Sindicato dos Auxiliares e Técnicos de Enfermagem) gravou vídeo ontem pela manhã, sexta (17/11), mostrando caos e o altíssimo risco de contaminação/infecção no Hospital Regional de Taguatinga.

No corredor que fica entre as UTIs pediátrica e neonatal tem roupa suja,  lixo comum, lixo hospitalar, e até restos de cirurgias de partos, como placentas, as bolsas em que ficam os bebês quando na barriga das mulheres.  Muito sangue e secreções, materiais que podem contaminar o ambiente e, normalmente, provocar mortes. Caos gerado pela omissão do governo, que tem milhões para gastar em propaganda, mas não paga às prestadores de serviços de limpeza dos hospitais, o que forçou os empregados das empresas entrarem em greve. A culpa de quem é? Responda quem quiser!!!

E o resultado é esse que você pode ver no vídeo abaixo.

Desmascarando o Escola Sem Partido: 84% dos brasileiros apoiam discutir gênero nas escolas, diz pesquisa Ibope

Sábado, 18 de novembro de 2017
Ao Contrário do que diz o movimento Escola Sem Partido , 72% concordam total ou em parte que professores promovam debates sobre o direito de cada pessoa viver livremente sua sexualidade.
Contrariamente ao movimento Escola Sem Partido, a maior parte dos brasileiros é a favor de discutir assuntos ligados a gênero em sala de aula. Conforme a pesquisa IBOPE realizada em fevereiro, 72% concordam total ou em parte que professores promovam debates sobre o direito de cada pessoa viver livremente sua sexualidade, sejam elas heterossexuais ou homossexuais. A sondagem foi encomendada pela organização Católicas pelo Direito de Decidir.

"A vida humana não pode se resumir a trabalhar, pagar contas e fazer dívidas, como propõe o capitalismo"

Sábado, 18 de novembro de 2017
No primeiro dia da Jornada, movimentos denunciaram o retrocesso dos direitos trabalhistas no Brasil e na Argentina

Por Brasil de Fato / Foto: commons.wikimedia.org
e Portal ContextoExato
 
"A vida humana não pode se resumir a trabalhar, pagar contas e fazer dívidas, como propõe o capitalismo. Defender o tempo livre e a liberdade é uma questão de princípios". A declaração do ex-presidente do Uruguai José Pepe Mujica foi feita nesta quinta-feira (16) durante a Jornada Continental pela Democracia e contra o Neoliberalismo.

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Hoje (17/11): PGR defende manutenção de prisão de Geddel Vieira Lima

Sexta, 17 de novembro de 2017
Do MPF

Manifestação foi feita em resposta a pedido de ex-ministro para revogação de prisão preventiva

PGR defende manutenção de prisão de Geddel Vieira Lima
João Américo/PGR/Secom 
 

A procuradoria-geral da República se manifestou nesta sexta-feira (17) contra recurso apresentado pelo ex-ministro Geddel Vieira Lima em que pede a revogação de sua prisão preventiva. Nas contrarrazões ao agravo do político, o MPF argumenta que a manutenção da prisão é necessária para preservar a ordem pública e assegurar o cumprimento da lei penal. Geddel foi preso no dia 5 de setembro, após a apreensão de R$ 51 milhões em um apartamento em Salvador. O caso, inicialmente investigado na primeira instância, foi deslocado para o Supremo Tribunal Federal (STF) após o surgimento de indícios de participação do deputado federal Lúcio Vieira Lima, que é irmão de Geddel, na prática do crime.

Psol: Executivas do RJ e Nacional afastam deputado Paulo Ramos por votar pela libertação de parlamentares presos. Será expulso

Sexta, 17 de novembro de 2017


O deputado estadual Paulo Ramos que já vinha se apresentando como desligado da bancada do PSOL, tomou hoje uma atitude inaceitável: votou contra a decisão do partido e foi um daqueles que revogou a decisão unânime do TRF que determinava a prisão de Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi, todos do PMDB.


Desta forma, o deputado se colocou ao lado da máfia dos transportes, das empreiteiras e de todos aqueles que saquearam o estado do Rio de Janeiro nas últimas décadas. O PSOL sempre esteve na luta contra estes setores e na defesa dos interesses dos trabalhadores do Estado do Rio.


Ao se colocar ao lado destas máfias, Paulo Ramos perdeu completamente as condições de permanecer nas fileiras do nosso partido. Diante destes fatos, a Executiva Nacional do PSOL, em conjunto com a Executiva Estadual do PSOL-RJ, decidem pelo imediato afastamento do deputado estadual Paulo Ramos das fileiras do partido e inicia junto à Comissão de Ética seu processo de expulsão.


17 de novembro de 2017


Executiva Nacional do PSOL


Executiva Estadual do PSOL/RJ

No Brasil, falta trabalho adequado para 26,8 milhões de pessoas, diz IBGE

Sexta, 17 de novembro de 2017
Nielmar de Oliveira - Repórter da Agência Brasil
Carteira de Trabalho
No terceiro trimestre de 2017, as maiores taxas foram verificadas na Bahia (30,8%),  no Piauí (27,7%), em Sergipe (25,2%), no Maranhão (24,9%) e em Pernambuco (24,5%) —Marcello Casal Jr/Agência Brasil
A taxa de subutilização da força de trabalho no país ficou praticamente estável no terceiro trimestre do ano, fechando em 23,9% do mercado de trabalho – crescimento de apenas 0,1 ponto percentual frente aos 29,8% relativos ao segundo trimestre. Os números, no entanto, significam que ainda representa 26,8 milhões de pessoas sem trabalho adequado no país.

Pretos ou pardos são 63,7% dos desocupados no país

Sexta, 17 de novembro de 2017

Nielmar de Oliveira - Repórter da Agência Brasil
Entre os 13 milhões de desocupados no país no terceiro trimestre, 63,7% eram pretos ou pardos. Os dados constam da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) divulgados hoje (17) e equivalem a 8,3 milhões de pretos ou pardos sem ocupação. A taxa de desocupação dessa parcela da população ficou em 14,6%, enquanto a de trabalhadores brancos totalizou 9,9%.
São Paulo - Processo de urbanização canalizou os rios que faziam parte do Vale do Anhangabaú, na região central (Rovena Rosa/Agência Brasil)
São 8,3 milhões de pessoas pretas ou pardas desocupadasArquivo/Rovena Rosa/Agência Brasil
Comportamento semelhante foi registrado na taxa de subutilização, indicador que agrega a taxa de desocupação, de subocupação por insuficiência de horas (menos de 40 horas semanais) e a força de trabalho potencial.

Sarau do Barro - Dia da Consciência Negra

Sexta, 17 de novembro de 2017
A Brigadas Populares convida você para debater sobre “Hip Hop e Movimento Negro na Periferia". Vamos conversar sobre a história e construir caminhos possíveis de fortalecimento do Movimento Negro no Brasil e de sua cultura, levantar os desafios contemporâneos e as tarefas para a superação do racismo e da desigualdade social.

Neste mundo racista e capitalista nós somos invisibilizados pela grande mídia e não estamos presentes nos espaços de poder e institucionais do estado.

Participe! Por um movimento negro de periferia, contra os avanços do capitalismo e pelo fim da desigualdade social!

#PoderAoPovoNegro
#ZumbiVive
#DandaraVive
#Afrolatinoamericano
#NovembroNegro

Data: 19 de novembro, às 13 horas

Olaria - Centro de Cultura e Direitos Humanos. São Sebastião/DF

Chomsky: “Os EUA são a origem do problema do tráfico de drogas”

Sexta, 17 de novembro de 2017

Chomsky: “Os EUA são a origem do problema do tráfico de drogas”

O intelectual ataca a incapacidade da classe política liberal de seu país em se conectar com a classe trabalhadora

POR DAVID MARCIAL PÉREZ - EL PAÍS / Foto: commons.wikimedia.org 
e Portal ContextoExato
Um governante habilidoso e demagógico, que soube se conectar com os “medos legítimos” de parte da sociedade, “como Hitler e Mussolini fizeram antes”. Assim Noam Chomsky, o intelectual vivo da esquerda clássica mais importante de seu país, desenhou Donald Trump na quarta-feira, em uma breve entrevista coletiva na Cidade do México.

“Trump é um fenômeno que reflete o momento em que o país se encontra depois de décadas de políticas que concentraram o poder político e econômico em alguns poucos, e que deformaram a capacidade das instituições para servir seus cidadãos”, acrescentou o professor emérito do Massachusetts Institute of Technology (MIT), convidado pela universidade mais emblemática do México, a UNAM, para o ciclo de conferências Los Acosos a la Civilización. De Muro a Muro, organizado em parceria com a Universidade do Estado do Arizona.