Imprensa é oposição. O resto é armazém de secos e molhados."

(Millôr Fernandes)

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Juiz rejeita pedido de indenização de Temer contra Joesley e manda presidente pagar R$ 60 mil

Terça, 16 de janeiro de 2018
Clique aqui e leia a matéria no Congresso em Foco

Juiz proíbe utilização de animais nas brutais vaquejadas no DF sob pena de multa de 50 milhões por infração

Terça, 16 de janeiro de 2018


====================
Do TJDF
O juiz da Vara do Meio Ambiente, Desenvolvimento Urbano e Fundiário do Distrito Federal proibiu a utilização de animais em provas de perseguição, laceio ou derrubada em vaquejadas no Distrito Federal, sob pena de multa no valor de R$ 50 milhões para cada ato de descumprimento da ordem judicial, e sem prejuízo da responsabilidade criminal pela desobediência e por maus-tratos aos animais. A sentença de mérito foi proferida na Ação Civil Pública ajuizada pela Bsb Animal Proteção e Adoção contra o DF e a empresa Parque de Vaquejada Maria Luiza.
De acordo com o magistrado, a utilização de animais nesse tipo de evento deve ser limitada à comercialização e à exposição, sempre em ambiente adequado e com amparo médico-veterinário condizente. Na mesma decisão, o DF foi condenado na obrigação de não autorizar a realização das provas elencadas, bem como de fiscalizar o respeito à proibição imposta pela Justiça.

TRF nega recurso do governo Temer contra a suspensão da privatização da Eletrobras

Terça, 16 de janeiro de 2018
Do TRF5

Ação Popular proposta em primeira instância questiona urgência da alienação de empresas públicas do setor elétrico

O presidente do Tribunal Regional Federal da 5ª Região – TRF5, desembargador federal Manoel Erhardt, indeferiu, hoje (16), o pedido de suspensão de liminar apresentado pela União, que pretendia adotar Medida Provisória (MP) para a inclusão da Eletrobrás e suas controladas no Programa Nacional de Desestatização – PND. A liminar foi concedida pela 6ª Vara Federal da Seção Judiciária de Pernambuco, na última quinta-feira (11).
"Não se visualiza, ao menos por ora, risco iminente ao insucesso do programa, dado que o próprio cronograma é algo indefinido”, afirmou o presidente do TRF5, ao manter o ato judicial que suspendeu os efeitos do inciso I do art. 3º da Medida Provisória nº 814/2017.

Chelsea Manning vai candidatar-se ao Senado dos EUA

Terça, 16 de janeiro de 2018
Do Esquerda.Net

A ativista que passou sete anos na prisão por ter protagonizado uma das maiores fugas de informação através do Wikileaks vai entrar nas primárias do Partido Democrata no estado de Maryland. Veja aqui o vídeo do anúncio.

16 de Janeiro, 2018
Imagem do vídeo do anúncio de candidatura
de Chelsea Manning
Através de um vídeo lançado nas redes sociais, Chelsea Manning anunciou a entrada na corrida ao Senado norte-americano, concorrendo às primárias do Partido Democrata para o lugar de senadora por Maryland. A autora da maior fuga de informação confidencial acessível aos militares norte-americanos - o Cableleaks, com centenas de milhares de telegramas das embaixadas dos EUA em todo o mundo e também vídeos e registos das operações militares da ocupação no Iraque e Afeganistão – passou sete anos numa prisão militar, onde procedeu a uma operação de mudança de sexo e se tornou num símbolo da comunidade LGBTQ.

Depois de recomendação do MPF e sugestão do BC, Temer afasta quatro vice-presidentes da Caixa por 15 dias

Terça, 16 de janeiro de 2018
Marcelo Brandão e Paulo Victor Chagas - Repórteres da Agência Brasil



Edifício sede da Caixa Econômica Federal, em Brasília
Edifício sede da Caixa Econômica
Federal, em Brasília
Valter Campanato/ Agência Brasil

O presidente Michel Temer determinou o afastamento de quatro dos 12 vice-presidentes da Caixa Econômica Federal (CEF) por um período de 15 dias. Em nota, o Palácio do Planalto informou que esse será o prazo para que eles apresentem defesa das acusações de que são alvo.

Os vice-presidentes são investigados em operações da Polícia Federal. Temer deu a ordem ao ministro da Fazenda, Henrique Meirelles; e ao presidente da Caixa, Gilberto Occhi, para que procedessem com os afastamentos.

O governo Rollemberg levou a Saúde ao fundo do poço, afirma Maninha, ex-secretária de Saúde do DF

Terça, 16 de janeiro de 2018
Por Maninha*
no Facebook
Quando fui Secretária  de Saúde, no DF, eu  e minha equipe (saudade  de vocês),  lidávamos com a transferência  e atendimento  dos pacientes do Entorno na nossa rede  pública. Ontem ao procurar remover um paciente  grave de Unaí fui surpreendida com informação  dos médicos de Unaí  de que Brasília não  quer receber pacientes e o mesmo foi removido para Patos de Minas. De várias pessoas também  tenho ouvido que estão procurando assistência no Entorno, onde os atendimentos tem sido facilitados. Ou seja, invertemos a situação  de um SUS estruturado e com resolução  e que atendia ao entorno, para a ineficiência  que leva nossa população  à  procurar alternativas em outros estados. Chegamos  ao fundo do poço  e sem perspectivas  de mudanças.

Neste governo.

*Maria José, a Maninha (Psol DF), foi secretária de Saúde do DF, ex-deputa distrital e federal pelo PT. 

BRF: Sadia e Perdigão lançam linha de alimentos feitos de sobras para os pobres

Terça, 16 de janeiro de 2018
Da Agência Pulsar Brasil
BRF cria linha de produtos com sobra da Sádia e Perdigão.(foto: reprodução)
BRF cria linha de produtos com sobra da Sadia e Perdigão. (foto: reprodução)

A comida feita de restos foi descrita pelo vice-presidente de operações no Brasil da BRF como uma oportunidade para “aproveitar melhor o excedente de matéria-prima”, ou seja, transformar subprodutos da indústria de alimentos em comida para populações pobres.

STF: Confederação patronal questiona fim da obrigatoriedade da contribuição sindical

Terça, 16 de janeiro de 2018
Do STF
O Supremo Tribunal Federal (STF) recebeu mais uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) questionando o fim da contribuição sindical compulsória, uma das alterações decorrentes da Reforma Trabalhista (Lei 13.467/2017) aprovada ano passado. A diferença é que a ADI 5859, que se soma às demais ações ajuizadas na Corte com o mesmo objeto, é a primeira ajuizada por uma entidade patronal.

OSs fazem menos, atacam o SUS e ainda custam mais caro para o Estado

Terça, 16 de janeiro de 2018
Do site Ataque aos Cofres Públicos*

No Hospital dos Estivadores, dinheiro consumido já equivale a R$ 4,4 milhões/mês para uma quantidade de leitos irrisória; Cubatão tinha o mesmo custo mensal com 2,5 vezes mais leitos.

Quando assumem as unidades públicas, empresas privadas (leia-se organizações sociais) restringem os serviços, optando pelos que são menos onerosos, operando dentro da lógica do lucro.

Está pedindo pouco! MPF/DF requer condenação de Eduardo Cunha a 386 anos de reclusão por esquema criminoso na Caixa

Terça, 16 de janeiro de 2018
Do MPF
Arte: Secom/PGR
Arte: Secom/PGR
Documento enviado à Justiça também pede as condenações de Henrique Eduardo Alves, Lúcio Funaro, Alexandre Margotto e Fábio Cleto
A força-tarefa da Operação Greenfield enviou à 10ª Vara da Justiça Federal, nessa segunda-feira (15), alegações finais na ação penal na qual os ex-presidentes da Câmara Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves, Lúcio Bolonha Funaro, Alexandre Margotto e Fábio Ferreira Cleto respondem pelos crimes de corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro, prevaricação e violação de sigilo funcional. Para os procuradores da República, a denúncia de esquema de pagamento de propina, violação de sigilo funcional, prevaricação e lavagem de dinheiro se confirmou integralmente. Por isso, pedem a condenação dos denunciados à pena de reclusão que totaliza 538 anos.

Justiça determina retirada de outdoor promovendo Jair Bolsonaro

Terça, 16 de janeiro de 2018
Prazo foi determinado pelo TRE; propaganda viola legislação eleitoral
Foto de um martelo de tribunal
Imagem ilustrativa: iStock Photos
Além disso, de acordo com a decisão, devem ser encaminhados à Justiça cópias do contrato, a qualificação completa dos contratantes da propaganda, o valor contratado, o período de veiculação do outdoor, o meio de pagamento e a respectiva nota fiscal, sob pena de multa diária de R$ 1 mil.A Procuradoria Regional Eleitoral no Espírito Santo (PRE/ES) obteve na Justiça decisão que determina a retirada de um outdoor que promove o deputado Jair Bolsonaro. O anúncio está localizado na Avenida Carlos Lindenberg, em Vila Velha, no bairro Alvorada. A propaganda viola as normas da legislação eleitoral vigente.

Projeto Descoberto Coberto promove mutirão de reflorestamento inovador às margens do Lago Descoberto

Terça, 16 de janeiro de 2018
Do MPDF
Técnica utilizada combina plantio de mudas e lançamento de sementes. A ação foi realizada em dois hectares, mas espera-se reflorestar 30 hectares até o final de 2018
foto materiaDepois de ter atingido, há um ano, a marca de 200 mil árvores plantadas desde o início do projeto, em 2009, neste ano, os parceiros do Descoberto Coberto decidiram inovar e realizar um plantio piloto utilizando novas técnicas na orla do Lago do Descoberto. O mutirão ocorreu no último sábado, 13 de janeiro, com o plantio de 1,5 mil mudas e 208 quilos de sementes nativas às margens do reservatório.

Mantida decisão do STJ que restabeleceu prisão de policiais militares e civis acusados de chacina no Pará

Terça, 16 de janeiro de 2018

===========

Do STF
A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, indeferiu liminar em Habeas Corpus (HC 152156) impetrado pela defesa de um grupo de policiais acusados da morte de dez pessoas em Pau D’Arco (PA), em maio de 2017. Segundo a ministra, a decisão da presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministra Laurita Vaz, que restabeleceu a prisão está de acordo com a jurisprudência do STF no sentido de que a periculosidade do agente, evidenciada pelo risco de reiteração delitiva, é motivo idôneo para a custódia cautelar.

Quando a direita é apresentada como centro pela mídia comercial

Terça, 16 de janeiro de 2018
Por
Mário Augusto Jakobskind*



A mídia comercial está mais uma vez enganando os incautos que se deixam envolver por manipulações da informação. Um exemplo típico é apresentar políticos notoriamente de direita, defensores de medidas que atingem em cheio os trabalhadores brasileiros, como sendo de centro. Mesmo assim, a referida mídia não conseguiu esconder a profunda divisão existente em tais hostes como, por exemplo, a briga de palavras entre o patético Rodrigo Maia e o aposentado do Banco de Boston que ocupa o Ministério da Fazenda, Henrique Meirelles.

Aí aparece o lesa pátria Michel Temer defendendo a candidatura presidencial do Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, um político que é apontado nas pesquisas sempre sem conseguir alcançar os dois dígitos. Em outro lance, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso diz não acreditar nas possibilidades eleitorais do referido governador.

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

O zapatismo e o caminho originário

Segunda, 15 de janeiro de 2018
Por

O fotógrafo André Mantelli acompanhou a caminhada liderada por mulheres Zapatistas em nome da sua candidata nas eleições presidenciais mexicanas deste ano

André Mantelli
Antes do primeiro canto dos galos, a caravana que acompanhava o Conselho Indígena de Governo e sua porta-voz Marichuy já se desenhava entre a neblina: 12 ônibus e mais de 50 veículos, entre caminhonetes, furgões e paus de arara e automóveis particulares, se preparavam para sair até a cidade de Guadalupe-Tepeyac, primeira parada de uma série de cinco em uma semana de jornada em território zapatista, em Chiapas, estado do sul mexicano. O percurso desde San Cristóbal de Las Casas, que normalmente seria de cerca de quatro horas, chegava a 18 por causa do tamanho da comitiva.

Apesar de ser a maior população indígena das Américas em números absolutos, os povos originários do México pouco tiveram representatividade junto aos governos. Por isso, em uma decisão inédita, o Congresso Nacional Indígena, organização autônoma que representa os 43 povos indígenas distribuídos em 523 comunidades de 25 estados mexicanos, com apoio fundamental do Exército Zapatista de Libertação Nacional (EZLN), resolveu eleger um Conselho Indígena de Governo composto por 156 conselheiros que indicaram sua porta-voz (“la vocera”), María de Jesús Patricio Martínez, para constar nas cédulas eleitorais como candidata independente à Presidência – uma possibilidade aberta apenas nas eleições de 2018. Conseguir isso não é fácil: são necessárias quase 870 mil assinaturas de apoio em um aplicativo online, fato que cria muitos obstáculos considerando-se as características econômicas e a localização geográfica do público-alvo.

La vocera Marichuy, como é também conhecida, é mulher nahua da região de Jalisco e defensora da medicina popular tradicional e fitoterápica. Desde outubro de 2017, ela e outros conselheiros viajam em caravana pelo país.

Afirmam que a jornada não é para atrair votos nem pela disputa de poder, mas para chamar os povos a se unirem e se organizarem em defesa de suas culturas, tradições, territórios e integridade política, e sobretudo para juntos lutarem pela vida. É a reação a um histórico de violações e da ausência do Estado, apexar do México ser signatário do convênio 169 da OIT, que garante os direitos dos povos indígenas, e dos acordos de San Andrés com os povos mexicanos, nunca cumpridos pelo governo. Marichuy não se cansa de repetir: “Precisamos nos organizar, não tanto para agora, mas principalmente para depois de 2018, quando as coisas estarão mais difíceis”.

Aqui, a política que propõem coloca no papel de protagonistas os de “baixo”. Por isso, além de indígenas, as mulheres têm papel central: basta notar que em toda a caravana – e em movimentos insurgentes políticos do México – são elas que ocupam e comandam grande parte dos espaços.

Durante os eventos que acompanhei, tudo girou em torno da mulher: as oradoras foram mulheres, as assistentes, majoritariamente mulheres; e os discursos foram preparados por e para mulheres. Outra característica notável dessa jornada foi a grande quantidade de jovens, mostrando que o movimento zapatista está se renovando.

No início da cerimônia em Oventik, o último dos caracoles (como são chamadas as regiões administrativas dos municípios autônomos rebeldes zapatistas) da caravana, quase todos cantaram o hino nacional mexicano de peito cheio. O discurso de luta, resistência e autonomia é também a afirmação dos povos originários, que reclamam seu lugar de pertencimento ao país. E isso parece estar muito claro no próprio slogan de campanha do Concejo Indígena de Gobierno: “Nunca más un México sin nosotros”.

As fotos abaixo mostram parte da caravana por 38 povoados na região dos cinco caracoles em Chiapas, entre 13 e 19 de outubro de 2017.








Pastoral da Terra: 65 pessoas foram assassinadas em conflitos no campo em 2017

Segunda, 15 de janeiro de 2018
Helena Martins – Repórter da Agência Brasil
A Comissão Pastoral da Terra (CPT) contabiliza 65 pessoas assassinadas em conflitos no campo em 2017, o que faz do Brasil o país mais violento para as populações camponesas no mundo, de acordo com a CPT. Os dados são preliminares e devem integrar relatório que a comissão divulga, todos os anos, com balanço sobre conflitos no campo no país.
O estudo destaca o crescimento de assassinatos em massa como método para exterminar grupos que atuam em defesa de direitos. Nos últimos anos, as mortes de lideranças vinham sendo mais frequentes que as chacinas, por isso a comissão caracteriza o ano de 2017 como “o da volta dos massacres no campo”. “O que nós estamos vendo é isto: um Brasil que está eliminando, de forma sistemática, pessoas que lutam pela terra, pela água”, diz o integrante da coordenação nacional da CPT, Paulo César.

Justiça Federal nega recursos e mantém suspensão da posse de Cristiane Brasil

Segunda, 15 de janeiro de 2018
Cristina Indio do Brasil e Felipe Pontes - Repórteres da Agência Brasil

O juiz do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2) Vladimir Vitovsky decidiu que a 4ª Vara Federal de Niterói, na região metropolitana do Rio, tem competência para avaliar a ação popular que pede a suspensão da posse da deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ) no cargo de ministra do Trabalho. Com a decisão, o magistrado negou um recurso da Advocacia-Geral da União (AGU), sustentando que a questão caberia à 1ª Vara Federal de Teresópolis, na região serrana fluminense.

O juiz ainda resolveu juntar na 4ª Vara todas as outras ações, com o mesmo tema. Com isso, as ações ajuizadas na 1ª Vara Federal de Magé, na 1ª Vara Federal de Teresópolis, na 14ª Vara Federal do Rio de Janeiro, na 1ª Vara Federal de Nova Friburgo, na 1ª Vara Federal de Campos dos Goytacazes e na 1ª Vara Federal de Macaé ficarão com na 4ª Vara, com o juiz Leonardo da Costa Couceiro.

A decisão do magistrado é em segunda instância. As ações populares que tramitam na primeira instância ainda terão o julgamento do mérito marcado.

4ª Vara Federal
Mais cedo, o juiz Leonardo da Costa Couceiro negou um pedido de reconsideração da Advocacia-Geral da União (AGU) para que ele revisse a decisão em que suspendeu a posse de Cristiane Brasil.

Ao manter sua decisão, Couceiro rebateu o argumento da AGU de que ele não seria o juiz competente para atuar no caso, uma vez que uma outra ação, com o mesmo tema, havia sido protocolada um dia antes, na Vara Federal de Magé. O magistrado afirmou que a ação de Magé não atrairia a competência para julgar o caso, pois foi feita no dia 7 de janeiro, ainda sob o regime de plantão judicial.
“Assim, não obstante o referido processo de Magé tenha sido registrado no plantão do dia 07/01/2018, com decisão pelo não conhecimento do requerimento de medida de urgência, o mesmo foi distribuído (Distribuição por Dependência), no dia 08/01/2018, às 12h58, conforme Termo de Autuação, ora anexado, logo após autuação do presente processo (Niterói), que foi distribuído às 12h07”, escreveu Couceiro na decisão desta segunda-feira (15).
A AGU informou que irá analisar as decisões e estuda quais medidas poderão ser adotadas.

O sapato

Janeiro
15
O sapato

Em 1919, a revolucionária Rosa Luxemburgo foi assassinada em Berlim.

Ela foi arrebentada a coronhadas de fuzil pelos assassinos, e depois jogada nas águas de um canal.

No caminho, perdeu um sapato.

Alguém recolheu esse sapato, jogado no barro.

Rosa queria um mundo onde a justiça não fosse sacrificada em nome da liberdade, nem a liberdade sacrificada em nome da justiça.

Todos os dias, alguém recolhe essa bandeira.

Jogada no barro, como o sapato.

Eduardo Galeano, no livro ‘Os filhos dos dias’. L&PM Editores, 2ª edição, pág. 29.

O ministro da Fazenda, aplaude o rebaixamento

Segunda, 15 de janeiro de 2018
Do Blog Oficial do Jornal da Tribuna da Imprensa

Por
Helio Fernades*
Duas horas depois da decisão  da Standard end Poors, atingindo  a linha de crédito do Brasil, esse era o assunto mais discutido no mundo inteiro. Supostos especialistas dos maiores órgãos de todos os países, tratavam a questão como tragédia para o Brasil. E muitos se aproximavam da adivinhação, prevendo um novo rebaixamento. Nenhum elogio.

Aqui, o grande interessado, repercussão mínima, manipulada ou esquecida de autoridades e de órgãos de comunicação. O irresponsável Meirelles deu entrevista à televisão. Poupadíssimo, tranquilíssimo, confiantíssimo. Calmo e sem ser incomodado ou refutado, afirmou: "Não tem a menor importância, a nota anterior voltará rapidamente, o rebaixamento, não irá durar".

Vai um brilho aí, ‘doutô’ Rollemberg? [Texto de 8 de março de 2017, mas ainda atual]

Segunda, 15 de janeiro de 2018

Vai um brilho aí, ‘doutô’ Rollemberg?

Texto publicado originariamente aqui mesmo no Gama Livre em 8 de março de 2017. Mudou apenas o tempo restante de vida do sapato velho, que passou de dois anos para menos de doze meses.

Sapato grife governo Rollemberg

Doutô, brilho aqui vai ser missão impossível! O couro está rachado, no lugar do dedão...furado, a sola descolada, brocada e estragada. E o chulé é insuportável. Não tem tinta, graxa, flanela e cusparada que dê jeito e brilho  neste seu sapato. Engraxate não há por essas bandas do Planalto Central, nem neste mundo de Meu Deus, que possa recuperar o brilho dessa ‘coisa’.

Foto: Metrópoles

Doutô, lá pras bandas de Itiúba, sertão sisaleiro da Bahia, até havia o Mestre Bugué, sapateiro de primeira. Quando alguém usava o sapato até a sola furar, ia na lojinha do Mestre Bugué. Mestre porque também era músico dos bons. E também em razão de ser mestre na arte de sapataria. Alicate, faca afiada que nem a língua do Cão, sovela, prego, martelo, muita conversa e mentira de caçador. Pronto! A receita perfeita para se colocar uma meia sola no sapato velho de qualquer um. Depois era só um pouco de graxa e tinta, estava o sapato pronto e brilhando para mais dois anos de uso.

Doutô, como seria bom se aqui em Brasília, ou adjacências, houvesse um consertador, e lustrador exímio, como era o Mestre Bugué! Quem sabe se não daria para lustrar esse seu ‘sapato’ carcomido, couro esfarelando, cordão um cotoco só, chulé dos diabos, sola toda esburacada? Um remendo aqui, outro ali, mais um acolá, uns pregos no solado, uma graxinha e tinta por cima. Poderia dar para enganar.

Doutô, infelizmente não há bugués no Planalto Central. Seu sapato vai continuar, tudo indica, furado, fubento, fedorento por mais dois anos [leia-se agora, neste 15 de janeiro de 2018: 'por mais 11 meses e meio', visto ser esse tempo o restante de vida no sapato estragado].

Doutô, se o Bugué fazia milagres com sapatos velhos, deixando-os tinindo de brilhantes, aqui nas terras em que Dom Bosco disse que jorraria leite e mel, não há milagreiros na profissão de fazer coisas estragadas parecerem brilhantes. Muito menos quando essas coisas não são sapatos, mas sim governos.

Troca de secretários de comunicação para mudar a imagem de um ‘sapato’ estourado, furado, esfarelado, brocado, pode até ser tentado. Mas achar que poderá dar brilho a esse sapato marca GDF, quando já está todo estragado e na hora de ser despachado para o SLU, ou para a encruzilhada? Faça-me o favor!

Mestre Bugué era mestre na arte da sapataria. De quando em vez ele olhava o sapato que alguém levava, matutava, e fulminava: Fulano, este não tem santo que dê jeito. Manda buscar outro na Bahia. Bahia como chamávamos, e chamamos, é a cidade de Salvador.

Doutô! Doutô Rollemberg, esse sapato que você tenta recuperar o brilho não tem santo que dê jeito. Não adianta querer FONAr nos ouvidos do povo. O povo não acredita mais na recuperação do seu sapato, pois continua ele nas mãos de sapateiros, pelo menos, imperitos.

A maldição haitiana

Segunda, 15 de janeiro de 2018

A maldição haitiana

O terremoto do Haiti havia sido o ponto culminante da longa tragédia de um país sem sombra e sem água, que havia sido arrasado pela voracidade colonial e pela guerra contra a escravidão.
Os amos destronados explicam isso de outa maneira: o vodu tinha e tem a culpa de todas as desgraças. O vodu não merece ser chamado de religião. Não é nada além de uma superstição da África, magia negra, coisa de negros, coisa do Diabo.
A Igreja católica, onde não faltam fiéis capazes de vender unhas de santos e plumas de arcanjo Gabriel, conseguiu que essa superstição fosse legalmente proibida no Haiti em 1845, 1860, 1896, 1915 e 1942.
Nos último tempos, o combate contra a superstição corre por conta das seitas evangélicas. As seitas vêm do país de Pat Robertson: um país que não tem 13º andar em seus edifícios nem fileira 13 em seus aviões, e onde são maioria os civilizados cristãos que acreditam que Deus fabricou o mundo em uma semana.

                 Do livro "Os filhos dos Dias", de Eduardo Galeano, Editora L&PM, 2ª edição, página 28.