Imprensa é oposição. O resto é armazém de secos e molhados."

(Millôr Fernandes)

sábado, 21 de setembro de 2019

Recebida denúncia contra a Taurus sobre suposta venda de armas com defeito para PCDF

Sábado, 21 de setembro de 2019
Do TJDF
NA 2ª Turma Criminal do TJDFT, por unanimidade, deu provimento ao recurso do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios – MPDFT e determinou o recebimento da denúncia e o regular processamento da ação penal contra seis executivos da empresa Forjas Taurus S/A diante da venda de armamento defeituoso para a Polícia Civil do Distrito Federal – PCDF.

Nenhuma a menos! Neste domingo (22/9) às 9h Marcha das Mulheres Gamenses Contra o Feminicídio

Sábado, 21 de setembro de 2019

Será a partir das 9 horas, saindo da Feira Permanente do Gama

Clique nas imagens para melhor visualizá-las.



Leia também:

Mulheres na mira das armas. Brasil é o 5º país que mais mata mulheres no mundo

ARTIGO: Salvemos a vida das mulheres na América Latina — uma mudança de mentalidade

Trinta homens😰😱😰😱😰😱😰, por Luara Colpa

Quinta, 26 de maio de 2016
Trinta homens, por Luara Colpa

Trinta.
Vinte e nove
Vinte e oito
Vinte e sete
Vinte e seis
Vinte e cinco
Vinte e quatro
Vinte e três
Vinte e dois
Vinte e um
Vinte
Dezenove
Dezoito
Dezessete
Dezesseis
Quinze
Quatorze
Treze
Doze
Onze
Dez
Nove
Oito
Sete
Seis
Cinco
Quatro
Três
Dois
Um
Nenhum.

Eu tiraria todos – um por um – de cima de você neste momento, irmã.

Eu limparia seu corpo, tiraria o som dos seus ouvidos, o cheiro deste lugar, as lembranças. Se o tempo voltasse, eu os impediria de terem saído de casa. Todos eles.

Eu desligaria os celulares, os computadores, tiraria baterias dos carros, dos ônibus. Eu faria feitiço, veneno, poção, dor de barriga para todos. Trinta.

Eu te levantaria daí e te levaria pra ver o pôr do Sol no Arpoador, se o mundo girasse ao contrário… Mas o mundo não gira.

Foram Trinta.

Um ex-companheiro e vinte e nove “amigos”.

Nenhum deles se compadeceu. 

Vinte e nove seres humanos toparam se unir a um criminoso.

Trinta.

Trinta e um agora compartilharam. Trinta e dois riram. Trinta e três justificaram. Trinta e quatro se excitaram, trinta e cinco procuram o vídeo neste momento.

Agora o número se torna uma projeção geométrica. A misoginia aparenta infinita, o ódio e o machismo aparentam grandiosos demais. A primeira reação do público masculino em geral é ver o vídeo.

No entanto, quando pensei que fôssemos só nós duas, olhei para o lado e vi três, quatro, cinco. Chegaram seis, sete, oito, trinta.

Em segundos fomos noventa, cem, mil, somos milhares por você. Aquele som, aquele cheiro… Queremos que sua memória apague, mana!

E que o mundo nos ouça: “A CULPA NUNCA É DA VÍTIMA”. Que ecoe.

Que ecoe: Daqui vocês não passam.  Não passarão.

Que cada uma de nós seja porta voz do ocorrido¹. Se a grande mídia não denuncia a violência contra a mulher periférica, que nossas mãos sejam denúncia.

Na violência contra a mulher todas metemos a colher.

DENUNCIE.
No site do Ministério Público, Polícia Federal e disque 180. Mexeu com uma, mexeu com todas.

Disque 180.

¹- Em tempo: Acaba de ser noticiado via redes sociais, que uma garota “Bia” fora estuprada por 30 homens no RJ. O motivo é vingança do ex-namorado, que convidou mais 29 “amigos” para estuprar a vítima. Nenhum se absteve, nenhum deles parou os amigos, nenhum saiu do local, Vi no twitter e muitos outros homens compartilharam em suas redes sociais, fizeram piada e justificaram o crime.

Em segundos, milhares de mulheres se uniram na tarefa da conscientização de umas às outras, da denúncia formal, via PF, MP e Disque 180.

 “O correto, nesses casos, não é denunciar o perfil do divulgador do material pela “timeline” da rede social.

Ajudem a denunciar, copiando a URL dos twittes e colando nos locais de denúncia dos sites :
– http://denuncia.pf.gov.br/
– http://www.safernet.org.br/site/
– http://www.humanizaredes.gov.br/disque100/
Na ouvidoria no site do Ministério Público do RJ
(mprj.mp.br/cidadao/ouvidoria) É importante se identificar.

Ou Ligue 180 também é um caminho para denunciar.”
_______________________________________________________________
Luara Colpa é brasileira, tem 28 anos. É mulher em um país patriarcal e oligárquico. Feminista e militante por conseguinte. Estuda Direito do Trabalhador e o que sente, escreve
----------------------

LULA E OS LAFONTANIANOS LUPINOS DO MINISTÉRIO PÚBLICO.

Sábado, 21 de setembro de 2019
Por


(Da equipe do blog) - Já não bastasse contar meias verdades à população, colocando na conta de dinheiro "recuperado" os recursos de multas leoninas, punitivas, aplicadas sem nenhum critério lógico, aleatoriamente, a empresas já castigadas pela espetacularização de seus processos, com seguidos vazamentos à imprensa "amiga", conduções coercitivas, prisões arbitrárias, a perder de vista, de seus executivos, a interrupção de suas obras, e o derretimento de seu valor de mercado , com o macartiniano  intuito de pressioná-los a delatar terceiros, sob pena de ficar indefinidamente presos...

Já não bastasse a decretação estapafúrdia também sem nenhum critério lógico, de bloqueios judiciais fantasiosos, aleatórios, gigantescos, milionários, com o evidente objetivo de manter certa operação na mídia, e de dar a impressão, devido à mastodônica discrepância entre a quantia bloqueada e o dinheiro efetivamente disponível para o acusado - vide o bloqueio de 78 milhões de reais contra Lula quando ele jamais possuiu essa quantia e   está tão bem de finanças a ponto de o  neto de sete anos do ex-presidente ter morrido  de infecção generalizada em um hospital público - para dar impressão à população de que a "fortuna" supostamente arregimentada ilegalmente pelo réu é centenas de vezes maior do que na realidade, jogando contra o acusado a opinião pública....

sexta-feira, 20 de setembro de 2019

Política DF: MDB de Filippelli quer mais cargos no GDF

Sexta, 20 de setembro de 2019
Do Blog Brasília, por Chico Sant’Anna
No “Encontro com os companheiros do MDB Brasília – DF da Zonal 10” cobranças em relação à gestão de Ibaneis Rocha que estaria escanteando a turma de Tadeu Filippelli.

Base de apoio do ex-presidente do MDB, Tadeu Filippelli se sente discriminada na gestão de Ibaneis Rocha e acusa o governador de abrigar muitos apoiadores de Rollemberg.

Por Chico Sant’Anna
A turma de Tadeu Filippelli não está satisfeita com o escanteamento que vem sofrendo na administração Ibaneis Rocha.

Quer mais espaço e respeito ao ex-presidente da legenda. A sanha do MDB por cargos no governo Ibaneis não se aquietou com a substituição do administrador do Park Way, José Joffre Nascimento, por uma afiliada do deputado distrital, Hermeto (MDB). Apesar da indignação da comunidade do bairro em ver o nome escolhido pelos moradores substituído por uma ingerência política externa, a cúpula do partido quer mais e muito mais, fala em milhares de cargos.

Confronto das esquerdas movimenta o DF

Sexta, 20 de setembro de 2019
Do Blog Brasília, por Chico Sant’Anna
Os partidos de esquerda do Distrito Federal resolveram se enfrentar cara a cara, olho no olho. Nenhum acordo é possível e vai ganhar quem for o mais forte e melhor preparado.

Por Chico Sant’Anna
Agora não tem mais dialogo. Não há dialética, nem plenária, assembleia ou prévias que resolva.

Os partidos de esquerda do Distrito Federal resolveram se enfrentar cara a cara, olho no olho. Nenhum acordo é possível e vai ganhar quem for o mais forte e melhor preparado. Nessa disputa ferrenha estão o Psol, PT, PDT, PSB, PC do B, PCB e todos estão focando a rede.

Política DF: Pra onde vai Reguffe?

Sexta, 20 de setembro de 2019
Do Blog Brasília, por Chico Sant’Anna
Reguffe agora no Podemos espera ter condições de organizar a sua caminhada às urnas de 2022.

Reguffe escolheu um partido que diz ele ser de centro, para atrair a maior massa do eleitorado. Espera conquistar votos à esquerda, centro e à direita. No passado, Reguffe se elegeu com apoio do eleitorado petista, pedetistas, dos socialistas e também do MDB. Qual será o desempenho em uma carreira quase solo? As urnas dirão.

Por Chico Sant’Anna
O senador Antônio Reguffe, até aqui sem partido, decidiu se filiar ao Podemos, antigo Partido Trabalhista Nacional (PTN), que em 2016 mudou de nome. Reguffe se soma ao time de Álvaro Dias (PR), Romário (RJ), e outros sete senadores, dentre eles Lasier Martins (RS), que respondeu a processo por violência doméstica contra sua esposa. Escolheu um partido que diz ele ser de centro, para atrair a maior massa do eleitorado. Espera conquistar votos à esquerda, centro e à direita.

O problema é que para muitos analistas, o Podemos está mais inclinado à direita e o pior, não chega a estar puro e imune às intempéries judiciais. Assim como Reguffe, vários dos parlamentares do Podemos não são de raiz, migraram de outros partidos. A próxima conquista do Podemos deve ser a senadora Juíza Selma Arruda, eleita pelo PSL, mas cujo mandato está sob risco de ser cassado por acusação de abuso de poder econômico e caixa dois. O líder máximo do Podemos, senador Álvaro Dias, também migrou do PSDB para o PV e, em seguida, para o Podemos. Ele também é outro que pode ter a tranquilidade abalada. Segundo o site Intercept Brasil, Dias faria parte de uma “turma protegida pela Lava-Jato”. Ele é citado nas delações premiadas. Em uma delas, o ex-candidato a presidente foi acusado de receber propina para ajudar a melar a CPI da Petrobrás. “Em outro episódio, e-mails do advogado da Odebrecht, Rodrigo Tacla Durán, indicavam que Álvaro Dias teria recebido R$ 5 milhões em propina para pegar leve nas perguntas aos investigados na CPMI de Carlos Cachoeira, o empresário do jogo do bicho em Goiás” – diz o site. Dias nega qualquer irregularidade. Dentre os senadores do Podemos também há quem tenha sido denunciado por violência doméstica, o que pode atrapalhar os planos de Reguffe junto ao eleitorado feminino.

O PETRÓLEO DO IRÃ E A REFINARIA DOS PRÍNCIPES SAUDITAS

Sexta, 20 de setembro de 2019
Do
Blog Política Econômica do Petróleo
Por Wladmir Coelho

Resultado de imagem para trump petrobras


*** O PETRÓLEO DO IRÃ E A REFINARIA DOS PRÍNCIPES SAUDITAS


*** A DISPUTA ENTRE ESTADOS UNIDOS E CHINA; UMA GUERRA RESOLVERIA A QUESTÃO?

*** COMO MOBILIZAR O POVO PARA UMA GUERRA MUNDIAL?

*** AUMENTO DOS COMBUSTÍVEIS NO BRASIL; O TRABALHADOR PAGANDO A FARRA DOS ESPECULADORES

*** O PAPEL DA PETROBRAS ESTATIZADA NO PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL

POR WLADMIR COELHO

1 – O governo dos Estados Unidos, para variar, apontou em direção ao Irã no episódio do ataque a refinaria dos príncipes árabes cujo resultado, ironicamente, gerou elevados lucros aos fundos de investimentos, produtores de petróleo de xisto sem contar o alívio e promessas aos produtores de milho a matéria prima do etanol estadunidense.

2 – Quando o assunto é petróleo os diferentes governos dos Estados Unidos não pensam duas vezes antes de intervir nos assuntos internos dos países produtores e no caso do Irã esta intromissão é verificada desde 1953 através da operação AJAX.

3 – O governo do Irã, chefiado por Mohammed Mossadegh, foi impedido de comercializar livremente o petróleo através da empresa estatal gerando, em um país dependente deste recurso, uma grave crise econômica devidamente aprofundada por ações da CIA como a organização e financiamento das  manifestações de rua, atentados atribuídos aos comunistas, defesa da família e da religião ameaçadas, notícias falsas de jornais, acusações contra a honestidade do governante.

4 – Como resultado o governo nacionalista foi derrubado enquanto um monarca fantoche foi elevado ao poder e o petróleo entregue aos oligopólios de sempre isso até 1979 quando os religiosos assumiram a liderança do movimento revolucionário derrubando a monarquia entreguista e novamente nacionalizando o petróleo.

5 - Atualmente a tentativa estadunidense de intervir no Irã encontra algumas barreiras adicionais em relação ao golpe de 1953; ironicamente os antigos inimigos internos do “comunista” Mohammed Mossadegh contam com o apoio direto do governo chinês, possuindo este, interesse no fornecimento do petróleo iraniano.

6 – Vejamos alguns aspectos: a China para a continuidade de sua produção depende em 70% do petróleo importado e destes, até recentemente, importava 6% dos Estados Unidos atividade suspensa em função da, por enquanto, guerra comercial.

7 – Adquirido o petróleo, refinado e transformado em combustível e matéria-prima a produção chinesa necessita, óbvio, de escoamento e neste ponto o Irã novamente surge como ponto vital. Somente em infraestrutura de transporte o  governo chinês investiu US$ 120 bi na antiga Pérsia incluindo ferrovias com trens de alta velocidade, rodovias, portos acrescidos, lógico, da exploração de campos petrolíferos antigos e novos.

8 – O investimento em infraestrutura de transporte chinês no Irã implica no acesso à Turquia e desta a Europa e não é sem razão, por exemplo, as constantes reuniões e visitas da Sra. Merkel ao presidente Xí Jinping sem falar dos interesses franceses.

9 – Um investimento de bilhões de dólares implica em garantias de segurança e neste caso confundem-se com aspectos de defesa nacional do Irã e da própria China e certamente este é um dos motivos da não intervenção militar dos EUA.

10 – Até o momento Donald Trump – com relação a possível retaliação em função do ataque a refinaria dos príncipes sauditas – apresenta um jogo de rosnar e latir, pois, tem clareza do preço de uma invasão ou ataques a distância preferindo aprofundar o cerco econômico através das sanções.  

11 – Até quando? a economia estadunidense encontra-se estagnada acrescentando-se ao fato uma movimentação da China, Rússia e Irã no sentido de romper as barreiras comerciais incluindo, no caso dos dois últimos países, os meios para superar as sanções econômicas.

12 – Qual o meio? o rompimento do poder do dólar constitui o primeiro passo e neste sentido cresce a utilização das moedas destes países nas transações comerciais centradas na China, isso não é pouca coisa, devemos ainda acrescentar os ensaios para a criação de meios independentes do poder econômico estadunidense para a compensação dos pagamentos.

13 - Os Estados Unidos realizam em novembro de 2020 eleições presidenciais e uma guerra de grandes proporções justificada por prejuízos aos príncipes árabes não é um tema popular.

14 – Qual seria o motivo para justificar um grande apoio popular à guerra de grandes proporções cujo resultado seria uma nova divisão econômica do planeta? Exemplos não faltam cito dois: Pearl Harbor e 11 de setembro.

15 – Fato: os governantes estadunidenses apontam o dedo contra os iranianos no episódio do ataque com minas ao petroleiro japonês e recentemente o caso da refinaria árabe criando a imagem, para o Irã, de um país terrorista com práticas contra a humanidade e imaginem um atentado de falsa bandeira em pleno território estadunidense. A quem culpariam?

16 – Por enquanto não temos o atentado ou uma guerra com bombas, mas o capital necessita de uma ajudinha estatal urgente para sair da estagnação através da criação de empregos, soldados vivos recebem salários e mortos diminuem o número de desempregados, uma guerra de grandes proporções vai movimentar a indústria farmacêutica, a automobilística e depois a reconstrução com uma população reduzida trabalhando por comida e moradia. A economia nazista funcionou assim.

17 – Os capitalistas vibram com a especulação decorrente do ataque a maior refinaria do mundo e nós trabalhadores estamos pagando a conta considerando o repasse dos custos da reconstrução das instalações industriais dos príncipes árabes e consequente pagamento aos especuladores.

18 – ENQUANTO ISSO NO BRASIL: o governo do Sr. Bolsonaro e seus generais carreiristas e entreguistas optou pela destruição do país antes mesmo de uma guerra entregando ao império o controle, inclusive, do petróleo nacional.

19 – De forma debochada o capitão aposentado realizou, na segunda-feira, um pedido à Petrobras pela manutenção do preço dos combustíveis. Na quinta-feira verificou-se exatamente o contrário. Alguma surpresa? Lógico que não. Temos no reajuste dos valores dos combustíveis no Brasil a cobrança do tributo para pagar o lucro indecente, dos mais ricos, nas bolsas de valores no último dia 16.

20 – Em 1953 Mohammed Mossadegh era derrubado no Irã enquanto no Brasil nascia a Petrobras com a missão de libertar nossa economia da intervenção dos oligopólios petrolíferos garantindo, inclusive, a criação de uma política de preços independente dos interesses dos especuladores de sempre. Em 1954 o presidente responsável pela criação da Petrobras, Getúlio Vargas, sofre uma terrível campanha patrocinada com recursos da CIA cujo resultado todos sabemos.

21 – Recuperar o controle nacional e estatal da Petrobras é fundamental para a economia brasileira. Infelizmente este tema encontra-se apagado, eclipsado por algoritmos moralistas, religiosos. O governo do Sr. Bolsonaro e seus generais entreguistas fazem muito bem este jogo e compensam o aumento da exploração do trabalhador com beijos, insultos e nós embarcamos.

22 – Afinal; diante do processo de redivisão econômica do planeta, da ameaça de uma guerra, do pagamento de tributos aos especuladores, da intensificação do trabalho de quem ainda possui um emprego o que vamos fazer? Vamos continuar feito baratas tontas reproduzindo o discurso moralista ou vamos buscar os meios para a reconstrução econômica do Brasil?

23 – Continuaremos assistindo a entrega do Brasil ou vamos construir um projeto de superação da nossa dependência econômica implicando este em necessária alteração do processo produtivo? Questões presentes, questões para o futuro de uma país.    

A Nação à Conquista do Estado - Dispensa dos militares

Sexta, 20 de setembro de 2019
Por
Pedro Augusto Pinho*

Oliveira Lima (O Império Brasileiro 1822-1889, UnB, 1973) escreve que Juan Pablo Rojas Paúl, presidente da República da Venezuela (02/07/1888 a 19/03/1889), assim comentou a proclamação da República no Brasil: "acabou a única república que existia na América: o Império do Brasil".
Uma boutade de um país que vira passar, de 1822 até 1889, vinte e cinco diferentes presidentes, incluindo Simón Bolivar, enquanto o Brasil apresentara dois imperadores e quatro regências; estas entre 1831-1840.
O que realmente ocorrera fora o uso do Exército para o empoderamento ou a tomada do Estado brasileiro por cafeicultores paulistas.
A junção de propósitos, ideais, interesses regionais e particulares, além da então onipresente presença da Inglaterra, só poderia levar a nascente república a uma crise. Mas esta também fora construída, engendrada por participantes que tinham estruturado seu projeto de país: os cafeicultores paulistas e os financistas ingleses.
Deodoro chega à Presidência sem projeto. A única oposição possível, para apresentar uma alternativa de Estado, estava restrita ao Rio Grande do Sul e a intelectuais no Rio de Janeiro: o positivismo de Julio de Castilhos e Borges de Medeiros.
Comentando o positivismo, lemos em Guerreiro Ramos (Mito e verdade da revolução brasileira, Editora Insular, Florianópolis, 1963): "Com o lema Ordem e Progresso, acreditava na chamada evolução contínua, em que as grandes transformações reclamadas seriam feitas sem dramatismo e abalos, isto é, gradativamente, em consonância com os avanços das ideias humanitárias. Definia, por isso, o progresso como le développement de l'ordre. Para ele, por assim dizer, a revolução seria questão de consciência. A sociologia de Augusto Comte e, consequentemente, seu conceito de revolução revelam-se hoje como episódio do pensamento conservador".
O Exército iria brigar com a Marinha e, ao fim, os militares voltariam à caserna, aos quartéis, deixando aos interesses privados a condução do Brasil.
Lincoln de Abreu Penna (O Progresso da Ordem, Sette Letras, RJ, 1997) analisa este período histórico: "A Revolta da Armada não pode ser entendida se não a situarmos no contexto no qual se insere a crise que se instalou no país com a medida extrema adotada então pelo Presidente Deodoro da Fonseca, ao instituir o estado de sítio e proclamar-se ditador fechando o congresso a 3 de novembro de 1891. Vinte dias se passaram, e Deodoro curvou-se ante a ação do Contra-Almirante Custódio José de Mello".
Floriano Peixoto assume constitucionalmente como Vice-Presidente da República. Mas Custódio de Mello julga-se com mesmo direito. Segue-se um período de vaidades e ciúmes onde a grande vítima será a Nação Brasileira.
Castilhos, deodorista, que recebera apoio material de Floriano é apeado do poder em 17 de junho de 1892, sendo vencedor o monarquista Gaspar Silveira Martins. A oligarquia paulista apoia Floriano com vista a seu projeto "republicano". Os ingleses, com investimentos em São Paulo, Rio de Janeiro e Salvador - estrada de ferro de Santos a Jundiaí, Cities Improvment Co. fornecedora de gás, água e bondes, Western e Brazilian Telegraph, pontes e bancos - ficam, obviamente, com o vencedor Floriano.
Escreve Cruz Costa (Pequena História da Republica, Civilização Brasileira, RJ, 1968): "A República foi, se assim podemos dizer, o período do enrichissez-vous da nossa história, ou a sua paulistização porque como observa Normano, a significação econômica do paulista é mais ampla do que seu significado geográfico". Referindo-se à obra de Isaac Ilyich Levin, russo, banqueiro e historiador econômico, que escreveu sob pseudônimo de John F. Normano e J.F. Normano "Brazil: a study of economic types", editado em português na Coleção Brasiliana, volume 152, com título "Evolução Econômica do Brasil".
Nelson Werneck Sodré (Raízes Históricas do Nacionalismo Brasileiro, MEC-ISEB, RJ, 1960, 2ª edição) assim se expressa: "Floriano representa, tipicamente, a classe média, que começa então a disputar papel político. E a própria difusão do positivismo nessa classe revela a solução fácil que permitia a defesa de posições progressistas sem rompimento com valores éticos tradicionais. A composição entre a classe média e a facção economicamente mais poderosa da classe territorial seria rompida com os episódios que se seguem à proclamação do novo regime. E terminaria, com os presidentes paulistas, isto é, os representantes da lavoura cafeeira, por conduzir a um total alijamento da classe média".
Muitas vezes esquecida nos relatos históricos e nas análises políticas, mas sempre presente e, o que é pior, definindo os rumos nacionais estão os capitais estrangeiros. Neste início da República, como fora desde a chegada da família real portuguesa, em 1808, o capital era inglês.
Os "Commercial Reports", citados em Preeminência Inglesa no Brasil, do professor estadunidense Alan K. Manchester (Editora Brasiliense, SP, 1973), apontam entre oito e doze milhões de libras esterlinas aplicados em São Paulo, entre 1888 e 1890. "A maravilhosa prosperidade que se notava em 1890, do litoral ao interior, teve seu começo com a vinda do comerciante, do engenheiro e do capitalista inglês".
Seguimos transcrevendo desta obra. "Como se poderia supor, os bancos britânicos eram numerosos no Brasil. O London and Brazilian Bank, com um capital de um milhão e meio de libras esterlinas todo inglês, estabeleceu-se no Rio em fevereiro de 1863, com filiais na Bahia, em Pernambuco, Santos e no Rio Grande do Sul. O Banco Brasileiro e Português foi incorporado, com as matrizes em Londres, sendo todo inglês o milhão de libras esterlinas de capital". Os bancos ingleses representavam, ao fim do século XIX, 58% dos ativos bancários estrangeiros e 30% do total de todos os bancos no Brasil.
Em 1884, o cônsul inglês previu que o próspero comércio que passava pelo porto de Santos era embrionário e poderia se transformar no canal de incalculável comércio. Mas alertava também que os Estados Unidos da América (EUA) "já haviam aberto uma pequena brecha, suprindo as novas estradas de ferro com material rolante" e as máquinas agrícolas estadunidenses começavam a "chamar atenção".
A maior rivalidade fora a francesa mas nem arranhara a supremacia inglesa. No Império, a França não passara de 12% das importações brasileiras, comparadas as mais de 50% da Inglaterra. O que causava apreensão ao cônsul em Santos, por volta de 1873, eram as bem treinadas e sóbrias tripulações alemães. Bom observador, pois em 1912, apenas a tonelagem da Inglaterra superava a alemã.
Mas as observações dos cônsules britânicos sobre os EUA não pareciam preocupar a Inglaterra e sabemos o que ocorreria ao fim da Primeira República.
O historiador e acadêmico Gustavo Barroso (1888-1959) tem particular interpretação sobre o fim do Império e o início da República. Em sua História Secreta do Brasil, volume 6, reedição de 1993 da Revisão Editora, Porto Alegre, lemos: "A República foi, no Brasil, obra de uma propaganda persistente, oculta e sutil. Trabalho nitidamente maçônico, em que as lojas se serviram das forças armadas, depois de arrancarem todas as escoras do Trono: o prestígio que lhe dera o Altar, a força do dinheiro, as armas dos soldados e a organização do trabalho. Tudo foi feito em obediência a um plano bem pensado e bem traçado, que as forças ocultas começaram a executar desde que viram que a guerra do Paraguai, ao invés de precipitar o Brasil no abismo, com a derrota de seu Exército e a revolta dos negros à retaguarda das tropas batidas, mais ainda o unira, engrandecera e fortalecera".
Barroso tem, sob uma ótica distinta, a mesma conclusão: o exército foi usado e descartado para a transição do Império para a República. Dando assim mais poder ao agronegócio paulista e ao seu orientador, financiador e comprador: o capital inglês.
Nelson Werneck Sodré, na obra citada, acrescenta: "Esse alijamento se completa quando Campos Sales chega ao poder. Define-se, em seu governo, pela reforma dos empréstimos externos, com o serviço das dívidas previsto no funding, pela orientação financeira, que pretende paralisar o assustador desenvolvimento, para a época, de novas empresas - de que o episódio do encilhamento fora uma singular caricatura - e, particularmente, pela chamada "política dos governadores", que consistia em entregar os estados às oligarquias, para que os explorassem como fazenda particular".
O novo período, iniciado com a Revolução de 1930, teve na Era Vargas a primeira e única construção de um Estado Nacional Brasileiro. Mas vem sendo sistematicamente e permanentemente destruído, acelerado com a Constituição de 1988 e que o atual governo pretende enterrar de vez.
O açúcar, o café, o minério de ferro, a soja, os grãos tem agora, a engrossar a sanha exportadora de produtos primários, o petróleo, o óleo cru do pré-sal brasileiro. E aumentam as importações de derivados, mantendo ociosamente caras as refinarias da Petrobrás, justificando suas alienações a preço vil. E, como a república não é cláusula pétrea constitucional, poderemos empossar Jair Messias, Imperador e Defensor Perpétuo do Brasil.
Novamente o Exército vai servir para empoderar as oligarquias e para o capital estrangeiro, e, na forma do costume, descartado depois como o golpista. Ou podem lhe dar, para amaciá-los, um novo Canudos, agora o Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST) onde serão gastas munição e equipamentos e recursos importados que, dinamizando a economia de outros países, reelegerão Trump, Macron ou outro "aliado" ocidental.

Pedro Augusto Pinho, avô, administrador aposentado
Publicado no Monitor Mercantil, 18-09-2019

PF apreende imagens de videomonitoramento de presídio no Pará onde MPF investiga denúncias de tortura

Sexta, 20 de setembro de 2019
Do MPF
Cumprimento de mandados de busca e apreensão foi realizado nesta sexta-feira (20)
Texto Investigação e marca do Ministério Público Federal sobre fundo azul escuro.
Arte: Ascom/MPF/PA
As buscas tiveram como objetivos principais as imagens das câmeras de videomonitoramento dos Centros de Recuperação Penitenciária do Pará II e III (CRPP II e III), da Colônia Penal Agrícola de Santa Izabel, da Central de Triagem Metropolitana IV. Em especial, imagens do videomonitoramento de celas, corredores internos de acesso a celas, pátio, quadra de esporte ou outras áreas externas, onde foram destinados presos, de 4 de agosto deste ano (véspera da intervenção da FTIP) até esta sexta-feira (20). Foi solicitada especial atenção para a obtenção de vídeos do dia 13 de agosto feitos pela câmera do CRPP III, que fica em cima de uma caixa d'água, com foco para o campo de futebol. Mandados pedidos pelo Ministério Público Federal (MPF) e autorizados pela Justiça Federal foram cumpridos pela Polícia Federal (PF) nesta sexta-feira (20) em Belém (PA) e em Santa Izabel do Pará (PA) para a busca e apreensão de imagens das câmeras de videomonitoramento do complexo penitenciário de Americano. O MPF pediu à Justiça a busca e apreensão dos vídeos como parte das investigações de relatos de torturas e tratamento desumano, cruel ou degradante, por agentes federais de execução penal da Força-Tarefa de Intervenção Penitenciária (FTIP), aos presos. O cumprimento dos mandados ocorreu em Belém, no Centro Integrado de Operações (Ciop), ligado à Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup), e no complexo penitenciário, em Santa Izabel.

MPF denuncia engenheiro da Marinha por cobrar propinas em contratos para projeto de submarino nuclear

Sexta, 20 de setembro de 2019
Do MPF
Renato Del Pozzo recebeu 1,2 milhão de euros de empresa austríaca; outro engenheiro também é acusado por envolvimento nos crimes
foto mostra um pequeno submarino
Foto ilustrativa: marinha.mil.br
O Ministério Público Federal denunciou um engenheiro da Marinha por cobrar e receber propinas de uma empresa austríaca em licitações para o desenvolvimento do Submarino com Propulsão Nuclear Brasileiro (SN-BR). Entre 2009 e 2013, Renato Del Pozzo recebeu mais de 1,2 milhão de euros (R$ 5,5 milhões, no câmbio atual) para beneficiar a fornecedora de componentes nucleares Bilfinger Maschinenbau GmbH & Co KG em contratos relacionados ao projeto militar.

Após Recomendação da PFDC, Ministério da Saúde revoga portarias que suspendiam recursos para unidades de atenção psicossocial

Sexta, 20 de setembro de 2019
Anulação da medida foi publicada pela pasta no último dia 13

Do MPF
Foto: Fábio Pozzebom/Agência Brasil

O Ministério da Saúde decidiu revogar os efeitos de duas portarias publicadas pelo órgão em novembro do ano passado, e que suspendiam o repasse de recursos orçamentários destinados à manutenção de serviços comunitários de saúde mental em diversas cidades do Brasil. A anulação da medida foi publicada pela pasta no último dia 13, por meio da Portaria 2.387/2019. O documento estabelece o fim dos efeitos tanto da Portaria 3.659/GM/MS, de 14 novembro de 2018, quanto da Portaria 3.718/GM/MS, lançada em 22 de novembro de 2018.

Hospital particular é condenado a pagar pensão e indenizar paciente que ficou em estado vegetativo

Sexta, 20 de setembro de 2019
O hospital integra um grande complexo hospitalar

Do TJDF
A 7ª Turma Cível do TJDFT condenou hospital a indenizar parturiente que ficou em estado vegetativo após demora no atendimento médico. O réu terá que pagar uma pensão vitalícia de 1 salário mínimo à vítima, além de R$ 450 mil, a título de danos morais.

MPDFT quer anulação de reeleição de Anilcéia Machado para presidente do TCDF

Sexta, 20 de setembro de 2019
Do MPDF
Legislação não permite recondução para o cargo; Promotoria pede afastamento de Anilcéia Machado
A Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público e Social (Prodep) ajuizou, nesta quinta-feira, 19 de setembro, ação civil pública pedindo a anulação da eleição da presidente do Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF), Anilcéia Machado. Na ação, que tem pedido de liminar, a Prodep também pede o afastamento da presidente e a realização de nova eleição para o cargo.

Para PGR, entidade que representa praças e oficiais militares tem legitimidade para ajuizar ADI

Sexta, 20 de setembro de 2019
Do MPF
Ministro do STF, Luiz Fux havia encerrado a ação por entender que a Feneme não atendia a critérios constitucionais para o feito
O procurador-geral da República interino, Alcides Martins, opinou pelo provimento do recurso de agravo regimental interposto pela Federação Nacional de Entidades Oficiais Militares (Feneme) a fim de que seja firmada a legitimidade da instituição para ingressar com Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) junto ao Supremo Tribunal Federal (STF). Em março deste ano, a Feneme ajuizou ADI questionando o Decreto 57.008/2018, do governo de Alagoas, que cria o Ronda no Bairro, considerado pela entidade como órgão novo de segurança pública, com outra denominação. Para a Feneme, o decreto tem natureza autônoma e inova na ordem jurídica, violando o princípio da reserva legal e da legalidade, sem se limitar à regulamentação de legislação estadual, “além de contrariar frontalmente o rol taxativo dos órgãos de segurança constantes do art. 144 da Constituição Federal”. O Ronda no Bairro prevê a contratação de militares da reserva remunerada para desempenhar funções de segurança pública.

Conselho Regional de Cultura do Gama terá nova composição

Sexta, 20 de setembro de 2019

Campeãs


Setembro
20

Campeãs

No ano de 2015, foi disputado o terceiro campeonato mundial de futebol feminino.
No fim do torneio, as jogadoras alemãs foram campeãs; e no ano de 2007 novamente ergueram o troféu mundial.
Elas não tinham percorrido um caminho de rosas.
De 1955 a 1970, o futebol tinha sido proibido para as mulheres alemãs.
A Associação Alemã de Futebol havia explicado a razão:
Na luta pela bola, desaparece a elegância feminina, e o corpo e a alma sofrem danos. A exibição do corpo ofende o pudor.

Eduardo Galeano, no livro Os filhos dos dias (Um calendário histórico sobre a humanidade), 2ª Edição, L&PM Editores, 2012, página 300)