Imprensa é oposição. O resto é armazém de secos e molhados."

(Millôr Fernandes)

terça-feira, 23 de julho de 2024

Cidadania-DF: De volta ao futuro

Terça, 23 de julho de 2024

Partido convoca Cristovam Buarque para revitalizar a legenda e basculá-la à esquerda. Nova Executiva e diretório regional foram eleitos. A ideia é reposicionar o Cidadania para as eleições de 2026. A retomada da denominação Partido Popular Socialista – PPS é, inclusive, cogitada.

Por Chico Sant’Anna
O Cidadania quer ser uma legenda de densidade no cenário política no Brasil e no DF. Para isso, em setembro de 2023, afastou o ex-deputado Roberto Freire, que presidia a legenda desde 1992. Em Brasília, sobrou para a deputada Paula Belmonte. Ela foi afastada da direção local e uma executiva provisória foi constituída. Nessa semana, um congresso extraordinário elegeu uma nova direção executiva e um novo diretório regional. Para modernizar o partido e reinseri-lo nesse novo cenário político foi convocada uma liderança bem veterana: o ex-governador Cristovam Buarque.

Buarque já foi reitor, governador, senador, ministro da educação; foi do PDT e do PT. Cristovam, como ministro da Educação do governo Lula 1 (de 1º de janeiro de 2003 a 23 de janeiro de 2004), foi demitido por telefone e passou a adotar um posicionamento bastante crítico aos petistas. Migrou pro Cidadania, na expectativa de vir a ser um nome presidenciável nas eleições de 2014. Roberto Freire, contudo, preferiu apoiar o tucano Aécio Neves. Votou a favor do impeachment de Dilma Roussef. Um posicionamento visto por muitos como conservador e rancoroso, que lhe custou a reeleição ao Senado Federal em 2018. Em 2022, contudo, foi uma das primeiras vozes não petistas a se apresentar em apoio a candidatura de Luís Inácio da Silva.

Leia a íntegra

Estudo vê chance de recuperação de meio milhão de hectares de caatinga

Terça, 23 de julho de 2024
© Gabriel Carvalho/Setur-BA

Áreas ficam na Paraíba, Pernambuco e no Rio Grande do Norte

Publicado em 23/07/2024 - Por Bruno Bocchini - Repórter da Agência Brasil - São Paulo

Um levantamento feito pela fundação holandesa IDH, com apoio do instituto de pesquisa WRI Brasil, mostra que há, pelo menos, meio milhão de hectares de caatinga com potencial de restauração. Segundo o estudo, divulgado nesta terça-feira (23), em São Paulo, as áreas ficam no Cariri Ocidental, na Paraíba; no Sertão do Pajeú, em Pernambuco; e no Sertão do Apodi, no Rio Grande do Norte.

A pesquisa destaca que a vegetação nativa restaurada poderá oferecer oportunidades econômicas sustentáveis, proporcionando renda e empregos para as populações locais. Entre outros benefícios, a restauração da mata local traria regulação hídrica, estabilização do solo e controle da erosão.

“A conservação e a restauração da paisagem na caatinga são cruciais para a resiliência climática, a segurança hídrica e a sobrevivência de suas comunidades”, diz a coordenadora de projetos do WRI Brasil e uma das autoras do trabalho, Luciana Alves.

EXCLUSIVO —Grupo francês vendeu seguro agrícola para soja dentro de terra indígena no Rio Grande do Sul

Terça, 23 de julho de 2024

Investigação do BdF mostra que gigante do setor desafiou legislação e sustentabilidade - e ainda ganhou subsídio federal

Murilo Pajolla
Brasil de Fato | Londrina (PR) | 23 de julho de 2024

Com lucro líquido de R$ 4,7 bilhões, SCOR é uma das maiores do mercado de resseguros - Divulgação/SCOR

A seguradora brasileira Essor, do grupo francês Scor, um gigante mundial do mercado de resseguros, vendeu seguros agrícolas para o plantio irregular de soja no interior da Terra Indígena (TI) Monte Caseros, localizada nos municípios de Ibiraiaras e Muliterno (RS), a cerca de 250 quilômetros de Porto Alegre.

A venda foi subsidiada pelo Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR), iniciativa por meio da qual o governo federal subsidia, com dinheiro público, uma parcela da aquisição do seguro. Os recursos do PSR são oriundos do Plano Safra.

Os seguros foram contratados entre 2020 e 2021 por dois homens que se declaram agricultores no Rio Grande do Sul, Pedemar Cirino Rodrigues e Sandro Vazzoler. A área segurada pela Essor dentro da TI Monte Caseros totaliza 110,7 hectares.

No início de 2022, a Essor rompeu o contrato com a dupla de forma unilateral, alegando que se tratava de terra indígena, um bem público da União. Nessa época, secas intensas no Sul do Brasil dobraram o volume de indenizações pagas aos fazendeiros, ameaçando a saúde financeira das companhias do segmento.

Ao tomar conhecimento do caso em setembro de 2023, a Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai) acionou o Ibama e a Polícia Federal (PF) com um pedido de investigação por suspeita de usurpação do patrimônio público e arrendamento de terra indígena.

O chamado arrendamento ocorre quando um proprietário cede os direitos de uso de sua propriedade a outra pessoa ou empresa. Mas, no Brasil, as terras indígenas são bens públicos pertencentes à União e de usufruto exclusivo das populações originárias, logo não podem ser usadas em benefício de não indígenas.

Com essas considerações, um relatório técnico interno da Funai de 2023 afirma que o arrendamento segurado pela Essor tem indícios de ilegalidade. O Estatuto do Índio e a Constituição proíbem a prática de arrendar terras indígenas.

Os 4,5 mil hectares da TI Monte Caseros, portanto, só poderiam ser aproveitados economicamente pelos indígenas Kaingang que moram na área.

A Scor, empresa dona da Essor, diz que tem como pilares a sustentabilidade, o combate ao aquecimento global e a preservação da biodiversidade.

Ao segurar lavouras de commodities agrícolas em uma terra indígena, porém, a empresa ajuda a consolidar o desmatamento do pouco de Mata Atlântica que resta na TI Monte Caseros e no Rio Grande do Sul.

As conclusões desta reportagem são baseadas em documentos obtidos com exclusividade pelo Brasil de Fato: a petição inicial de uma ação judicial dos agricultores contra a Essor, além de ofícios enviados pela Funai à PF, ao Ibama e à Justiça de primeira instância, nos quais o órgão indigenista relata o caso.

Procurada, a defesa dos agricultores negou o arrendamento e chamou a prática de "parceria". A alegação completa está no final do texto.

Por meio da assessoria de imprensa, a Essor afirmou, em nota, que "desde junho de 2021, possui um processo e ferramenta para identificação de terras indígenas e sob proteção ambiental, com base nos quais tem identificado tais situações e recusado as respectivas propostas de seguro, incluindo aquelas relacionadas à Terra Indígena Monte Caseros". E reforçou que a empresa "possui uma política de sustentabilidade disponível em seu site, estando em constante aprimoramento das práticas ESG em suas operações".

Consultadas, Funai e Superintendência de Seguros Privados (Susep) não se posicionaram até o fechamento desta reportagem.

Terra Indígena Monte Caseros, onde houve arrendamento, quase não tem cobertura vegetal nativa / Reprodução/Google Earth

Essor rescindiu contrato de arrendamento em terra indígena

Os próprios agricultores, Sandro Vazzoler e Pedemar Cirino, se identificaram à Justiça e admitiram o plantio irregular de soja em terra indígena. A confissão ocorreu em fevereiro de 2022, quando a dupla processou a Essor e pediu para ser indenizada em R$ 465 mil por danos morais e materiais.

Na ação, os supostos arrendatários da TI Monte Caseros reclamam que a seguradora rescindiu o contrato de forma unilateral no final de 2021, devolvendo todo o dinheiro pago até então pelos clientes, mas os deixando sem qualquer cobertura contra o prejuízo provocado pela estiagem que atingiu o Rio Grande do Sul em 2021.

Segundo Vazzoler e Cirino, o motivo apresentado pela Essor para rescindir o contrato sem aviso prévio foi de que as lavouras particulares estavam dentro da TI Monte Caseros. A justificativa da empresa é contestada pelos agricultores, que dizem ter informado à seguradora sobre a localização do plantio no momento da contratação.

"(...) Antes de contratar tanto o seguro objeto dos autos, quanto os demais que foram perfectibilizados, sempre foi enviado de forma prévia para a seguradora as coordenadas geográficas das lavouras, ou seja, sempre soube onde seria a lavora [sic] plantada e segurada", escreveu na petição inicial o advogado Fernando dos Santos.

Com a intenção de comprovar que a seguradora tinha conhecimento prévio, os agricultores apresentaram à Justiça duas apólices de seguros contratadas anteriormente por Vazzoller, para lavouras de trigo e milho. Os documentos, acessados pelo Brasil de Fato, trazem coordenadas geográficas e imagens de satélite que colocam as áreas seguradas dentro da TI Monte Caseros.

"A parte autora [Vazzoler e Pedemar Cirino] já havia firmado outros contratos de seguro agrícola, das mesmas áreas de terras, com a seguradora ré. Não devendo prosperar a alegação apresentada pela mesma para rescindir os contratos em comento. Pois, a mesma no ato da formalização dos referidos contratos tinha pleno conhecimento de que aquela área segurada tratava-se de Área Indígena, inclusive juntou aos contratos os mapas das referidas áreas segurada", prossegue o pedido do advogado Fernando dos Santos.

Funai alertou para agrotóxicos e sugeriu apreensão dos grãos

Gêmeos

  Julho

23

Gêmeos


Em 1944, no paraíso turístico de Bretton Woods, foi confirmado que estavam em gestação os irmãos gêmeos que a humanidade andava precisando.
Um ia se chamar Fundo Monetário Internacional e outro, Banco Mundial.
Como Rômulo e Remo, os gêmeos foram amamentados por uma loba, e na cidade de Washington, pertinho da Casa Branca, acharam onde morar.
Desde então, os dois governam os governos do mundo. Em países onde não foram eleitos por ninguém, os gêmeos impõem o dever de obediência como fatalidade do destino: vigiam, ameaçam, castigam, examinam:
— Você está se comportando bem? Fez a lição de casa?

Eduardo Galeano, no livro “Os filhos dos dias”. L&PM Editores, 2ª edição, pág. 235.

segunda-feira, 22 de julho de 2024

SISTEMA COLAPSADO —Sindicato convoca atos de panfletaço para denunciar sucateamento do Metrô no DF

Segunda, 22 de julho de 2024

Objetivo é ganhar adesão dos usuários para chamar atenção e denunciar descaso do governo Ibaneis com serviço

Redação
Brasil de Fato | Brasília (DF) | 22 de julho de 2024

Incêndio do Metrô DF ocorreu próximo a estação Aguas Claras - Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil

Em razão do sucateamento do Metrô, o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Metroviários do Distrito Federal (SindMetroDF) divulgou uma agenda de atos de panfletaço, nas estações, para denunciar o descaso do governo Ibaneis com o serviço.

“Não podemos conviver com as políticas de abandono no Metrô-DF, políticas essas que colocam a vida de milhares de pessoas em risco, nós estamos em risco e não vamos permitir. Vamos à luta!”, convoca a entidade nas redes sociais.

O intuito do movimento é ganhar adesão dos usuários para chamar atenção para os problemas na Companhia do Metrô do Distrito Federal, em razão da falta de investimento. No último final de semana, ocorreram dois episódios, sendo um deles caracterizado por incêndio. Ao longo do último ano, outros casos semelhantes ocorreram no Metrô da capital.

Polícia resgata 42 homens de centro para dependentes químicos

Segunda, 22 de julho de 2024

Casa funcionava em Nova Iguaçu, no estado do Rio. Ela foi interditada

Publicado em 22/07/2024 - Por Alana Gandra - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

Cerca de 40 homens foram resgatados por policiais da Operação Segurança Presente, em Nova Iguaçu (RJ), de um centro de reabilitação clandestino chamado Projeto Decav, que funcionava em um sítio na rua Mato Grosso, nº 4930, em Campo Alegre.

O major Fagner Souza, coordenador da operação, disse, nesta segunda-feira (22), à Agência Brasil que o local foi descoberto após policiais que faziam o patrulhamento no centro de Nova Iguaçu terem sido abordados por dois homens que haviam fugido do centro clandestino. Eles procuravam refúgio e relataram maus-tratos.

“A equipe foi ao local e comprovou a veracidade dos fatos”, afirmou o militar. “Os policiais foram recebidos pelo responsável pelo centro, que se intitulava pastor Omar Bernardo da Costa, e constataram o cenário insalubre no local. Confirmou-se a denúncia de maus-tratos. A situação era deplorável”, disse.

A inspeção constatou, ainda, que o local era insalubre e não havia profissionais capacitados para realizar o atendimento clínico a dependentes químicos. Todos os homens ali encontrados são dependentes químicos.

Além da pouca alimentação e de má qualidade, os internos eram proibidos de sair do local. Eles sofriam castigos corporais, como surras e, à noite, eram acordados de 40 em 40 minutos para orar, afirmou o coordenador da base.

Escola é condenada por falha no dever de guarda e vigilância de aluna

Segunda, 22 de julho de 2024
Imagem ilustrativa

Do TJDF

A Escola Maple Bear Brasília LTDA foi condenada a indenizar a mãe de uma criança que saiu da escola com terceiros, sem autorização dos pais. A decisão é da 12ª Vara Cível de Brasília.

A autora conta que, em maio de 2023, a ré deixou sua filha, criança de 4 anos de idade, sozinha no estacionamento externo da escola. Afirma que só soube do fato por meio da mãe de outro aluno e que a instituição se recusou a mostrar as filmagens. Alega que esse fato gerou a rescisão contratual dos serviços educacionais e que, em razão disso, teve despesas com nova matrícula em outra escola.

Na defesa, a ré argumenta que, na data do fato, a menor dirigiu-se, como de costume, à recepção para encontrar os pais e que encontrou a mãe de outro aluno e as duas saíram à procura de seus genitores. Sustenta que a criança permaneceu em ambiente restrito a pais, colaboradores e aluno e que ela não saiu das dependências da escola, o que não configura conduta danosa de sua parte.

Feminicídio: marido se torna réu por assassinato de médica no Lago Sul

Segunda, 22 de julho de 2024

Crime ocorreu em outubro de 2020; homem responderá por homicídio quadruplamente qualificado

A Justiça aceitou a denúncia oferecida pela Promotoria de Justiça do Tribunal do Júri de Brasília contra André Reis Villela. Ele é acusado de assassinar a esposa, a médica Sabrina Nominato Fernandes. Com a decisão, proferida na sexta-feira, 19 de julho, André se torna réu no processo penal e poderá responder pelo crime no Tribunal do Júri.

De acordo com a denúncia, o crime foi cometido por motivo torpe (André tinha intenção de receber o seguro de vida da esposa), meio cruel (asfixia), emprego de recurso que dificultou a defesa da vítima (o agressor aguardou que ela ingerisse medicação para insônia para sufocá-la enquanto dormia) e feminicídio. A Promotoria de Justiça também pediu o sequestro de bens móveis e valores recebidos pelo réu decorrentes da morte de Sabrina.

O crime ocorreu em 10 de outubro de 2020, na residência do casal, no Lago Sul. André aproveitou-se do fato de que Sabrina havia ingerido bebida alcoólica e medicação para insônia e, enquanto ela dormia, sufocou a esposa. Ele saiu para o trabalho e, ao retornar, acionou o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) simulando ter encontrado a vítima morta. Laudo pericial demonstrou que ela morreu por asfixia enquanto o réu ainda estava em casa.

Dois meses antes, Sabrina havia assinado um contrato de seguro de vida no valor de R$ 500 mil, do qual André era o único beneficiário. Eles haviam sido casados por seis anos e a relação era marcada por violência física e psicológica praticada pelo réu.

Processo: 0700636-81.2022.8.07.0001

Moradia e sono: a quem é permitido dormir melhor

Segunda, 22 de julho de 2024
Estudo recém-publicado revela: cidadãos de bairros segregados têm piores indicadores de sono, essencial para uma saúde digna. Medo da violência, falta de estrutura pública e de locais de convivência estão entre os motivos que fazem os mais pobres dormirem pior

Créditos: Arquivo/EBC

OUTRASAÚDE         SAÚDE E DESIGUALDADE

Publicado em 22/07/2024

A falta de capacidade de dormir bem, sonhar, lembrar e compartilhar está na origem de nossa crise socioambiental, defende o professor e neurocientista Sidarta Ribeiro. E embora o sono esteja escasso para pessoas de todas as origens, também há desigualdade no dormir. É o que mostra um estudo encabeçado por pesquisadores ligados ao Laboratório de Educação em Ambiente e Saúde da Fiocruz. Eles buscaram descobrir se o local de moradia influencia na qualidade do sono da população. Suas análises e conclusões foram publicadas na edição mais recente da Cadernos de Saúde Pública, revista ligada à ENSP/Fiocruz, parceira editorial de Outra Saúde.

A conclusão principal é de que moradores de zonas residenciais segregadas têm, de fato, índices piores. Têm mais chance de dormir uma quantidade de tempo insuficiente, ter privação de sono e sonolência diurna. Os pesquisadores entrevistaram mais de 9,9 mil pessoas, servidoras públicas e aposentadas de seis capitais brasileiras, de estados do Nordeste, Sudeste e Sul. Definiram a “segregação residencial” com base nos indicadores de renda, tamanho da família e composição étnico-racial.

O estudo menciona os riscos à saúde da falta de sono, “tal qual problemas cognitivos, psicossociais e cardiometabólicos, além de aumentar o risco de condições específicas como diabetes mellitus, doenças cardiovasculares e obesidade”. Segundo seus cálculos, há um dado preocupante que independe do local de moradia do cidadão: 49,6% de todos os entrevistados dormem menos de 6 horas por dia, uma duração considerada insuficiente. Os indivíduos que vivem em vizinhanças de alta segregação socioeconômica avaliados dormiram, em média, 14 minutos a menos que aqueles em baixa segregação.

Gama e Santa Maria promovem evento para enfrentamento à violência doméstica

Segunda, 22 de julho de 2024

Rede Elas promoveu capacitação no intuito de fomentar conhecimento a respeito de gênero, raça e classe a ser aplicado no atendimento a mulheres

Nesta quinta-feira, 18 de julho, a Rede Elas de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres, do Gama e de Santa Maria, realizou capacitação para seus integrantes com o tema “Diálogos: sobre Gênero e Interseccionalidade”. O objetivo foi fomentar discussão a respeito das questões relacionadas a gênero, raça e classe, em menção ao dia da Mulher Negra Latino-americana e Caribenha, celebrado na próxima quinta-feira, 25 de julho, sendo a data um símbolo da resistência das mulheres negras.

Na ocasião, foram ministradas palestras sobre Interseccionalidade de gênero, raça e classe, por Loyde Cardoso, educadora social da Sedes/GDF e doutoranda em Literatura e Práticas Sociais, pela UnB; e sobre Gênero e Masculinidades, por Victor dos Santos Valadares, psicólogo do Nafavd/GDF e doutorando em Psicologia Clínica e Cultura, pela UnB.

O intuito do evento foi fomentar o conhecimento técnico dos integrantes da Rede para promover uma sensibilização e capacidade na execução de políticas públicas que visem o bem estar e a proteção de mulheres negras. De acordo com dados do Instituto de Pesquisa e Estatística Aplicada (Ipea), 67% das vítimas de feminicídio são negras. As questões de gênero, com atenção especial para bases de masculinidades que operam as mais diversas violências, também foi um dos temas abordados no treinamento.

SHOW CELEBRA 70 ANOS DO MULTI-INSTRUMENTISTA INTERNACIONAL MANASSÉS DE SOUSA. Será nesta quinta (25/7)

Segunda, 22 de julho de 2023

Show “Manassés de Sousa: 70 anos de música e histórias” chega ao Clube do Choro em clima de grande celebração

Considerado uma das maiores referências da música instrumental no Brasil e em grande parte do mundo, o violonista Manassés de Sousa apresenta show diferenciado no dia 25 de julho no Clube do Choro, com dezenas de participações especiais e um repertório que percorre diversas fases de sua trajetória.

Dono de uma carreira profissional extensa e amplamente reconhecida no Brasil e no exterior, o arranjador, compositor, produtor musical e multi-instrumentista Manassés de Sousa, escolheu comemorar seu aniversário de 70 anos no palco. O músico, incrível arquiteto das canções bem elaboradas, vai reunir dezenas de convidados especiais na mesma noite, tocar canções icônicas do repertório não apenas brasileiro, como mundial, bem como contar um pouco de algumas histórias que perpassam sua vida profissional ao lado dos maiores nomes da música.O show acontece no dia 25 de julho, no Clube do Choro e os ingressos já estão à venda no site da Bilheteria Digital.

Como é conhecido carinhosamente, “Mana", vai estar acompanhado de uma super e compacta banda liderada pelo baixista Oswaldo Amorim que assume a direção musical, pelo baterista Pedro Almeida e pelo tecladista Misael Silvestre.

Versátil, inovador, criativo, dono de um estilo único de compor e arranjar as mais incríveis melodias e harmonias, Manassés - que já rodou o mundo tendo sido radicado em Paris por longo período - transforma a noite do dia 25 de julho em muito mais que um show; vai ser uma celebração com muito dinamismo e interação com a plateia. Afinal, cada um de seus convidados especiais possuem características e trejeitos próprios, além de dominarem instrumentos distintos ou serem intérpretes diferentes uns dos outros.

domingo, 21 de julho de 2024

EUA e Venezuela: Quem dá aula de democracia?

Domingo, 21 de julho de 2024

Decisões favoráveis a policiais frustram famílias de vítimas no Rio

Domingo, 21 de julho de 2024
© Freepick

Em 2024, foram ao menos 5 absolvições ou transferências de corte

Publicado em 21/07/2024 - Por Rafael Cardoso - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

Legítima defesa. Falta de provas. Homicídio sem intenção de matar. Expressões corriqueiras em julgamentos de policiais acusados de assassinar moradores de favelas. No fim, as sentenças são semelhantes: os réus são absolvidos ou o processo é transferido para cortes mais favoráveis aos policiais, como o Tribunal Militar. Em 2024, no Rio de Janeiro, pelo menos cinco casos de grande repercussão tiveram esse tipo de resultado.

O julgamento mais recente foi o do adolescente João Pedro Mattos Pinto. Na tarde do dia 18 de maio de 2020, a Polícia Federal e Polícia Civil do Rio de Janeiro fizeram uma operação na comunidade do Salgueiro, em São Gonçalo, na região metropolitana. João Pedro, então com 14 anos, estava na casa do tio e foi ferido nas costas por um tiro de fuzil. A casa ficou com mais de 70 marcas de tiros.

A investigação constatou que o disparo que matou o menino veio da arma de um policial civil. A defesa dos agentes alegou que eles entraram na casa para perseguir criminosos durante um confronto. Mas uma testemunha disse que não viu traficantes no local. O Ministério Público afirmou que a cena do crime foi alterada pelos policiais para simular um confronto.

Em fevereiro de 2022, os agentes Mauro José Gonçalves, Maxwell Gomes Pereira e Fernando de Brito Meister viraram réus por homicídio duplamente qualificado, por motivo torpe e fútil, e respondiam em liberdade. Até que, no dia 10 de julho, a juíza Juliana Bessa Ferraz Krykhtine decidiu absolver os três, ao alegar que eles agiram em “legítima defesa”.

A sentença revoltou os familiares de João Pedro, que procuraram a Defensoria Pública e o Ministério Público para recorrer.

“Decisão absurda e tenebrosa da juíza. Não tem como sair uma sentença dessa aí, que fala em legítima defesa. Só os policiais efetuaram disparam. Uma casa de família, onde só havia adolescentes brincando, os policiais se acharam no direito de invadir e efetuar mais de 70 disparos”, disse Neilton Pinto, pai de João Pedro.

SUSPEITO —Suposto informante de Bolsonaro na Receita teve cinco reuniões privadas com o ex-presidente

Domingo, 21 de julho de 2024
Militar da reserva seria a fonte sobre o caso das 'rachadinhas' de Flávio Bolsonaro

Redação
Brasil de Fato | São Paulo (SP) | 21 de julho de 2024

Jair Bolsonaro queria informações da Receita Federal que ajudassem na defesa de seu filho mais velho

Um militar da reserva do Exército que teve pelo menos seis encontros privados com o ex-presidente Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto e no Alvorada em 2019 é apontado como a fonte na Receita Federal mencionada pelo ex-presidente durante uma reunião relacionada ao caso das "rachadinhas" envolvendo o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), segundo apuração publicada neste domingo (21) pelo jornal Folha de S.Paulo.

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), na última segunda-feira (15), tornou público o áudio de 25 agosto de 2020, no qual Bolsonaro discutiu o uso de recursos do governo para tentar invalidar a investigação contra seu filho mais velho, Flávio Bolsonaro.

Durante a reunião, o ex-presidente se comprometeu a conversar com os líderes da Receita Federal e do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), visando buscar evidências que pudessem demonstrar que o senador teve suas informações acessadas ilegalmente no início da investigação.

Nesta reunião estavam Jair Bolsonaro, o chefe do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, o então diretor-geral da Abin (Agência Brasileira de Inteligência), Alexandre Ramagem, e duas advogadas de Flávio, Luciana Pires e Juliana Bierrenbach.

Durante o encontro, o ex-presidente disse aos demais participantes que seu informante na Receita Federal seria "um oficial do Exército", e sugere que deveria ter escolhido um agente do serviço secreto russo. Na reunião, Bolsonaro afirmou ter esquecido o nome da sua fonte. Heleno, então, menciona "Magela".

ABIN PARALELA —Governo Bolsonaro mandou Abin investigar servidores do Ibama, mostra relatório da PF

Domingo, 21 de julho de 2024
Três agentes do órgão incomodavam o ex-ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, que pediu suas 'fichas corridas'

Redação
Brasil de Fato | São Paulo (SP) | 21 de julho de 2024

Segundo o ex-assessor de Joaquim Leite, a solicitação era importante, pois os agentes estariam 'dando trabalho à gestão' - Antonio Cruz/Agência Brasil

A Operação Última Milha, deflagrada pela Polícia Federal (PF) no último dia 11 de julho, mostra que, durante o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro, o então ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, pediu que três servidores do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) fossem investigados pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin). A informação foi publicada pelo UOL neste domingo (21).

Segundo o relatório da PF, houve três tentativas do governo de obter dados pessoais dos servidores. O delegado da Polícia Federal Rodrigo Augusto de Carvalho Costa, que era assessor de Leite, foi responsável por uma das solicitações de informação sobre os agentes do Ibama. Seu contato era Giancarlo Rodrigues, sargento do Exército, apontado na operação Última Milha como integrante da chamada "Abin paralela".

É hoje, neste domingo, o 🌅✨ Melhor Pôr do Sol da Capital ✨🌅 Pôr do Sol Musical neste domingo, dia 21 de julho

Domingo, 21 de julho de 2024


🌅✨ Melhor Pôr do Sol da Capital ✨🌅

Neste domingo, 21, a partir das 16h, vivenciaremos mais um encontro espetacular para os apaixonados pelo pôr do sol e boa música. O saxofonista Joel do Sax 🎷 e o músico Juan Ricthelly 🎸 abrilhantarão a tarde, trazendo a harmonia do sax e do violão.

O coração do Parque Ecológico do Gama, conhecido como o ponto de encontro para caminhadas e corridas dos moradores locais, oferece uma das vistas mais deslumbrantes da cidade para apreciar o pôr do sol do Gama.

Estamos te convidando para o próximo encontro! Traga seu tapete, agasalho, caixa cooler e boas vibrações para aplaudir o astro rei ao som de boa música, poesias declamadas e fazer novas amizades. Reserve o final de tarde do dia 21/07 e venha se juntar a nós - nossos encontros acontecem todo 3° domingo do mês.

A participação é gratuita, mas a contribuição via PIX solidário para apoiar os artistas e músicos é sempre bem-vinda!

Para mais informações, confira o link na BIO ou siga-nos no Instagram @pordosolparquegama.

Fonte: Gama Cidadão

O outro astronauta

Julho
21
O outro astronauta

Neste dia de 1969, os jornais do mundo inteiro dedicaram sua primeira página à foto do século: os astronautas tinham caminhado pela Lua, com passos de urso, e tinham marcado na Lua as primeiras pegadas humanas.

Mas o principal protagonista da façanha não recebeu as felicitações que merecia. Werner von Braun tinha inventado e lançado aquela nave espacial.

Antes de empreender a conquista do espaço por conta dos Estados Unidos, Von Braun tinha levado adiante a conquista da Europa por conta da Alemanha. 

Esse engenheiro, oficial das SS, era o cientista predileto de Hitler. 

Mas no dia seguinte ao fim da guerra soube dar um pulo prodigioso e caiu de pé na outra margem do mar. 

Instantaneamente se transformou em patriota da sua nova pátria, se fez devoto de uma seita evangélica do Texas, e pôs mão à obra no laboratório espacial.

(Eduardo Galeano, no livro Os Filhos dos Dias,
2ª Edição, 2012, pág. 233, L&PM Editores)

sábado, 20 de julho de 2024

Padre Cícero: entre a santidade e a política aos 90 anos de morte

Sábado, 20 de julho de 2024

© Senado Federal/Domínio Público

Ainda hoje, sacerdote mobiliza milhares de pessoas a Juazeiro do Norte

Publicado em 20/07/2024 - Por Lucas Pordeus León - Repórter da Agência Brasil - Brasília

Milagres, guerra e política marcaram a vida de Padre Cícero Romão, considerado um dos personagens mais importantes da história do Brasil. Este sábado (20) marca os 90 anos de morte do sacerdote, que ainda hoje mobiliza centenas de milhares de pessoas a Juazeiro do Norte (CE) todos os anos.

Nascido em 1844, no Crato (CE), sertão cearense, Padre Cícero (mais conhecido como Padim Ciço) é considerado santo por uma multidão de devotos e Juazeiro do Norte é tido como um local sagrado.
Brasília (DF), 19.07.2024 - Cozinheira e costureira Marinez Pereira do Nascimento Foto: Marinez Pereira/Arquivo Pessoal

A cozinheira e costureira Marinez Pereira do Nascimento, de 58 anos, que é mestra de cultura popular, relatou a devoção que tem a Padre Cícero e Maria de Araújo, beata que protagonizou os famosos milagres das hóstias.

“Minhas letras [de músicas de coco] falam muito sobre o Padre Cícero porque, para mim, ele é santo. O Padre Cícero veio para transformar Juazeiro. Ele é um enviado de Deus para a região do Cariri. Se não fosse o Padre Cícero, não existia Juazeiro, não existia romaria. A beata Maria de Araújo, para mim, faz e fez o mesmo papel que Nossa Senhora”, explicou.

A santificação dada pelo povo ao Padre Cícero e a Maria do Araújo tem origem nos chamados milagres das hóstias. Conta-se que as hóstias ministradas pelo Padre viraram sangue na boca da beata Maria de Araújo.

O suposto milagre — rejeitado pela Igreja Católica, que chegou a excomungar o sacerdote e proibir que ele realizasse missas — levou multidões para Juazeiro, criando um dos maiores movimentos populares e religiosos da história do país.

Da religião para política

O historiador e professor Régis Lopes, da Universidade Federal do Ceará (UFC), ressalta que a partir do trabalho religioso, Padre Cícero se tornou um importante político do seu tempo.

Vai pra Cuba! Partindo de Brasília

Sexta, 20 de julho de 2024

Uma rota entre a Capital Federal, La Habana, com escala em Bogotá, na Colômbia está sob exame das autoridades que regulam o transporte aéreo. Iniciativa pode transformar Brasília em um importante hub de conexão do Caribe com a América do Sul.

Texto e fotos de Chico Sant’Anna

Brasília pode se transformar num importante ponto de conexão da América do Sul com o Caribe. Depois de anunciar um voo da Capital Federal para Cancun, a empresa Gol quer agora operar rumo a lendária “Ilha de Fidel”. O voo para Cuba não seria direto, teria uma conexão em Bogotá. Ainda não há uma data certa para começar o voo, tudo depende das autorizações dos órgãos de regulação do transporte aéreo. Atualmente, outra opção dos brasileiros em viajar até La Habana é pela Copa, com conexão no Panamá. Há muito tempo, a companhia Cubana de Aviación deixou de realizar voos ao Brasil.

Sobre turismo internacional, leia também:
A Gol Linhas Aéreas já requereu permissão para operar a rota. Como haveria uma parada em Bogotá, os passageiros também podem optar por fazer parte do voo, seja ele Cuba-Colômbia ou Colômbia-Brasília, e vice-versa. A cia aérea ainda disponibiliza a possibilidade de em Brasília, os passageiros fazerem conexão para/proveniente de 26 outras cidades brasileiras por ela atendida.

LUTA ANTIMANICOMIAL —TCDF mantém suspensão de recursos públicos à clínica Salve a Si, acusada de violação de direitos humanos e desvio de finalidade

Sábado, 20 de julho de 2024

Comunidade terapêutica pode ter causado prejuízo de R$300 mil aos cofres públicos

Redação
Brasil de Fato | Brasília (DF) | 20 de julho de 2024

De acordo com profissionais da psicologia, "comunidades terapêuticas são uma mistura de prisões, igrejas e senzalas" e aplicam tratamento manicomial - Foto: Agência Brasília

O Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) decidiu manter a suspensão de investimento público na Organização da Sociedade Civil (OSC) Salve a Si, localizada em São Sebastião. A decisão unânime entre os conselheiros foi anunciada na quarta-feira (17), seguindo o voto do relator André Clemente.

Durante a sessão, Clemente destacou os indícios de irregularidades na instituição, incluindo desvio de finalidade de imóveis, uso de mão de obra de acolhidos para tarefas alheias ao tratamento e precarização dos serviços prestados. Além disso, há suspeitas de dano ao erário, com recursos previstos para repasse que ultrapassam R$ 300 mil.

“Mantenha a suspensão do repasse de recursos à Salve a Si até que toda a prestação de contas seja realizada e ocorra nova deliberação desta corte”, afirmou Clemente. Ele também estipulou um prazo de 30 dias para a instauração de um processo administrativo para avaliar possíveis sanções à OSC.

A intrusa

Julho

20

A intrusa

Em 1951, uma foto publicada na revista  Lyfe causou um alvoroço nos círculos ilustrados de Nova York.

Pela primeira vez apareciam, reunidos, os mais seletos pintores da vanguarda artística da cidade: 

Mark Rothko, Jackson Pollock, Wollem de Kooning e outros onze mestres do expressionismo abstrato.

Todos homem, mas na fila de trás uma mulher aparecia na foto, desconhecida, de sobretudo negro, chapeuzinho e uma bolsa no braço.

Os fotógrafos não esconderam seu desgosto diante daquela presença ridícula. 

Alguém tentou, em vão, desculpar a infiltrada, e a elogiou dizendo:

     — É que ela pinta feito homem.

    O nome dela era Hedda Sterne. 


Eduardo Galeano, no livro “Os filhos dos dias”.
L&PM Editores, 2ª edição, pág. 232.

==============

 

Obra de Hedda Sterne

sexta-feira, 19 de julho de 2024

MPDF cobra da Secretaria de Educação providências para regularizar situação de ex-alunos do Colégio Octa (do Gama/DF)

Sexta, 19 de julho de 2024

Do MPDF

Escola localizada no Gama teria fechado as portas sem fornecer os históricos escolares aos alunos de ensino fundamental e médio. Estudantes teriam sido transferidos para colégio não credenciado junto à Secretaria de Educação

A Promotoria de Justiça de Defesa da Educação (Proeduc) instaurou procedimento administrativo a fim de apurar a notícia de que o Colégio Octa, localizado na quadra 1, lote 500, Setor Industrial do Gama, teria fechado sem disponibilizar os históricos escolares dos estudantes. O Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT) oficiou ao Conselho de Educação do DF para que informasse sobre o credenciamento e funcionamento do Colégio, quantidade de turmas e alunos, bem como para esclarecesse as medidas adotadas em relação ao não fornecimento de documentos necessários para transferência dos estudantes afetados pelo despejo da instituição de ensino.

Sessenta anos de sanções tornaram a vida muito difícil para os cubanos

Sexta, 19 de julho de 2024



Depois de Barack Obama e Raúl Castro terem aprovado em Havana o restabelecimento das relações entre os seus governos, era de esperar que as coisas mudassem entre os dois países. Mas essa viragem histórica na política externa dos EUA em relação a Cuba foi interrompida bruscamente com a chegada de Donald Trump dois anos depois, em Janeiro de 2017.

Do Pátria Latina

Por Alexandre Anfruns*
Colaborador da Imprensa Latina

E depois da sua eleição em 2021, embora isso significasse quebrar as suas promessas, Joe Biden voltou à luta, aplicando uma política anticubana que dura há mais de seis décadas.

Apesar disso, um escritor anglo-canadiano levou muito a sério as possibilidades abertas ao investimento estrangeiro e ao desenvolvimento económico na ilha após o restabelecimento dos laços diplomáticos entre Cuba e os Estados Unidos.

TK Hernández passou seis anos, entre 2016 e 2022, viajando entre Londres, Washington, Toronto, Ottawa e Havana para entrevistar mais de 30 especialistas nos sectores económicos estratégicos da ilha.

No dia 16 de fevereiro, seu livro “As Entrevistas de Cuba: Conversas sobre Investimento Estrangeiro e Desenvolvimento Econômico” (Palgrave Macmillan, 2023), foi apresentado na 32ª Feira Internacional do Livro de Havana. Os testemunhos que recolheu têm como pano de fundo a história contemporânea da busca da soberania pela Revolução Cubana.

Alex Anfruns (AA): Você pode nos contar um pouco sobre a gênese do seu livro, que contém muitas informações?

TK Hernández (TKH): Comecei a fazer entrevistas para o Cuba Business Report em 2016. A primeira entrevista foi com o CEO de uma empresa britânica em Londres. Fizemos a entrevista por telefone. A empresa tinha um projeto incrível para desenvolver um luxuoso resort de golfe com vilas e condomínios de propriedade plena em Carbonera.

Seria a primeira empresa a construir vilas e apartamentos luxuosos em regime de propriedade plena para estrangeiros. Foi um projeto incrível. Tanto os cubanos como a companhia britânica ficaram entusiasmados.

As pessoas foram atraídas pelo conceito do Cuba Business Report, um relatório imparcial sobre o progresso económico e empresarial de Cuba. Comecei a entrevistar autoridades governamentais e investidores estrangeiros de muitos países.

O Cuba Business Report também foi escolhido para ser o parceiro de mídia e publicação oficial de muitas reuniões em Havana, incluindo a Conferência Cupet de Petróleo e Gás, por três anos consecutivos. Ele tinha uma boa reputação entre a comunidade empresarial de Cuba e entre os investidores estrangeiros. Uma entrevista levou a outra e a outra.

AA: E qual foi o pano de fundo do processo de escrita?

TKH: Depois da eleição de Trump, que assumiu como missão punir os cubanos e a sua economia, pensei que estas entrevistas tinham valor, por isso compilei-as em formato de livro, como uma espécie de legado caso o site não permanecesse. O objetivo era apresentar uma “janela aberta para Cuba”. É um registro da história moderna.

Ao longo desse trabalho entrevistei muitas pessoas proeminentes no sector das artes e da cultura, mas elas não estão incluídas no livro porque “As Entrevistas em Cuba: Conversas sobre Investimento Estrangeiro e Desenvolvimento Económico” tratou apenas desses tópicos. Pretendo publicar essas outras entrevistas no futuro.

AA: Ao continuar a incluir Cuba na lista de “Estados patrocinadores do terrorismo”, tanto sob as administrações Trump como Biden, Washington revela a sua intenção de torcer o braço do governo da Revolução Cubana. Como avalia esta estratégia dos EUA e a sua possível evolução?

TKH: Colocar Cuba na lista de “Estados patrocinadores do terrorismo” é um esforço adicional para destruir a economia cubana. A designação pela administração Trump teve como objetivo principal impedir o investimento e o comércio estrangeiros.

É uma política fracassada baseada na fabricação de mentiras com a cumplicidade da mídia corporativa. Biden não retirou Cuba da lista e nada fez para cumprir as suas promessas de campanha sobre Cuba.

Como você sabe, há mudanças dramáticas no mundo. As pessoas estão concentradas na guerra na Ucrânia e no genocídio na Palestina. Ao mesmo tempo, temos a Iniciativa Cinturão e Rota da China, os Brics e uma revolução pan-africana contra as estruturas neocolonialistas no Sahel.

Também temos o que Deus sabe o que estará acontecendo política e psicologicamente nos Estados Unidos. O mundo acaba de testemunhar a insanidade do recente debate presidencial.