Imprensa é oposição. O resto é armazém de secos e molhados."

(Millôr Fernandes, que faria 90 anos em 16 de agosto)

sábado, 12 de maio de 2012

Manifestantes vão às ruas da Espanha no aniversário de um ano do movimento Indignados

Sábado, 12 de maio de 2012
Da Agência Brasil

Milhares de manifestantes foram às ruas de várias cidades da Espanha hoje (12) para marcar o primeiro aniversário do movimento de protesto Indignados. Muitos ainda devem se reunir na Praça Puerta del Sol, no centro da capital, Madri.

Em 2011, o movimento Indignados estabeleceu um acampamento na praça, mas as autoridades disseram que,hoje, vão impedir que os manifestantes passem a noite no local.

"O objetivo de hoje é recuperar os espaços públicos", disse a manifestante Sofia Ruiz. "Também é uma forma de celebrar o fato de existirmos há um ano e que vamos estar aqui até que o sistema mude, que sejamos ouvidos ou que eles levem em conta nossas reivindicações", acrescentou.

O movimento de protesto foi formado devido ao impacto da pior crise econômica das últimas décadas na Espanha. O índice de desemprego atingiu recorde em abril e o governo anunciou recentemente mais medidas de austeridade.

Protestos parecidos, organizados pelo movimento Occupy, também estão ocorrendo hoje em várias cidades de outros países, incluindo Londres. Na capital britânica, centenas de manifestantes se reuniram em frente à Catedral de St. Paul, onde um acampamento de protesto foi retirado pelas autoridades em fevereiro.
As manifestações também estão ocorrendo na Itália, Bélgica e Alemanha.

Na Espanha, alguns setores da sociedade criticaram os Indignados devido ao fato de os protestos terem tido pouco impacto na política espanhola no último ano. O governo do primeiro-ministro conservador Mariano Rajoy, eleito em novembro de 2011, introduziu cortes orçamentários e aumentos de impostos.
Rajoy também anunciou a desregulamentação do mercado de trabalho, o que gerou insatisfação entre os sindicatos do país.

"Esta é uma corrida de longa distância, ninguém pode mudar todo o sistema político em um dia ou um ano, leva tempo", disse Noelia Moreno, uma ex-porta-voz dos Indignados de Madri.